Principais problemas cardíacos em cães sénior

As cardiopatias (doenças cardíacas) são variadas e podem ter relação com a genética, obesidade, alimentação ou idade dos cães.

Tal como o Homem, o coração é um órgão que trabalha a 200% e com a idade pode ser acometido por alguns problemas. Muitos deles são detetados em consultas Médico-Veterinárias de rotina através da auscultação de um sopro cardíaco.

Noutros animais, em estado mais avançado, surgem outros sinais que sugerem a existência de patologia cardíaca, nomeadamente:

  • Intolerância ao exercício
  • Tosse, sobretudo durante a noite
  • Dificuldades respiratórias (dispneia)
  • Respiração acelerada (taquipneia)
  • Edema (inchaço) dos membros
  • Abdómen dilatado com líquido (ascite)
  • Apatia
  • Desmaios (síncopes)
  • Perda de apetite
  • Perda de peso

Insuficiência cardíaca valvular – o que é?

Os problemas cardíacos mais comuns em idade sénior resultam de uma insuficiência das válvulas do coração (sobretudo as válvulas mitral e a tricúspide).

O sopro cardíaco ocorre quando as válvulas do coração se tornam mais frágeis, não se conseguindo fechar na totalidade. Este fenómeno, ocasiona um sopro audível aquando os batimentos cardíacos.

Nestes casos, o coração está submetido a um esforço maior que conduz a um aumento da pressão e das dimensões cardíacas.

As insuficiências valvulares são mais comuns em patudos de raças pequenas (como o Pequenês, Yorkshire Terrier, Caniche, Pinscher, Chihuahua) e podem culminar em insuficiência cardíaca.

Cardiomiopatia Dilatada (CMD) – o que é?

A CMD é uma patologia que afeta o músculo do coração de cães de raças grandes e gigantes (como o Boxer, Dobermann e São Bernardo). Nesta doença, o coração não consegue contrair com normalidade, acabando por dilatar e impedindo que o sangue seja bombeado eficazmente para o resto do corpo.

Qual o tratamento para as cardiopatias?

Não existe cura, sendo consideradas doenças crónicas. Contudo, estão disponíveis medicamentos e terapias que podem ajudar a controlar os sinais associados a estas patologias, desacelerando a sua progressão.

O que fazer perante suspeita de cardiopatia?

É importante que, todos os cães com suspeita de cardiopatia sejam avaliados pelo Médico Veterinário. O diagnóstico definitivo dos problemas que atingem o coração requer exames como ecocardiografia, eletrocardiograma (ECG) e radiografias.

O início precoce do tratamento é imprescindível para dar qualidade de vida aos cães afetados, pois os sinais que apresentam secundários a cardiopatias condicionam bastante as suas vidas! Além disso, permitem aumentar a sua esperança média de vida! 🙂

Ana Matias

Médica Veterinária

Cose a cui stare attenti quando il cane va a giocare nella neve

Se state programmando un fine settimana, una giornata o anche una passeggiata in montagna nel periodo invernale per la prima volta siete nel posto giusto per scoprire cosa è utile sapere prima di avventurarci in questa fantastica esperienza con il nostro amico a quattro zampe.

Una scorpacciata…di neve!

Molti cani possono esser interessati ad assaggiare o addirittura ingerire grandi quantità di neve per gioco, curiosità o interesse. Il problema si presenta proprio quando ne ingeriscono grandi quantità, questo può causare una gastroenterite accompagnata da vomito e diarrea che può avere risvolti anche gravi. Quindi, non perdere mai d’occhio il tuo cane e assicurati che non ingerisca troppa neve!

Attenzione al freddo!

Un altro elemento da tenere in considerazione è la temperatura ed in particolare il freddo. Alcune razze infatti non nate per vivere in climi rigidi potrebbero facilmente soffrire colpi di freddo anche gravi (ipotermia). Alcune razze che possono giovare di un “cappottino” sono quindi quelle che non hanno sottopelo (o ne hanno poco) come i pinscher, i barboncini, i chihuahua, maltesi bolognesi, barboncini, ma anche cani di grossa taglia a pelo raso come i vari levrieri, American Staffordshire Terrier, Weimaraner o Boxer.

Ricordati inoltre di non lasciare il tuo cane fuori al freddo di notte, senza un adeguato riparo “termico”.

Attenzione ai polpastrelli

In linea di massima, gli arti dei nostri amici a 4 zampe sono anatomicamente progettati per poter stare in mezzo alla neve se pensiamo ai loro predecessori (i lupi). Cambia un pò se il discorso se pensiamo ai nostri cani abituati a parquet e sofà! Vedere a suo agio un chihuahua o un levriero durante lunghe camminate fra neve e gelo è improbabile! Questa premessa per dirvi, che per i cani più delicati o non abituati a lunghe giornate fra neve e ghiaccio…potrebbe risultare utile proteggere i polpastrelli dei vostri cani con delle creme\paste a base di vasellina.

Attenzione ai grumi ed al sale

Grumi di gelo possono formarsi negli arti ma anche fra i peli dei polpastrelli, preoccupati di rimuoverli o farli sciogliere.

Inoltre, le strade ghiacciate vengono spesso cosparse di sale, che può irritare le zampe dei vostri cani, ricordatevi quindi, una volta rientrati a casa di sciacquarli con acqua dolce e poi asciugarli.

Potrebbe essere utile prevenire il problema dei grumi facendo accorciare il pelo del nostro cane fra i polpastrelli e negli arti.

Proteggere occhi e naso dal sole…!

Nelle giornate più soleggiate può essere consigliato applicare una crema solare sul naso del nostro amico a quattro zampe ma anche considerare l’idea di portarsi un collirio lubrificante per gli occhi.

Traumi…!

Il rischio di traumi causati da cadute, corse e scivolamenti sono da tenere in conto! Quindi un contatto di un veterinario aperto in zona…può sempre risultare utile. L’attenzione da parte del compagno umano, per evitare e prevenire lesioni…è fondamentale!

L’alimentazione…!

Dal punto di vista nutrizionale vi consiglio di prediligere pasti altamente proteici che possono fornire il giusto mantenimento energetico a lungo termine nel caso di una giornata intera sulla neve.

Vito Priolo

MRCVS, PhD

10 cães de raça pequena

1-Pug

O Pug é um raça cada vez mais conhecida! É o cão ideal para um apartamento pequeno, mas é um patudo que devido ao seu focinho achatado ressona bastante e é necessário ter isso em consideração no momento de o tornar o seu companheiro de vida

 2Chihuahua

O Chihuahua é das raças mais pequenas que existem, por isso, adapta-se a qualquer tipo de habitação :). A sua energia não tem fim, no entanto com alguns passeios conseguirá mantê-lo mais calmo e distraído.

3-Yorkshire Terrier

Uma raça muito conhecida por todos, é um cão muito apreciado pelo seu tamanho e pelo facto do seu pêlo não cair. São cães que adoram brincar e são perfeitos para quem tem crianças!

4-Jack Russel

Para além do seu tamanho, os Jack Russel são cães extremamente sociáveis e muito inteligentes. Apesar de terem muita energia, podem ser treinados para que consigam ficar calmos num apartamento. No entanto, será importante que seja passeado e estimulado várias vezes por dia para desgastar a sua energia.

5-Lhasa Apso

Os Lhasa-Apso são pequenos companheiros de 4 patas que adoram ficar no seu canto a dormir. São cães muito fieis ao dono e tem um grande sentido de proteção. O seu pêlo necessita de cuidados frequentes para que mantenha bonito e comprido.

6-Bulldog Frânces

A popularidade dos Bulldog Francês tem crescido de forma exponencial. São cães calmos e muito carinhosos. Adoram passar tempo a brincar com o seu dono mas uma boa soneca é sempre uma excelente ideia. Devido ao facto de serem braquicéfalos, produzem sons respiratórios muito  característicos.

7-West Highland White Terrier

Esta raça apesar do seu porte pequeno tem uma constituição muito robusta. Adoram passeios calmos mas podem ser longos, graças à sua resistência física. São muito sociáveis e dóceis.

8-Shit-zu

Muito parecidos com os Lhasa-Apso, mas bastante mais preguiçosos. Não são cães de grandes passeios, sendo ideais para apartamento. De uma doçura e simpatia enormes! Adoram crianças e outros cães. O seu pêlo requer uma escovagem diária mas a sua queda é praticamente inexistente.

9-Cavalier King Charles

É uma raça que cativa só pelo seu olhar tão meigo. São cães que são indicados para toda a família pois adoram crianças e estar acompanhados. Não estranham ninguém e são extramamente dóceis.

10-Pinscher

Os Pinscher são conhecidos em todo o mundo pela sua personalidade forte. Apesar de muito pequenos têm um grande sentido de proteção dos seus donos estando alerta a todo o momento. Não se deixe enganar pelo seu tamanho! Se tiver liberdade, verá a quantidade de energia que o cão tão pequeno pode ter!

Sofia Galiza 

Médica Veterinária de Animais de Companhia

 

6 raças que precisam de pouco exercício diário

Caniche miniatura

O Caniche miniatura é um cão animado e inteligente, que se adapta muito bem à vida num apartamento. É uma ótima opção para crianças e idosos. É uma raça caracterizada pela sua dedicação e amor ao dono, relacionando-se bem com qualquer tipo de pessoa.

Embora seja ativo, não o leve consigo para a corrida diária. Fá-lo-á desistir.

Yorkshire Terrier

Tem uma personalidade, descrita por alguns, como grande para seu tamanho, sendo classificada como destemida, carinhosa, afetuosa, versátil e independente. É um animal muito irrequieto e nervoso, sempre alerta e atento. Talvez por isso, necessite de pouco exercício, dado gastar as suas energias durante o dia, na guarda da casa.

Chihuahua

Os Chihuahuas são das raças mais pequenas do mundo. É descrito como extremamente delicado, afetuoso e possessivo. São reconhecidamente ágeis e inteligentes dentro de casa, necessitando assim pouco exercício diário.

Bulldog Francês

São cães extrovertidos, alegres, brincalhões, atléticos e, acima de tudo, afetuosos com pessoas de todas as idades. É um cão adorado pelas suas feições e personalidade únicas.

São cães preguiçosos, que requerem o mínimo de exercício para se manterem alegres e saudáveis.

Pequenês

Têm uma personalidade independente e uma desconfiança instintiva com estranhos, alertando sempre os seus donos da presença de desconhecidos.

O comportamento calmo dentro de casa aliado ao pequeno tamanho, faz do Pequinês um excelente cão de apartamento.  Um passeio tranquilo na companhia do seu dono é o que mais se adequa ao temperamento da raça.

Pinscher miniatura

É uma raça requer os cuidados base, para a manutenção do bem-estar. O seu tamanho torna-o ideal para se adaptar bem em diversos ambientes.

São descritos como cães leais, valentes, persistentes, inteligentes, obedientes e curiosos.

Além das raças descritas acima, poderemos enumerar, de entre outras raças o Buldogue Inglês, Pug, King Charles Cavalier, Teckel miniatura, Basset Hound, Dogue de Bordeus, Lulu da Pomerânia, Shih Tzu, Mastim, Akita, Lhasa Apso, Spitz, Dogue Alemão, Chow-Chow, São Bernardo, Galgo Italiano.

Embora estas sejam raças que precisam de pouco exercício diário, não se esqueça que o passeio e exercício diários são essenciais para a manutenção do bem-estar do seu animal.

Mónica Carvalho

Médica Veterinária

Todos os cães devem andar agasalhados no Inverno?

Apesar da chegada do frio, os passeios com o seu patudo têm de continuar. No entanto, alguns deles podem precisar de um casaquinho para se sentirem mais confortáveis.

A principal função do agasalho durante o Inverno é, claro, proteger do frio e ajudar o cão a estar confortável na rua. As diferenças de temperaturas são também prejudiciais para os animais. Contudo, é muito importante perceber que nem todos os patudos são candidatos a usar roupas.

 

Quais os cães que sentem mais frio e que pode agasalhar?

 

Bebés – frágeis e com o organismo ainda em desenvolvimento, precisam de uma ajuda para manter o seu corpo quente. Ainda não possuem um sistema termorregulador eficaz, pelo que não conseguem ajustar a sua temperatura às condições do meio. Os casacos podem ajudar, mas devemos evitar expô-los a grandes variações térmicas.

Idosos – têm tendência a estar mais parados e, por consequência, não se exercitam para aquecer. É muito importante continuar a estimulá-los com os passeios e brincadeiras, que ajudam também a regular a temperatura. Por outro lado, também tem mais predisposição para problemas de saúde, que podem comprometer o sistema termorregulador.

Cães de pelo curto ou menos denso – por terem um pelo mais curto e/ou menos denso sentem mais frio que os cães de pelo mais comprido e denso. De referir, o Yorkshire ou o Pinscher.

Cães magros – com menos percentagem de gordura, têm menos facilidade em regular a sua temperatura.

Todas as categorias de cães referidas anteriormente podem usar um agasalho no Inverno, ainda que não seja obrigatório. Contudo, deve garantir que eles estão à vontade e que não se sentem em pânico com a roupa vestida.

Quais os cães que não precisam ou não devem ser agasalhados?

 

Animais com pelo longo ou denso, como por exemplo o São Bernardo, Husky ou Pastor Alemão, sentem menos frio, pelo que uma manta em casa para se aconchegarem pode ser suficiente.

Doentes dermatológicos – cães com problemas de pele devem usar casacos apenas esporadicamente, para permitir a oxigenação da pele e evitar possíveis alergias.

Animal obeso – cães com excesso de peso sentem mais calor, pelo que não devemos favorecer o sobreaquecimento do seu organismo com roupas. Devemos usá-las apenas em ambientes muito frios ou quando vemos que o nosso patudo manifesta frio.

 

Ana Alves

Médica Veterinária

Il mio cane ha problemi articolari. Come aiutarlo?

L’anamnesi nei problemi articolari

Capire la causa di un dolore articolare non è sempre facile, una buona anamnesi sarà fondamentale per dirigere il medico veterinario verso la più probabile diagnosi, in base a: età, razza, comparsa del problema e durata nel tempo (zoppia continua o intermittente) o se si tratta di una zoppia cosiddetta “a caldo” o “a freddo”.

Le cause di dolore articolare

  • Artrosi da sforzo eccessivo: come per l’uomo, anche i cani sportivi o da lavoro, possono andare incontro a tale problematica: un intenso e lungo periodo di attività, possono generare un precoce invecchiamento delle articolazioni.
  • Difetti d’appiombo: varismo (anomala angolazione di un arto verso l’interno), valgismo (anomala angolazione di un arto verso l’esterno).
  • Incongruità articolari: un’errata anatomia, ereditata spesso dai genitori del cane, sollecitano continuamente le articolazioni con movimenti errati, producendo un’infiammazione cronica articolare, riscontrabile  anche in giovane età. La displasia di anca e gomito sono i classici esempi di incongruità articolari in cani di grande taglia o appartenenti a razze predisposte quali Labrador e Golden Retriever, Cane corso, Pastore Tedesco. La lussazione della rotula è invece una situazione patologica riscontrabile più frequentemente nelle razze di piccola taglia (Pinscher, Maltese e Chihuahua).
  • Traumi: i quali possono generare rottura del crociato con insorgenza acuta di dolore e zoppia.
  • Malattie autoimmuni: artrite immunomediata, artrite reumatoide, Lupus Eritematoso Sistemico possono manifestarsi con zoppie, più o meno associate a sintomatologie sistemiche.
  • Malattie parassitarie: nei casi di Leishmaniosi i cani presentano zoppie intermittenti nel tempo, legate al periodo di riacutizzazione della malattia e alla replicazione del protozoo, altre cause possono essere identificate nelle malattie trasmesse da zecche (Ehrlichiosi, Borreliosi, Rickettsiosi) dove spesso la zoppia è accompagnata da periodi di febbre altalenante.

I consigli del veterinario:

  • Scegliere un’alimentazione di qualità, rapportata ad età, taglia (ad esempio: scegliere sempre mangimi large breed per razze di grande taglia) con integrazioni di condroprotettori come la glucosamina e la condroitina.
  • Evitare gli eccessi energetici e le integrazioni esagerate in vitamine e minerali nei cuccioli.
  • In razze predisposte, animali sportivi, anziani e soggetti in sovrappeso, rallentare il processo di artrosi effettuando più cicli di condroprotettori l’anno, per almeno 60 – 90 giorni.
  • Prevenzione sulle razze predisposte. La diagnosi precoce di incongruità articolari sulle razze predisposte, tramite controllo radiografico nel cucciolo, è fondamentale per assicurargli una vita in salute.
  • Ridotto esercizio fisico (blande passeggiate, senza corse), ma quotidiano più volte al giorno.
  • Mantenimento di una buona massa muscolare, utile a contenere il più possibile l’assetto articolare. In questo senso può essere d’aiuto, nei casi indicati, effettuare sedute di fisioterapia.
  • Evitare l’obesità, offrendo una dieta sana e bilanciata.

In conclusione non bisogna sottovalutare i primi segni di zoppia e rivolgersi sempre alle cure del proprio medico veterinario

Dott.ssa Alessia Troli
Medico Veterinario Barkyn

Se fosse um cão, que raça seria?

Que perguntas pode fazer a si próprio para perceber qual a raça que melhor encaixa consigo?

  • Em que casa gostaria de viver?
  • Prefere ficar em casa ou aproveitar o fim de semana para sair?
  • Gosta de correr e fazer bastante exercício?
  • É sociável?
  • É alto ou baixo?
  • Demora muito tempo a arranjar-se (tomar banho, vestir-se, etc)?
  • Prefere os convívios com amigos ou dedicar-se à família?
  • Que adjetivos o definem? Carinhoso? Teimoso? Impaciente? Preguiçoso?

A resposta a estas perguntas pode ajudá-lo a comparar-se a algumas raças de cães que podem ter gostos e uma personalidade e temperamento semelhantes aos seus!

Encontre a sua raça:

Labrador

Gosta de correr e fazer exercício. É considerado um cão ativo, com espírito jovem, frequentemente “aluado”, que prefere passear a ficar em casa. Não liga ao visual, mas a verdade é que tem uma beleza natural muito própria!

Pessoas extrovertidas, que gostam de festa e são extremamente sociáveis seriam sem dúvida um Labrador.

Golden Retriever

Inteligentes, muito leais à família, adoram atividade física tal como o Labrador! Tem um pelo que lhes confere uma aparência própria, muito elegante, que necessita de tratamento constante.

Pessoas que gostam de ter uma vida social ativa, que se preocupam com a imagem (principalmente com o cabelo!), que necessitam de exercício físico para se sentirem bem física e psicologicamente seriam um Golden Retriever.

Pug

O Pug é um cão de raça pequena, muito leal ao dono e que gosta de companhia a toda a hora! É um cão de apartamento e apesar de calmo pode ser bastante teimoso.

É o espelho de pessoas teimosas, mas afetuosas! Pessoas que preferem aproveitar o fim de semana em casa, com a família, que gostam de conviver e odeiam não ter companhia… seriam um pug!

Teckel

Gosta do sofá, mas não diz não a uma bela brincadeira no parque em troca de um fim-de-semana passado em casa. É um cão confiante, apesar da sua estatura. É uma raça sociável, mas graças à sua vontade muito própria pode entrar em conflito na relação com cães e pessoas. É curioso e muito enérgico e é visto por toda a gente como um cão com aparência muito fofa!

Se é uma pessoa curiosa, com ideias vincadas, confiante e gosta de manter uma vida social ativa… provavelmente se fosse um cão seria um teckel.

Pinscher

Cães de apartamento, que gostam de dormir mas adoram vir correr para o parque e conhecer novos amigos! Pequenos, “refilões”, muito ativos e medrosos.

Se revê estas características em si, provavelmente seria um pinscher.

Weimaraner

Grande porte, precisam de gastar energia (adoram nadar!), e são cães um pouco ansiosos. Dedicados à família, dão-se bem com outros animais e pessoas e precisam de treino constante para se manterem sociáveis e bem psicológica e fisicamente.

Se é uma companhia agradável para as outras pessoas, gosta de se dedicar à família e amigos, adora fazer exercício e explorar coisas novas, mas ainda assim tem um lado mais ansioso… a sua raça seria o Weimaraner.

Yorkshire Terrier

Um cão pequeno, que necessita de atenção e companhia, carinhoso e adora o colo do dono. É considerada uma raça vaidosa, pela necessidade de tratamento frequente do pelo e pelos movimentos graciosos. Apesar da estatura pequena, a teimosia e comportamentos de dominância são também característicos de muitos cães desta raça.

Se prefere apartamentos, é uma pessoa vaidosa, tem uma devoção pelo cabelo, adora partilhar momentos com a sua cara metade e adota comportamentos de teimosia e dominância na convivência com outras pessoas… provavelmente seria um Yorkshire Terrier.

Bichon Maltês

Também o Bichon Maltês necessita de atenção e companhia. É um cão tranquilo, adora o sofá e o colo do dono! É teimoso e tem uma personalidade forte. Apesar de gostar de dormir durante muito tempo, não diz não a uma boa hora de brincadeira…. sempre com o dono por perto.

Se prefere apartamentos, é uma pessoa tranquila mas com uma personalidade forte, e não diz não a um fim-de-semana no aconchego do sofá… o Bichon Maltês é a sua raça de cão!

Beagle 

Historicamente caçadores, os beagles são conhecidos pela sua energia sem fim. É alegre, adora brincadeiras, não aguenta muito tempo sem companhia e sem atividades desafiantes. Adora o exterior, precisa de uma educação firme e é confiante e corajoso! Muitos Beagles têm um uivar característico.

Portanto, se coragem e determinação não lhe falta, é uma pessoa extrovertida, que está sempre dentro de novos programas com os amigos, cria um ambiente de alegria à sua volta e tem uma voz marcante… provavelmente a sua raça seria o Beagle.

Corgi

Um cão de família, com um grande instinto de proteção e lealdade. Gosta de morar em apartamentos, e tem um pelo que necessita de tratamento frequente. É alegre e alinha em todas as brincadeiras. Adora comer e por vezes á um pouco impaciente. O treino é muito importante em cães desta raça!

Se tem um instinto protetor muito apurado, com uma ligação forte à família, adora divertir-se e é impaciente em determinadas situações… a sua raça seria o Corgi.

“Rafeiro”

É o cão de raça indeterminada… cuja personalidade é variável consoante as raças que lhe deram origem. Contudo, o meio ambiente moldará a personalidade dos rafeiros (assim como dos cães de raça!). São cães normalmente dóceis, muito próximos do dono… que também podem ter temperamentos negativos (como serem mais desconfiados). Depende!

Se tem um feitio com características não muito vincadas… quem sabe se não terá semelhanças com os rafeiros!

 

Daniela Leal

Médica Veterinária de Animais de Companhia

Ipotiroidismo nel cane: tutto quello che si deve sapere

Chi sono i soggetti a rischio di ipotiroidismo canino?

L’ipotiroidismo rappresenta l’endocrinopatia più frequente nei cani di razza pura. Ne sono geneticamente predisposti il Dobermann Pinscher, Golden Retriver, Alano, Dobermann, Cocker Spaniel, Bulldog inglese, Bulldog franceseBoxer e Beagle. L’ipotiroidismo colpisce maggiormente cani di mezza età o anziani, mentre le forme giovanili sono rare e legate a deficit enzimatici congeniti. Nel 95% dei casi, il disturbo è legato ad una degenerazione fisica della ghiandola tiroidea (atrofia), problematiche autoimmuni o processi neoplastici della tiroide. Sono molto più rare le forme di ipotiroidismo secondario, cioè legate a deficit di secrezione del TSH da parte dell’ipofisi (una ghiandola endocrina del sistema nervoso centrale essenziale per la produzione di ormoni tiroidei).

Quali sono i sintomi dell’ipotiroidismo nel cane?

Date le molteplici funzioni degli ormoni tiroidei, un cane affetto da tale patologia può manifestare una sintomatologia molto varia:

  • aumento del peso (nonostante l’appetito possa rimanere invariato);
  • intolleranza al freddo;
  • letargia o scarso rendimento atletico;
  • problematiche dermatologiche (alopecia simmetrica del tronco, iperpigmentazione della cute, pelo secco e opaco, alopecia localizzata sul dorso della coda, la cosiddetta “coda di topo”);
  • ritardo nella cicatrizzazione di ferite;
  • alterazioni cardiovascolari;
  • disordini neurologici (paralisi del nervo facciale o paralisi laringea).

Le femmine possono avere cicli estrali irregolari o mancanti, infertilità o gravidanze a rischio. Nel maschio sono visibili atrofia testicolare o mancanza della libido

Qual è la diagnosi dell’ipotiroidismo del cane?

Il primo passo, dopo un’accurata visita clinica, sono le analisi del sangue, dove potremmo riscontrare:

  • anemia;
  • ipertrigliceridemia;
  • ipercolesterolemia.
  • aumento del TSH (ormone tiroidei stimolante prodotto dall’ipofisi)
  • variazioni della T4, se i valori del TSH possono indirizzarci verso una diagnosi di certezza, i valori del T4 devono essere interpretati con cautela, in quanto possono nascondere delle “insidie”. Valori bassi di T4 possono confermare la nostra diagnosi di ipotiroidismo, ciononostante alcune razze come il Siberian Husky e Greyhound presentano normalmente valori minori. Anche un aumento del T4 potrebbe trarre in inganno, in quanto alcuni studi hanno dimostrato di poter aumentare nella cagna gravida o a fine calore.

L’esecuzione di una ecografia della tiroide può completare il quadro diagnostico.

Terapia dell’ipotiroidismo

La terapia dovrà essere eseguita a vita e consiste nella somministrazione di un sostituto degli ormoni tiroidei. Il principio attivo del farmaco è la levotiroxina e va somministrata 1 o 2 volte al giorno a seconda dei casi. Una volta impostata la terapia farmacologica, questa dovrà essere monitorata ogni 2 mesi attraverso un nuovo prelievo di sangue, allo scopo di trovare la minima dose efficace che permetta di portare gli ormoni tiroidei, all’interno dei range fisiologici. Il prelievo ematico andrà effettuato a distanza di 3-4 ore dalla somministrazione della compressa. Nei soggetti cardiopatici è preferibile iniziare la terapia con levotiroxina al 50% della dose normale.

Dott.ssa Alessia Troli
Medico Veterinario Barkyn