Tártaro em cães sénior: Como tratar?

Em que pode prejudicar o aparecimento do tártaro?

O tártaro é o meio ideal para que ocorra crescimento bacteriano. As bactérias podem causar inflamação (gengivite), que por sua vez progride para doença periodontal – que causa mais inflamação, dor e que termina quase sempre na perda de dentes, por “apodrecimento” da raiz.

Além disso, as bactérias presentes a nível do tártaro podem ser absorvidas para a corrente sanguínea deposintando-se em vários orgãos, sendo os principais alvos –  o rim e o coração, podendo no caso do coração, causar endocardites infecciosas – muito graves para a saúde do seu patudo!

 

Como pode tratar?

O tártaro para ser removido completamente tem de ser atráves de destartarização. É um procedimento médico que tem de ser realizado com anestesia geral.

Muitas vezes isso demove os tutores a realizarem a destartarização, mas é o método mais seguro. Com a anestesia geral, é colocado um tubo endotraqueal que garante a respiração dos cães, e previne a entrada da água (que é usada para remoção e limpeza do tártaro) para a traqueia e pulmões. Claro que em cães séniores há um risco anestésico acrescido. No entanto, a idade não é impeditiva! Desde que seja o seu cão seja avaliado correctamente antes de se realizar este procedimento. Para isso devem ser realizados os seguintes exames:

  • Exame clínico realizado pelo seu Médico Veterinário
  • Análises pré-cirúrgicas, para correcta avaliação da funcionalidade orgânica
  • ECG / Eccoardiografia, caso o seu patudo tenha problemas cardíacos.

 

Como pode prevenir?

Depois do tártaro ser removido, a prevenção realizada em casa é fundamental para evitar a formação de placa bacteriana e consequentemente, a formação de tártaro. Há quatro prevenções fundamentais:

  • Dieta – há rações específicas para probemas dentários
  • Escovagem de dentes diária– infelizmente, nem todos os cães toleram que se mexa nas suas bocas. No entanto, há pastas enzimáticas (como a Orozyme) que não precisam de escovagem mas têm no entanto, de ser usadas todos os dias também. As pastas de dentes têm de ser apropriadas para os animais, pois as de pessoas contêem substâncias que prejudicam a saúde do seu patudo.
  • Biscoitos / Brinquedos que ajudam a prevenir o tártaro por acção mecânica
  • Destartarizações frequentes, idealmente, anuais, para prevenir o dano irreversível que ocorre com o tártaro a nível das gengives (retração gengival) e perda de dentes.

 

Com uma prevenção activa, conseguimos ter num cão sénior, uma boca saudável!

 

Ana Pinto

Médica Veterinária de Animais de Companhia

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *