Principais problemas cardíacos em cães sénior

As cardiopatias (doenças cardíacas) são variadas e podem ter relação com a genética, obesidade, alimentação ou idade dos cães.

Tal como o Homem, o coração é um órgão que trabalha a 200% e com a idade pode ser acometido por alguns problemas. Muitos deles são detetados em consultas Médico-Veterinárias de rotina através da auscultação de um sopro cardíaco.

Noutros animais, em estado mais avançado, surgem outros sinais que sugerem a existência de patologia cardíaca, nomeadamente:

  • Intolerância ao exercício
  • Tosse, sobretudo durante a noite
  • Dificuldades respiratórias (dispneia)
  • Respiração acelerada (taquipneia)
  • Edema (inchaço) dos membros
  • Abdómen dilatado com líquido (ascite)
  • Apatia
  • Desmaios (síncopes)
  • Perda de apetite
  • Perda de peso

Insuficiência cardíaca valvular – o que é?

Os problemas cardíacos mais comuns em idade sénior resultam de uma insuficiência das válvulas do coração (sobretudo as válvulas mitral e a tricúspide).

O sopro cardíaco ocorre quando as válvulas do coração se tornam mais frágeis, não se conseguindo fechar na totalidade. Este fenómeno, ocasiona um sopro audível aquando os batimentos cardíacos.

Nestes casos, o coração está submetido a um esforço maior que conduz a um aumento da pressão e das dimensões cardíacas.

As insuficiências valvulares são mais comuns em patudos de raças pequenas (como o Pequenês, Yorkshire Terrier, Caniche, Pinscher, Chihuahua) e podem culminar em insuficiência cardíaca.

Cardiomiopatia Dilatada (CMD) – o que é?

A CMD é uma patologia que afeta o músculo do coração de cães de raças grandes e gigantes (como o Boxer, Dobermann e São Bernardo). Nesta doença, o coração não consegue contrair com normalidade, acabando por dilatar e impedindo que o sangue seja bombeado eficazmente para o resto do corpo.

Qual o tratamento para as cardiopatias?

Não existe cura, sendo consideradas doenças crónicas. Contudo, estão disponíveis medicamentos e terapias que podem ajudar a controlar os sinais associados a estas patologias, desacelerando a sua progressão.

O que fazer perante suspeita de cardiopatia?

É importante que, todos os cães com suspeita de cardiopatia sejam avaliados pelo Médico Veterinário. O diagnóstico definitivo dos problemas que atingem o coração requer exames como ecocardiografia, eletrocardiograma (ECG) e radiografias.

O início precoce do tratamento é imprescindível para dar qualidade de vida aos cães afetados, pois os sinais que apresentam secundários a cardiopatias condicionam bastante as suas vidas! Além disso, permitem aumentar a sua esperança média de vida! 🙂

Ana Matias

Médica Veterinária

Mastocitoma Canino

O mastocitoma canino é uma neoplasia que surge maioritariamente na pele e que tem origem nos mastócitos (células imunitárias). São das neoplasias mais comuns nos cães, representando cerca de 20% de todas as neoplasias cutâneas. As raças mais predispostas são o Boxer e os Terrier.

Quais são os sintomas?

A maior parte dos mastocitomas são assintomáticos, ou seja, não estão associados a sintomas. Por isso, a maioria dos tutores apenas procura ajuda Médico Veterinária quando encontra um nódulo na pele do seu patudo.

O aspeto do nódulo pode ser muito variado. Tanto pode surgir como uma massa bem elevada e firme, como uma massa muito pouco definida e que até possui pêlos. Os mastocitomas podem ter crescimento rápido ou lento, e podem apresentar um aspeto avermelhado ou estar ulcerados.

No entanto, podem haver outros sintomas, como vómitos, diarreia, inchaço, prurido (comichão). Estes são provocados pela libertação de heparina e histamina, pelas células tumorais.

Como fazer o diagnóstico?

O diagnóstico é muito simples, e pode ser feito através de uma citologia – um processo não invasivo e praticamente indolor, cujo resultado se consegue em 24-48 horas.

No entanto, o mastocitoma tem um comportamento clínico muito diferente, ou seja, podemos ter mastocitomas caninos com um comportamento inteiramente benigno até mastocitomas malignos altamente metastizáveis ☹

Portanto, para além do diagnóstico – ou seja, sabermos se é ou não mastocitoma, precisamos de saber o grau histológico, e isso só se consegue através de biópsia.

Quais são os graus histológicos dos mastocitomas?

São tradicionalmente classificados em 3 graus:

  • Grau I: têm comportamento benigno.
  • Grau II: têm comportamento muito ambíguo. Apesar de a maioria deles serem possíveis de tratar através de excisão cirúrgica, alguns apresentam um comportamento maligno com proliferação local e à distância – ou seja, podem metastizar. Nestes casos, está aconselhado realizar um “painel de mastocitoma”, que inclui um conjunto de análises que nos auxiliam a prever o comportamento tumoral.
  • Grau III: têm comportamento maligno.

Existe tratamento ou cura?

O tratamento ideal é cirúrgico. Com a excisão cirúrgica o que pretendemos é remover o tumor com margens seguras, para não haver hipótese de ficarem na pele células tumorais, que possam levar a que surja novamente uma massa. Mas há locais que poderão ser inoperáveis. Portanto, o tratamento recomendável baseia-se sempre no estado físico do paciente, na localização, tamanho, grau e estadio do tumor.

Com os mastocitomas de grau I – a cirurgia é também a cura. Em mastocitomas de grau III – malignos, está aconselhado além da cirurgia, o tratamento com quimioterapia ou inibidores c-Kit (caso se aplique).

Os mastocitomas que se localizam nas junções mucocutâneas (lábios, pálpebras, prepúcio /vulva) são que têm pior prognóstico.

Ana Pinto

Médica Veterinária de Animais de Companhia

10 cães de raça pequena

1-Pug

O Pug é um raça cada vez mais conhecida! É o cão ideal para um apartamento pequeno, mas é um patudo que devido ao seu focinho achatado ressona bastante e é necessário ter isso em consideração no momento de o tornar o seu companheiro de vida

 2Chihuahua

O Chihuahua é das raças mais pequenas que existem, por isso, adapta-se a qualquer tipo de habitação :). A sua energia não tem fim, no entanto com alguns passeios conseguirá mantê-lo mais calmo e distraído.

3-Yorkshire Terrier

Uma raça muito conhecida por todos, é um cão muito apreciado pelo seu tamanho e pelo facto do seu pêlo não cair. São cães que adoram brincar e são perfeitos para quem tem crianças!

4-Jack Russel

Para além do seu tamanho, os Jack Russel são cães extremamente sociáveis e muito inteligentes. Apesar de terem muita energia, podem ser treinados para que consigam ficar calmos num apartamento. No entanto, será importante que seja passeado e estimulado várias vezes por dia para desgastar a sua energia.

5-Lhasa Apso

Os Lhasa-Apso são pequenos companheiros de 4 patas que adoram ficar no seu canto a dormir. São cães muito fieis ao dono e tem um grande sentido de proteção. O seu pêlo necessita de cuidados frequentes para que mantenha bonito e comprido.

6-Bulldog Frânces

A popularidade dos Bulldog Francês tem crescido de forma exponencial. São cães calmos e muito carinhosos. Adoram passar tempo a brincar com o seu dono mas uma boa soneca é sempre uma excelente ideia. Devido ao facto de serem braquicéfalos, produzem sons respiratórios muito  característicos.

7-West Highland White Terrier

Esta raça apesar do seu porte pequeno tem uma constituição muito robusta. Adoram passeios calmos mas podem ser longos, graças à sua resistência física. São muito sociáveis e dóceis.

8-Shit-zu

Muito parecidos com os Lhasa-Apso, mas bastante mais preguiçosos. Não são cães de grandes passeios, sendo ideais para apartamento. De uma doçura e simpatia enormes! Adoram crianças e outros cães. O seu pêlo requer uma escovagem diária mas a sua queda é praticamente inexistente.

9-Cavalier King Charles

É uma raça que cativa só pelo seu olhar tão meigo. São cães que são indicados para toda a família pois adoram crianças e estar acompanhados. Não estranham ninguém e são extramamente dóceis.

10-Pinscher

Os Pinscher são conhecidos em todo o mundo pela sua personalidade forte. Apesar de muito pequenos têm um grande sentido de proteção dos seus donos estando alerta a todo o momento. Não se deixe enganar pelo seu tamanho! Se tiver liberdade, verá a quantidade de energia que o cão tão pequeno pode ter!

Sofia Galiza 

Médica Veterinária de Animais de Companhia

 

10 razze di cani di piccola taglia

Scegliere la razza del nuovo cane da adottare e da accogliere in casa non è mai semplice, per questo è bene conoscerne le caratteristiche per poter valutare quale potrebbe essere la più adatta a voi e alla situazione della vostra famiglia. In particolare oggi parleremo dei cani di taglia piccola, quindi tutti adatti alla vita in appartamento e quando non si dispone di molto spazio.

1. Chihuahua

Forse il cane di piccola taglia per eccellenza. Di solito ha un peso che si aggira attorno ai due chili, molto protettivo nei confronti del proprietario, può dimostrarsi per questo aggressivo nei confronti degli sconosciuti, imprevedibile con i bambini.

2. Volpino di Pomerania

Cane scelto sempre più spesso per via della sua taglia, ha un peso che varia dai 2 ai 4 kg, del suo buon comportamento e della sua salute robusta. È proprio il loro carattere e il temperamento che a volte li fa preferire ai Chihuahua.

3. Bichon Maltese

Si tratta di un cane docile e affettuoso che si lega molto rapidamente con la famiglia, riesce ad instaurare un buon rapporto con i bambini. Perfetto per la vita in appartamento considerando che apprezza molto passare le sue giornate sul divano. Ha un peso che varia dai 3 ai 4 kg.

4. Shitzu

Razza di origine cinese e letteralmente vuol dire “cane leone”. Gentile e amichevole è perfetto come animale da compagnia e si rileva un ottimo cane avvisatore poiché diffidente con gli sconosciuti. Come peso può raggiungere al massimo i 9 kg.

5. Yorkshire Terrier

Cane leale, affettuoso, allegro, intelligente, curioso. Lo Yorkie, essendo un terrier, si rivela anche audace e testardo. Per rientrare negli standard di razza può al massimo arrivare a pesare 3 kg. Non presenta sottopelo il che lo rende perfetto per le persone allergiche.

6. Jack Russell

Per la sua passione per la caccia sportiva gli viene attribuito il soprannome di “Pastore dello sport”! La sua struttura è forte e muscolosa. Ha un peso medio intorno ai 5-7 kg. Si tratta di cani pieni di energia e con una forte personalità, sicuramente non un cane da tenere in braccio.

7. Barboncino Toy

È la razza più piccola dei barboni che prevedono una razza di taglia grande, una di taglia media e quella nana. I toy arrivano a pesare al massimo 4 kg e sono dei cani molto intelligenti, vivaci, ma anche timidi. Hanno un pelo che necessita di cure, ma non lo perdono.

8. Pechinese

Razza molto antica originaria della Cina sono perfetti come cani da appartamento poiché si accontentano tranquillamente della classica passeggiata quotidiana con il proprietario. Hanno un peso che può variare dai 2 agli 8 kg.

9. Bassotto Tedesco

Rinomata razza di cani da caccia, negli anni si è perfettamente adeguata alla vita in appartamento arrivando a tollerare veramente poco l’essere lasciato solo. È una razza attiva e vivace che ha bisogno della sua attività fisica giornaliera. Ha un peso che può variare dai 7 ai 15 kg.

10. Carlino

Originario della Cina, il carlino è famoso per il suo aspetto davvero simpatico, per il muso rugoso e buffo e le zampe corte. Intelligente, simpatico e amabile si rivela un ottimo cane da compagnia. Ha un peso che varia dei 6 agli 8 kg.

Dott.ssa Aurora Busti
Medico Veterinario Barkyn

Tártaro em cães sénior: Como tratar?

Em que pode prejudicar o aparecimento do tártaro?

O tártaro é o meio ideal para que ocorra crescimento bacteriano. As bactérias podem causar inflamação (gengivite), que por sua vez progride para doença periodontal – que causa mais inflamação, dor e que termina quase sempre na perda de dentes, por “apodrecimento” da raiz.

Além disso, as bactérias presentes a nível do tártaro podem ser absorvidas para a corrente sanguínea deposintando-se em vários orgãos, sendo os principais alvos –  o rim e o coração, podendo no caso do coração, causar endocardites infecciosas – muito graves para a saúde do seu patudo!

Como pode tratar?

O tártaro para ser removido completamente tem de ser atráves de destartarização. É um procedimento médico que tem de ser realizado com anestesia geral.

Muitas vezes isso demove os tutores a realizarem a destartarização, mas é o método mais seguro. Com a anestesia geral, é colocado um tubo endotraqueal que garante a respiração dos cães, e previne a entrada da água (que é usada para remoção e limpeza do tártaro) para a traqueia e pulmões. Claro que em cães séniores há um risco anestésico acrescido. No entanto, a idade não é impeditiva! Desde que seja o seu cão seja avaliado correctamente antes de se realizar este procedimento. Para isso devem ser realizados os seguintes exames:

  • Exame clínico realizado pelo seu Médico Veterinário
  • Análises pré-cirúrgicas, para correcta avaliação da funcionalidade orgânica
  • ECG / Eccoardiografia, caso o seu patudo tenha problemas cardíacos.

Como pode prevenir?

Depois do tártaro ser removido, a prevenção realizada em casa é fundamental para evitar a formação de placa bacteriana e consequentemente, a formação de tártaro. Há quatro prevenções fundamentais:

  • Dieta – há rações específicas para probemas dentários
  • Escovagem de dentes diária– infelizmente, nem todos os cães toleram que se mexa nas suas bocas. No entanto, há pastas enzimáticas (como a Orozyme) que não precisam de escovagem mas têm no entanto, de ser usadas todos os dias também. As pastas de dentes têm de ser apropriadas para os animais, pois as de pessoas contêem substâncias que prejudicam a saúde do seu patudo.
  • Biscoitos / Brinquedos que ajudam a prevenir o tártaro por acção mecânica
  • Destartarizações frequentes, idealmente, anuais, para prevenir o dano irreversível que ocorre com o tártaro a nível das gengives (retração gengival) e perda de dentes.

Com uma prevenção activa, conseguimos ter num cão sénior, uma boca saudável!

Ana Pinto

Médica Veterinária de Animais de Companhia

A partir de que mês começam a nascer os dentes dos cachorros?

Dentição de Leite

Os dentes de leite começam a surgir entre as 4 e as 5 semanas de vida, apresentando uma dentição completa até aos 2 meses de idade. Nesta fase de desenvolvimento, o cachorro começa a ser mais independente e a querer explorar o mundo.  Os dentes dos cachorros vão parecer agulhas e o comportamento de morder será mais frequente, devendo ser contrariado desde o início. O cachorro possui 28 dentes.

Dentição Definitiva

A mudança para a dentição definitiva começa por volta dos 4 meses, iniciando-se pelos incisivos e terminando nos caninos. Esta mudança termina por volta dos 7 meses, altura em que o cachorro deverá possuir 42 dentes. Geralmente, os tutores não se apercebem da queda dos dentes, uma vez que os patudos costumam engoli-los. Durante este período, é normal que o seu patudo apresente halitose (mau hálito), gengivite (inflamação das gengivas) e que se intensifique o comportamento de morder.

Algumas raças, como os Yorkshires e os Poodles, tem tendência para manter alguns dos dentes de leite, juntamente com a presença dos dentes definitivos, principalmente os dentes caninos. Estes dentes devem ser removidos cirurgicamente, uma vez que, promovem uma maior acumulação de detritos nessa zona, predispondo o cachorro a infeções.

Cuidados a ter:

  • Alimentação: invista numa dieta de qualidade, adequada às necessidades do seu cachorro
  • Brinquedos: devido à tendência que o cachorro terá para morder, deve ter brinquedos que sejam resistentes para que este consiga aliviar o desconforto que sente com a erupção dos seus dentes, enquanto brinca
  • Higiene oral: o cachorro deve ser habituado desde pequeno a escovar os dentes, para evitar problemas dentários em adulto.

Sara Alves

Médica Veterinária de Animais de Companhia

O meu cão tem tártaro: 3 dicas para ajudar a diminuir este problema

O que é o tártaro?

O tártaro é uma acumulação de bactérias e minerais, de cor branca ou acastanhada, em redor dos dentes e da gengiva. Os cães estão mais predispostos à acumulação de tártaro, comparativamente ao Homem, devido ao pH da sua cavidade oral ser mais alcalino. As raças nas quais este problema é mais frequente são geralmente as raças toy / pequenas, nomeadamente, Yorkshire Terrier, Chiuauhua, Bichon Maltes, Cavalier King Charles, entre outros.

Três dicas para ajudar a diminuir este problema:

– Escovagem

A escovagem diária dos dentes é um hábito que deve ser implementado desde cedo para que o cachorro em adulto tolere este procedimento. Para aqueles patudos que não permitem este tipo de manipulação, existem atualmente no mercado pastas dentífricas com ação enzimática  que atuam por contacto direto com o tártaro, sem ser necessária a escovagem.

– Snacks

Ao contrário dos humanos, os animais não escovam os dentes regularmente, por isso precisam de uma ação abrasiva mecânica para desestabilizar e remover fisicamente o tártaro. Os biscoitos estimulam ainda a mastigação, o que por sua vez vai promover a secreção de saliva, que ajuda a remover os restos alimentares acumulados nos dentes. Escolha o snack que o seu patudo mais goste!

– Destartarização

Em casos graves, será necessário recorrer à destartarização para melhorar a saúde oral do seu cão. Este procedimento é realizado sob anestesia e consiste na limpeza de todos os dentes na face interna e externa bem como o polimento dos mesmos no sentido de atrasar o e aparecimento da placa do tártaro. Após a realização da destartarização, é essencial instituir hábitos de higiene dentaria regular, como a escovagem.

 

Em casa vá levantado o lábio do seu patudo para ir vigiando o aspecto dos dentes e das gengivas e, em caso de preocupação, deve contactar o seu veterinário. Boas escovagens!

Sara Alves

Médica Veterinária de Animais de Companhia

6 raças que precisam de pouco exercício diário

Caniche miniatura

O Caniche miniatura é um cão animado e inteligente, que se adapta muito bem à vida num apartamento. É uma ótima opção para crianças e idosos. É uma raça caracterizada pela sua dedicação e amor ao dono, relacionando-se bem com qualquer tipo de pessoa.

Embora seja ativo, não o leve consigo para a corrida diária. Fá-lo-á desistir.

Yorkshire Terrier

Tem uma personalidade, descrita por alguns, como grande para seu tamanho, sendo classificada como destemida, carinhosa, afetuosa, versátil e independente. É um animal muito irrequieto e nervoso, sempre alerta e atento. Talvez por isso, necessite de pouco exercício, dado gastar as suas energias durante o dia, na guarda da casa.

Chihuahua

Os Chihuahuas são das raças mais pequenas do mundo. É descrito como extremamente delicado, afetuoso e possessivo. São reconhecidamente ágeis e inteligentes dentro de casa, necessitando assim pouco exercício diário.

Bulldog Francês

São cães extrovertidos, alegres, brincalhões, atléticos e, acima de tudo, afetuosos com pessoas de todas as idades. É um cão adorado pelas suas feições e personalidade únicas.

São cães preguiçosos, que requerem o mínimo de exercício para se manterem alegres e saudáveis.

Pequenês

Têm uma personalidade independente e uma desconfiança instintiva com estranhos, alertando sempre os seus donos da presença de desconhecidos.

O comportamento calmo dentro de casa aliado ao pequeno tamanho, faz do Pequinês um excelente cão de apartamento.  Um passeio tranquilo na companhia do seu dono é o que mais se adequa ao temperamento da raça.

Pinscher miniatura

É uma raça requer os cuidados base, para a manutenção do bem-estar. O seu tamanho torna-o ideal para se adaptar bem em diversos ambientes.

São descritos como cães leais, valentes, persistentes, inteligentes, obedientes e curiosos.

Além das raças descritas acima, poderemos enumerar, de entre outras raças o Buldogue Inglês, Pug, King Charles Cavalier, Teckel miniatura, Basset Hound, Dogue de Bordeus, Lulu da Pomerânia, Shih Tzu, Mastim, Akita, Lhasa Apso, Spitz, Dogue Alemão, Chow-Chow, São Bernardo, Galgo Italiano.

Embora estas sejam raças que precisam de pouco exercício diário, não se esqueça que o passeio e exercício diários são essenciais para a manutenção do bem-estar do seu animal.

Mónica Carvalho

Médica Veterinária

Todos os cães devem andar agasalhados no Inverno?

Apesar da chegada do frio, os passeios com o seu patudo têm de continuar. No entanto, alguns deles podem precisar de um casaquinho para se sentirem mais confortáveis.

A principal função do agasalho durante o Inverno é, claro, proteger do frio e ajudar o cão a estar confortável na rua. As diferenças de temperaturas são também prejudiciais para os animais. Contudo, é muito importante perceber que nem todos os patudos são candidatos a usar roupas.

 

Quais os cães que sentem mais frio e que pode agasalhar?

 

Bebés – frágeis e com o organismo ainda em desenvolvimento, precisam de uma ajuda para manter o seu corpo quente. Ainda não possuem um sistema termorregulador eficaz, pelo que não conseguem ajustar a sua temperatura às condições do meio. Os casacos podem ajudar, mas devemos evitar expô-los a grandes variações térmicas.

Idosos – têm tendência a estar mais parados e, por consequência, não se exercitam para aquecer. É muito importante continuar a estimulá-los com os passeios e brincadeiras, que ajudam também a regular a temperatura. Por outro lado, também tem mais predisposição para problemas de saúde, que podem comprometer o sistema termorregulador.

Cães de pelo curto ou menos denso – por terem um pelo mais curto e/ou menos denso sentem mais frio que os cães de pelo mais comprido e denso. De referir, o Yorkshire ou o Pinscher.

Cães magros – com menos percentagem de gordura, têm menos facilidade em regular a sua temperatura.

Todas as categorias de cães referidas anteriormente podem usar um agasalho no Inverno, ainda que não seja obrigatório. Contudo, deve garantir que eles estão à vontade e que não se sentem em pânico com a roupa vestida.

Quais os cães que não precisam ou não devem ser agasalhados?

 

Animais com pelo longo ou denso, como por exemplo o São Bernardo, Husky ou Pastor Alemão, sentem menos frio, pelo que uma manta em casa para se aconchegarem pode ser suficiente.

Doentes dermatológicos – cães com problemas de pele devem usar casacos apenas esporadicamente, para permitir a oxigenação da pele e evitar possíveis alergias.

Animal obeso – cães com excesso de peso sentem mais calor, pelo que não devemos favorecer o sobreaquecimento do seu organismo com roupas. Devemos usá-las apenas em ambientes muito frios ou quando vemos que o nosso patudo manifesta frio.

 

Ana Alves

Médica Veterinária

Cepillos ideales para cada tipo de pelo canino

muta del cane

¿Qué cepillo usar?

Según el tipo de pelo elegiremos un cepillo u otro, diferenciando 3 tipos de largura de pelo:

  • Cepillo para perros de pelo corto: el cuidado de este tipo de pelo es más sencillo, siendo suficiente con 2-3 cepillados por semana. El cepillo que debemos usar es uno con cerdas de goma, también es válido uno tipo manopla. Esta goma hace que se adhieran los pelos muertos y es muy sencilla de limpiar tras su uso.
  • Cepillos para perros de pelo medio: los perros de pelo de largura media, como son el Golden retriever, necesitan un cepillo diferente y, al menos, 4 cepillados a la semana, ya que tienen un gran espesor de pelo. El cepillo ideal es uno con púas metálicas de largura intermedia, con las púas juntas. Este cepillo se conoce con el nombre de carda. En ocasiones, estos perros pueden necesitar algún cepillo extra, como los usados en perros de pelo largo.
  • Cepillos para perros de pelo largo: es muy importante el cepillado diario para este tipo de pelaje, de esta forma eliminamos el pelo muerto y evitamos que se formen nudos entre esos pelos. En este grupo de debe incluir a perros con pelo largo como es el Collie, pero también perros como gran cantidad de manto y grosor, como el Pastor alemán. Para desenredar será necesario un peine de tipo rastrillo. Para los perros con pelo más delicado, como los Yorkshire, se debe usar un cepillo doble, con una parte de cerdas más redondeadas y, otra parte, de cerdas metálicas más duras.
  • Cepillos para perros de pelo rizado: estos perros tienen características especiales en su pelaje, por lo que es necesario hacer mención a parte. Aquí se incluyen perros como el Caniche, Perro de aguas español, etc. Se deben peinar con un peine de púas metálicas gruesas y separadas. Estos perros no pierden pelo pero si que se les enreda. Con este peine mantendremos el pelo sin nudos y limpio.

Para eliminar el pelo muerto es todo tipo de pelaje encontramos los escarpidores, como los de la marca FURminator, existiendo diferentes larguras de púas según el pelo del animal. Por otro lado, también hay peines antiparásitos, con púas finas y juntas.

Irene Martinez

Médica Veterinaria