¿Mi perro mini puede comer croquetas medianas?  

Los piensos clasificados en base al tamaño de la croqueta podemos dividirlos , de forma general, en 4 tipos: 

  • Croquetas extra pequeñas : para perros de razas toy o miniatura (2-4 kg) como pueden ser Chihuahuas, bichones, yorkis o cruces. Su tamaño es muy reducido, algo más grande que una lenteja. Facilita la masticación y reduce la acumulación de sarro al actuar de forma mecánica limpiando los dientes.  
  • Croquetas pequeñas : Para razas de tamaño pequeño, entre 4-10 kilos aproximadamente. Aquí podemos incluir individuos de razas como pomeranias, schnauzer mini, o cruces de aproximadamente esa complexión. Las croquetas son de un tamaño similar a un guisantes. También favorecen la limpieza de las piezas dentales.  
  • Croquetas medianas : Perros de entre 10 y 30 kilos aproximadamente, como beagles, cockers, collies… De tamaño similar a un garbanzo cocido. Estas croquetas dificultad el atragantamiento y obligan al animal a masticar más despacio.  
  • Croquetas grandes : De tamaño similar al hueso de una ciruela. Están indicadas para perros de más de 30 kilos, como pastores alemanes, labradores, mastines… Favorecen la masticación y evitan el atragantamiento.  

Con estos puntos aclarados, vemos que hay diferencias claras entre los tamaños de algunas croquetas. No obstante, no todos los piensos ni todas las gamas cuentan con esta variabilidad de tamaño. Existen piensos que cuentan con croquetas que tienen un tamaño medio universal, para animales de tamaño medio, que también pueden ser ingeridos por animales pequeños o grandes.

Si bien es cierto que las razas de tamaño muy pequeñas pueden tener dificultades para aprehender este tamaño de croquetas, las razas de tamaño pequeño no deberían de tener mayor problema a la hora de ingerirlo. No obstante, en caso contrario y si no hay otra opción, como puede ser un caso de alergia que responde perfectamente a un pienso y este no cuenta con tamaño pequeño de croqueta, se puede optar por machacar el pienso y así facilitar la aprehensión por parte del animal. 

Juan Vázquez 

Médico veterinario 

Luxación de la rotula en perros.

¿Que es la luxación de rotula? Intentare explicarlo de forma sencilla para que se entienda. La rotula es un hueso pequeño y ovalado que está situado en la rodilla, concretamente en el fémur, el cual tiene dibujado una especie de surco por el cual discurre la rodilla. Cuando la pierna se flexiona y se estira, la rotula sube y baja por este surco por acción de los tendones, permitiendo el movimiento de la pierna. Normalmente este surco está bien definido y la rotula está sujeta por ligamentos, pero cuando no es así, la rotula puede salirse del mismo y “descarrilar”, y es a esto lo que se le conoce como luxación de rotula. Al no discurrir normalmente por su sitio, la rotula no puede desplazarse y  compromete el movimiento de la pierna.

¿Cuáles son las causas? Fundamentalmente genética, en razas pequeñas como york shire, chihuahua, Pomerania… Pero también puede ser traumática en cualquier raza y tamaño. Un golpe o una mala caída pueden lesionar los ligamentos que mantienen la rotula en su posición, ocasionando la luxación.

¿Que síntomas produce? Pues como podéis presuponer, una cojera de leve a moderada. Es frecuente en los estadios iniciales de la luxación congénita una cojera intermitente de alguna de las patas de atrás. El animal va andando tan normal y de pronto cojea dando un par de saltitos, luego de nuevo camina con naturalidad, y así sucesivamente. Es importante acudir a nuestro veterinario si detectamos alguna anomalía en la marcha ya que cuanto antes se ataje el problema mejor pronóstico tendrá.

¿Cuál es el tratamiento? Pues si ha sido de origen traumático, la cirugía es la única solución. Y en caso de origen congénito, depende del grado de luxación. En casos leves basta con tratamiento sintomático, ejercicio suave y pérdida de peso. En casos mas graves la cirugía es el único tratamiento eficaz.

Juan Vazquez

Medico veterinario.

3 Cuidados para perros de pelo largo

Cuidados necesarios para perros de pelo largo

Este tipo de pelo cae durante todo el año pero en determinadas épocas cuando se produce la muda, esta caída se ve intensificada. Debemos tener en cuenta 3 puntos importantes para que nuestro perro luzca una melena limpia, sana y brillante:

  • Cepillado: es recomendable cepillar el pelo largo 1 vez al día para así evitar enredos y eliminar el pelo que se cae y queda enredado. En algunas ocasiones esto es una tarea complicada porque el animal no se muestra muy colaborador. Debemos intentar acostumbrar a nuestro perro desde cachorro ya que el cepillado es muy importante en este tipo de pelaje. Si no realizamos un buen cepillado el perro tendrá muchos nudos y podemos necesitar cortar mechones para evitar hacerle daño.
  • Baños: como sucede con cualquier perro, una baño al mes puede ser suficiente. Debemos usar un champú adecuado para perros de pelo largo, muchos de ellos llevan incorporado productos que le darán una mayor suavidad y facilitará el desenredo. Además, se pueden usar acondicionadores específicos que mantendrán el pelo brillante y liso, además de ayudar en el cepillado.
  • Cortes de pelo: muchos perros de pelo largo necesitan varios cortes de pelo al año para cuidar las puntas y lucir una forma más bonita. Existen algunas razas que tienen cortes de pelo específicos. No se recomienda rapar al animal, salvo el caso de lesiones de piel específicas.

Si tenéis cualquier pregunta, no dudéis en acudir a un profesional en peluquería canina para que os de los consejos adecuados.

Irene Martinez

Médica Veterinaria

Todos os cães devem fazer tosquia?

Para que serve o pelo?

O pelo tem como principal função proteger o patudo de temperaturas extremas – quer do frio quer do calor – bem como de raios ultravioleta. Existem diversas pelagens: curta, comprida, com pelo mais duro ou mais suave e até cães com duas camadas de pelo (a camada exterior e a camada interior ou sub-pelo).

Os cães mudam o pelo essencialmente na mudança de estação, contudo, esta mudança e consequente queda do pelo está muito suscetível à influência da luz solar. Por esse motivo, é comum que cães de apartamento, sujeitos a luz artificial de forma constante, acabem por largar pelo durante todo o ano.

Então por que motivo se deve tosquiar os cães?

Apesar do pelo constituir uma barreira protetora, a tosquia ajuda a renovar o pelo e a mantê-lo forte e saudável. Em alguns cães, principalmente cães de pelo longo, a tosquia ajuda a manter a higiene quer do próprio pelo, quer da pele. Como o pelo cresce mais forte e saudável, a queda de pelo pode diminuir em cães que fazem tosquia de forma regular (contudo os cães continuarão a largar pelo mesmo depois de serem tosquiados!).

Tomar a decisão de tosquiar ou não consoante o tipo de pelo

Nem todos os cães são candidatos a tosquia.

  • Cães de pelo curto, por exemplo, apesar de largarem muito pelo, não são candidatos a tosquia (como é o caso do Labrador).
  • Cães de pelo longo, tendo em conta o corte típico de raça, são candidatos a tosquia para que o pelo possa crescer saudável.
  • Cães de pelo duplo (como Husky ou Pastor Alemão) não são candidatos a tosquia. Nestes casos, o subpelo muda aquando a estação do ano, de forma a que a proteção contra o frio e contra o calor possa ser mantida.

E as tosquias são todas iguais?

Não. A tosquia pode ser realizada à tesoura, à máquina, com diferentes lâminas (que cortam o pelo com diferentes tamanhos, dependendo da lâmina utilizada), ou à mão (stripping). A tosquia deve ser realizada segundo o tipo de pelo e o tipo de raça.

  • Tosquia completa: É feita normalmente com máquina e está indicada em cães com pelo longo, com tendência a ganharem “chocas” ou cães que largam muito pelo.
  • Tosquia higiénica: Tosquia indicada em raças com bastante pelo, em que o objetivo é remover pelo principalmente de zonas que necessitam de higiene mais frequente (perto das patinhas, dos olhos, da barriga e cauda). A maioria dos cães pode realizar este tipo de tosquia de forma regular.
  • Stripping: Tipo de tosquia realizada em cães com pelo cerdoso (como o Schnauzer). O stripping é um tipo de tosquia realizado sem lâmina ou tesoura, sendo que o pelo é removido com a mão.
  • Tosquia de “raça”: Dá-se o nome de tosquia de raça quando a tosquia é feita com base no corte típico para aquela raça. Raças como o caniche ou o Yorkshire Terrier têm um “corte próprio”, que lhes favorece esteticamente.

 

Na maioria das vezes, o banho é dado juntamente com a altura da tosquia. Em alguns cães esta prática é uma questão de higiene que deve ser repetida várias vezes por ano, para além da escovagem regular do pelo.

 

Daniela Leal

Médica Veterinária de Animais de Companhia

Se fosse um cão, que raça seria?

Que perguntas pode fazer a si próprio para perceber qual a raça que melhor encaixa consigo?

  • Em que casa gostaria de viver?
  • Prefere ficar em casa ou aproveitar o fim de semana para sair?
  • Gosta de correr e fazer bastante exercício?
  • É sociável?
  • É alto ou baixo?
  • Demora muito tempo a arranjar-se (tomar banho, vestir-se, etc)?
  • Prefere os convívios com amigos ou dedicar-se à família?
  • Que adjetivos o definem? Carinhoso? Teimoso? Impaciente? Preguiçoso?

A resposta a estas perguntas pode ajudá-lo a comparar-se a algumas raças de cães que podem ter gostos e uma personalidade e temperamento semelhantes aos seus!

Encontre a sua raça:

Labrador

Gosta de correr e fazer exercício. É considerado um cão ativo, com espírito jovem, frequentemente “aluado”, que prefere passear a ficar em casa. Não liga ao visual, mas a verdade é que tem uma beleza natural muito própria!

Pessoas extrovertidas, que gostam de festa e são extremamente sociáveis seriam sem dúvida um Labrador.

Golden Retriever

Inteligentes, muito leais à família, adoram atividade física tal como o Labrador! Tem um pelo que lhes confere uma aparência própria, muito elegante, que necessita de tratamento constante.

Pessoas que gostam de ter uma vida social ativa, que se preocupam com a imagem (principalmente com o cabelo!), que necessitam de exercício físico para se sentirem bem física e psicologicamente seriam um Golden Retriever.

Pug

O Pug é um cão de raça pequena, muito leal ao dono e que gosta de companhia a toda a hora! É um cão de apartamento e apesar de calmo pode ser bastante teimoso.

É o espelho de pessoas teimosas, mas afetuosas! Pessoas que preferem aproveitar o fim de semana em casa, com a família, que gostam de conviver e odeiam não ter companhia… seriam um pug!

Teckel

Gosta do sofá, mas não diz não a uma bela brincadeira no parque em troca de um fim-de-semana passado em casa. É um cão confiante, apesar da sua estatura. É uma raça sociável, mas graças à sua vontade muito própria pode entrar em conflito na relação com cães e pessoas. É curioso e muito enérgico e é visto por toda a gente como um cão com aparência muito fofa!

Se é uma pessoa curiosa, com ideias vincadas, confiante e gosta de manter uma vida social ativa… provavelmente se fosse um cão seria um teckel.

Pinscher

Cães de apartamento, que gostam de dormir mas adoram vir correr para o parque e conhecer novos amigos! Pequenos, “refilões”, muito ativos e medrosos.

Se revê estas características em si, provavelmente seria um pinscher.

Weimaraner

Grande porte, precisam de gastar energia (adoram nadar!), e são cães um pouco ansiosos. Dedicados à família, dão-se bem com outros animais e pessoas e precisam de treino constante para se manterem sociáveis e bem psicológica e fisicamente.

Se é uma companhia agradável para as outras pessoas, gosta de se dedicar à família e amigos, adora fazer exercício e explorar coisas novas, mas ainda assim tem um lado mais ansioso… a sua raça seria o Weimaraner.

Yorkshire Terrier

Um cão pequeno, que necessita de atenção e companhia, carinhoso e adora o colo do dono. É considerada uma raça vaidosa, pela necessidade de tratamento frequente do pelo e pelos movimentos graciosos. Apesar da estatura pequena, a teimosia e comportamentos de dominância são também característicos de muitos cães desta raça.

Se prefere apartamentos, é uma pessoa vaidosa, tem uma devoção pelo cabelo, adora partilhar momentos com a sua cara metade e adota comportamentos de teimosia e dominância na convivência com outras pessoas… provavelmente seria um Yorkshire Terrier.

Bichon Maltês

Também o Bichon Maltês necessita de atenção e companhia. É um cão tranquilo, adora o sofá e o colo do dono! É teimoso e tem uma personalidade forte. Apesar de gostar de dormir durante muito tempo, não diz não a uma boa hora de brincadeira…. sempre com o dono por perto.

Se prefere apartamentos, é uma pessoa tranquila mas com uma personalidade forte, e não diz não a um fim-de-semana no aconchego do sofá… o Bichon Maltês é a sua raça de cão!

Beagle 

Historicamente caçadores, os beagles são conhecidos pela sua energia sem fim. É alegre, adora brincadeiras, não aguenta muito tempo sem companhia e sem atividades desafiantes. Adora o exterior, precisa de uma educação firme e é confiante e corajoso! Muitos Beagles têm um uivar característico.

Portanto, se coragem e determinação não lhe falta, é uma pessoa extrovertida, que está sempre dentro de novos programas com os amigos, cria um ambiente de alegria à sua volta e tem uma voz marcante… provavelmente a sua raça seria o Beagle.

Corgi

Um cão de família, com um grande instinto de proteção e lealdade. Gosta de morar em apartamentos, e tem um pelo que necessita de tratamento frequente. É alegre e alinha em todas as brincadeiras. Adora comer e por vezes á um pouco impaciente. O treino é muito importante em cães desta raça!

Se tem um instinto protetor muito apurado, com uma ligação forte à família, adora divertir-se e é impaciente em determinadas situações… a sua raça seria o Corgi.

“Rafeiro”

É o cão de raça indeterminada… cuja personalidade é variável consoante as raças que lhe deram origem. Contudo, o meio ambiente moldará a personalidade dos rafeiros (assim como dos cães de raça!). São cães normalmente dóceis, muito próximos do dono… que também podem ter temperamentos negativos (como serem mais desconfiados). Depende!

Se tem um feitio com características não muito vincadas… quem sabe se não terá semelhanças com os rafeiros!

 

Daniela Leal

Médica Veterinária de Animais de Companhia

Quais as melhores raças para apartamento?

Qualquer cão precisa de ser passeado diariamente, mesmo os que vivem em casas com jardins e muito espaço exterior, de forma a que tenha uma boa estimulação física e mental. No entanto, os cães que vivem em apartamentos, precisam imperativamente desses passeios para que possam fazer a sua normal rotina de eliminações, além da estimulação já referida anteriormente.  No momento da escolha da raça ideal para um apartamento deve ter em conta o nível de energia que a raça precisa de gastar diariamente e se tem espaço/tempo para proporcionar esse gasto energético. Este nível de energia diário não está, necessariamente, relacionado com o porte do animal, havendo raças de porte maior que poderão adaptar-se mais facilmente à vida num apartamento do que raças de porte mais pequeno.

Galgo Inglês:

Apesar de ser uma raça tipicamente conhecida por atingir uma grande velocidade a correr, a verdade é que é uma raça que se adapta bem a uma vida num apartamento, sendo bastante calmos e muito ligados à sua família. Precisam, além dos passeios diários, de dar umas corridas livremente de vez em quando.

 Bulldog Inglês:

É um cão tipicamente pachorrento e tranquilo e que, devido às suas caraterísticas físicas, não deve fazer muito exercício diariamente, especialmente nas horas de maior calor. Adapta-se por isso facilmente à vida dentro de um apartamento, devendo sempre permanecer em locais bem arejados, especialmente durante o verão.

Yorkshire Terrier:

Apesar de ser uma raça com bastante energia, se exercitado diariamente e tendo em casa brinquedos variados com que se possa entreter durante o dia, adapta-se bem à vida num apartamento.

 Dogue Alemão:

Apesar de ser um cão de porte grande a gigante, adapta-se facilmente à vida num apartamento desde que tenha, além do exercício diário normal, algum exercício extra, por exemplo, durante os fins de semana.

Bulldog Francês:

Tal como o Bulldog Inglês, o Bulldog Francês não deve ser muito exercitado devido às suas caraterísticas de raça braquicefálica lhe trazerem dificuldades respiratórias. Tem de ter, no entanto, além dos passeios regulares, um bom enriquecimento ambiental em casa, com brinquedos e dispensadores de comida, para que se mantenha entretido durante a ausência dos tutores, que não deve ser muito prolongada.  Deve também permanecer num ambiente fresco e arejado, particularmente durante os meses mais quentes.

Apesar destas serem referências do temperamento de cada raça mencionada, podem sempre existir variações individuais que devem ser tidas em conta. É sempre fundamental que qualquer uma das raças mencionadas sejam bem socializadas com outros cães, outras espécies animais, pessoas, crianças, uma vez que num apartamento o contacto com pessoas ou outros animais é mais provável de acontecer, nas áreas comuns do prédio.

Inês Millet Barros

Médica Veterinária de Animais de Companhia

Dermatofitose ou tinha canina

O que é a tinha?

É uma infeção cutânea provocada por um fungo que pode afetar a pele, pêlos e unhas. O Microsporum canis é o principal responsável por causar dermatofitose nos cães.

Como se transmite? É contagioso?

É uma doença muito contagiosa não só para os animais, como também para as pessoas – zoonose.

A sua transmissão pode ocorrer pelo contato direto com animais doentes, mas também pelo ambiente – pelo contato com os pêlos e detritos celulares como crostas e descamação da pele ou através de objetos contaminados como as camas, mantas, escovas, pentes, etc.

Existem factores predisponentes para a dermatofitose?

Há um maior número de casos reportados em animais jovens, animais com as defesas imunitárias diminuídas e em gatos de pêlo longo. Parece ainda haver uma predisposição racial em cães Yorkshire e Jack Russel, assim como também nos gatos Persas.

Quando devo suspeitar que meu cão tem tinha? Quais são os sintomas?

Os principais sintomas que o cão pode apresentar são:

  • lesões circulares de alopécia (falta de pêlo) com um anel vermelho em redor
  • descamação (caspa)
  • eritema (vermelhidão)
  • pode ou não ter prurido (comichão)
  • hiperpigmentação (pele mais escura)
  • pápulas (borbulhas)

Estas lesões podem ser localizadas, multifocais ou generalizadas.

Como é diagnosticado?

Existem várias técnicas, como:

  • Lâmpada de Wood – permite identificar zonas contaminadas com o fungo através do aparecimento de fluorescência, no entanto os falsos-positivo e falsos-negativo são comuns;
  • Tricograma – visualização dos pêlos ao microscópio;
  • Cultura fúngica – DTM é o método mais fiável.

Qual o tratamento?

O tratamento da dermatofitose canina pode ser dividido em:

  • Tratamento local: deve ser realizado em todos os casos de dermatofitose, recorrendo-se ao uso de champôs e pomadas antifúngicas. Antigamente recomendava-se tosquiar o animal mas atualmente sabe-se que pode ser prejudicial, uma vez que a lâmina pode ferir a pele do cão, que já está fragilizada devido à presença dos fungos.
  • Tratamento sistémico:  está indicado nos casos em que as lesões são multifocais, em cães com pêlo comprido; animais que vivem em ambientes de múltiplos animais; e/ou quando não há uma resposta satisfatória a uma abordagem tópica.  O tratamento sistémico consiste numa terapia antifúngica por via oral que irá atuar nos folículos pilosos e ajudar na eliminação do fungo.

Em qualquer um dos tratamentos (local Vs sistémico), as melhorias vão demorar a surgir, sendo comum que os tratamentos se prologuem durante várias semanas. Considera-se que o cão está curado após 2-3 resultados negativos em culturas fúngicas com intervalo de 15 dias.

 

Devo ter cuidados especiais uma vez que se trata de uma doença contagiosa?

Sim, como é uma doença fúngica transmissível a animais e pessoas deverá ter cuidados especiais para evitar a sua propagação, tais como:

  • Pode ser necessário isolar o cão – este continua a ser uma fonte de contágio pelo menos 3 semanas após iniciar o tratamento;
  • Evitar o contato com crianças;
  • Evitar contato com outros animais (atenção aos gatos, podem ser portadores assintomáticos);
  • Usar luvas descartáveis e higienizar as mãos após contato com o animal;
  • Objetos contaminados como camas, mantas, escovas devem ser eliminados, na impossibilidade de serem destruídos ou removidos deverão ser lavados a mais de 40oC com uma solução desinfetante.
  • Limpeza com solução desinfetante (lixívia) no local onde animal se encontra.

 

Sara Alves

Médica Veterinária de Animais de Companhia

Luxação da rótula em cães

Existe uma predisposição genética?

Sim, é uma condição hereditária. Deverá informar-se relativamente à história clínica da ascendência, pois os cães com esta patologia são desaconselhados para reprodução.

Qual a luxação patelar mais comum? Lateral ou medial?

A luxação da rótula medial é a que se verifica na maioria dos casos, devido à conformação anatómica. Esta está ainda associada à rotura do ligamento cruzado cranial – ver este artigo para mais informações sobre esta patologia.

Qual a sintomatologia mais comum?

De acordo com os sinais clínicos, podemos classificar em 4 graus, sendo esta classificação importante tanto para o diagnóstico como para o tratamento:

  • Grau I: normalmente detectado acidentalmente durante a consulta, sem claudicação e sem deformidades ósseas associadas;

 

  • Grau II: com luxação patelar espontânea, com sinais clínicos não dolorosos e claudicação (coxear) intermitente. Deformidades ósseas leves;

 

  • Grau III: patela luxada (fora do local habitual), mas pode ser recolocada manualmente. Com grau de claudicação variável entre leve, moderada a severa. Deformidades ósseas mais severas;

 

  • Grau IV: com luxação permanente da rótula sem redução manual, é a forma mais severa. Pode se manifestar como um episódio agudo de claudicação ou um agravamento repentino da claudicação crónica devido a rotura do ligamento cruzado cranial. Apresenta deformidades ósseas muito severas.

De um forma geral o sintoma mais comum é claudicação, pode também verificar-se inchaço articular , dores irregulares e o animal estica o membro posterior para trás enquanto anda. 

Como é realizado o diagnóstico?

Através da história clínica e exame ortopédico (observação e manipulação) o seu médico veterinário irá avaliar o grau de luxação e também verificar se ocorreu rotura do ligamento cruzado cranial.

A realização de exames radiológicos é importante para avaliar a presença de alterações ósseas e também para ajudar a definir o grau de luxação. A TAC também poderá ser uma opção como meio de diagnóstico.

Há tratamento?

Sim, o mesmo varia de acordo com o grau de luxação.

  • Grau I: Tratamento conservativo;
  • Grau II: Em casos de claudicação leve e intermitente poderá ser indicado tratamento conservativo; No entanto de forma geral é aconselhado o tratamento cirúrgico;
  • Grau III/IV: tratamento cirúrgico.

 

Filipa Calejo

Médica Veterinária de Animais de Companhia