Malassezia nel cane: cause, sintomi e rimedi pratici.

La malassezia è un microorganismo, per l’esattezza un lievito, presente normalmente a livello della cute di cani e gatti, che convive senza problemi con il resto dell’organismo, ma che in situazioni specifiche può proliferare in maniera inadeguata e sviluppare dermatiti e/o otiti.

Per quale motivo cani e gatti soffrono di otite da malassezia?

La malassezia è presente a livello cutaneo di cani e gatti fin da cuccioli, viene trasmessa al parto, potrebbe rimanere latente per tutta la vita dell’animale oppure manifestarsi nel caso in cui ci siano fattori predisponenti. Questo microorganismo si trova principalmente nel condotto uditivo, nello spazio interdigitale, sotto le ascelle, sulle mucose, sull’inguine, intorno alla bocca e all’ano. I fattori che predispongono la sua proliferazione sono:

Sintomatologia

Il sintomo principale è il prurito, questo aumenterà la probabilità di sviluppare una dermatite a seguito del grattarsi e del leccarsi continuo da parte del cane, quindi appariranno anche: eritema, desquamazione, seborrea e il tipico odore rancido. La dermatite si manifesterà principalmente a carico degli spazi interdigitali, sotto le ascelle, a livello dell’inguine.
Questa infiammazione dovrà essere trattata immediatamente e come prima cosa dovrà essere impedito al cane di leccarsi per evitare il sopraggiungere di infezioni batteriche secondarie.
Quando la proliferazione avviene all’interno del condotto uditivo interno svilupperà in un’otite che si manifesterà con intenso prurito (il cane scuote la testa insistentemente e si gratta con le zampe), aumento della produzione di cerume che presenterà un odore rancido.

Trattamento

Il trattamento delle otiti/deramtiti da malassezia viene eseguito attraverso l’applicazione di prodotti topici antimicotici con anche la presenza di antinfiammatori e antibiotici per controllare non solo il proliferare del fungo nell’orecchio, ma anche di altri microorganismi ed evitare quindi un aggravamento del quadro. Il trattamento viene istituito dal medico veterinario dopo una visita approfondita e oltre a trattare il sintomo acuto si deve indagare e trattare anche la causa primaria che ha portato lo sviluppo del microorganismo.

Prevenzione

Per cercare di prevenire la comparsa di dermatite/otite da malassezia si dovrà:

  • Sostenere il sistema immunitario del cane;
  • Promuovere la sua attività fisica, poiché il movimento diminuisce lo stress e di conseguenza rafforza le difese immunitarie;
  • Utilizzare shampoo e prodotti per le orecchie poco aggressivi e adeguati al pH della pelle del cane;
  • Sostenere la flora batterica soprattutto nei cambi di stagione;
  • Valutare una correzione della dieta, anche con l’utilizzo di mangimi anallergici.

Tutto questo sempre sotto consiglio del proprio medico veterinario curante.

Dott.ssa Aurora Busti
Medico Veterinario Barkyn

Epilepsia canina: quais os sintomas

Em que consiste a epilepsia canina?

A epilepsia é uma condição crónica caracterizada por uma actividade eléctrica excessiva e anormal do cérebro, que desencadeia mudanças repentinas e breves no comportamento e/ou movimento do cão – convulsões.

Quais os sintomas da epilepsia canina?

Os ataques epilépticos variam à medida que o cão atravessa diferentes fases:

  • Pré-ictus: período que precede a convulsão e pode ser tão rápido ao ponto de o tutor não se aperceber. Também pode durar alguns dias. Nesta fase, o animal mantém-se agitado, inquieto, podendo mesmo demonstrar comportamentos de medo.
  • Aura: sensação que experimentam imediatamente antes da convulsão. Os cães podem vomitar, urinar e salivar excessivamente. Ocorrem, por vezes, comportamentos atípicos como caminhar, lamber ou ladrar obsessivamente.
  • Ictus: momento em que se dá a convulsão. Geralmente as convulsões duram menos de 2 minutos. Podem apresentar-se de variadas formas. O cão pode perder a consciência, ficar rígido, iniciar movimentos rítmicos e rápidos (como pedalar) ou perder o seu tónus muscular e colapsar.
  • Pós-ictus: fase após a convulsão, na qual os animais demonstram agressividade, agitação, perda de visão, micção inapropriada, sede e fome. Esta etapa pode durar horas.

São estas 4 fases que nos permitem distinguir uma convulsão e ataque epiléptico, de outros eventos episódicos como síncopes ou fraqueza muscular!

Que tipo de convulsões existem?

  • Convulsões focais: afectam metade do cérebro. Os cães podem apresentar contracções faciais ou de pequenos grupos musculares.
  • Convulsões generalizadas: afectam ambos os hemisférios cerebrais. Os cães perdem a consciência, podendo salivar, urinar e defecar. Durante estes ataques, o seu corpo pode ficar rígido ou flácido, e iniciar movimentos bruscos.
  • Convulsões mistas: têm inicio com uma crise focal que evolui para convulsão generalizada. É o tipo mais comum de ataque epiléptico em cães.

Quais os tipos de epilepsia e suas causas?

A doença pode ser genética ou adquirida (secundária a alterações estruturais cerebrais ou tóxicos). Dessa forma, distinguem-se 3 subtipos de epilepsia:

  1. Epilepsia idiopática/primária manifesta-se entre o primeiro e sexto ano de vida dos cães, sendo o seu diagnóstico feito por exclusão de doença reactiva ou estrutural. É diagnosticada recorrendo a exames como Rx, ecografia, análises sanguíneas , TAC ou Ressonância Magnética, entre outros. Geralmente está associada a, pelo menos, dois episódios convulsivos com mais de 24h de intervalo entre eles, e pela ausência de alterações neurológicas no período entre convulsões. Não se conhece a sua causa, mas pensa-se que poderá ter componente hereditário. As raças mais predispostas são o Beagle, o Boxer, o Golden e Labrador Retriever, e o Pastor Alemão.
  2. Epilepsia estrutural, cujas convulsões são resultado de doenças intra-craneanas ou cerebrais, como alterações vasculares, inflamatórias, infecciosas, tumorais ou degenerativas.
  3. Epilepsia reactiva é secundária a tóxicos (ex: pesticidas) ou alterações metabólicas (ex: insuficiência hepática). Neste caso, conseguimos reverter as convulsões, controlando a causa primária.

Os cães com epilepsia podem ter uma vida normal, mas é importante serem avaliados pelo Médico Veterinário, de forma a iniciarem o tratamento correcto. Este é considerado bem sucedido caso a medicação reduza a frequência de ataques, pelo menos, para metade. Em situações pontuais e mais graves poderá ser necessário hospitalizar o paciente com vista a monitorizar e a controlar devidamente as convulsões.

Ana Matias

Médica Veterinária

Lavori per cani: quali sono le professioni dei cani.

Da sempre gli animali sono stati utilizzati per aiutare l’uomo in alcune mansioni, cani compresi. Fin da tempi immemori erano utilizzati come aiuto nella caccia, per trainare le slitte, ma vediamo come ai giorni nostri ci facciamo aiutare dai nostri amici a quattro zampe.

Cane poliziotto

I cani, soprattutto quelli di razza pastore tedesco, sono utilizzati dalle forze armate per svolgere mansioni che solo i cani possono ricoprire, sfruttando le loro capacità, come ad esempio il loro olfatto sopraffino. Sono, infatti, fondamentali nell’ambito dell’antidroga, essendo in grado d’intercettare chi sta trasportando stupefacenti, e riescono, sempre grazie al loro naso, a rintracciare ordigni esplosivi.

Cani da salvataggio

I cani che lavorano in questa categoria, sono dei compagni fondamentali per gli umani, basti pensare a tutte le vite salvate grazie al fiuto dei cani che ha permesso di trovare le persone bloccate nelle macerie a seguito di un terremoto. Fondamentali anche quelli addestrati per il salvataggio in acqua, soprattutto labrador e golden retriever, che da sempre sono al fianco di bagnini di mare o di lago per il recupero delle persone in difficoltà in acqua.

Cani da pet therapy

In questa categoria sono inclusi tutti quegli esemplari che vengono adottati da persone che presentano problematiche di vario genere, sia di tipo psicologico sia motorio. Sono, infatti, utilissimi poiché prendersi cura di un cane aiuta a calmare l’ansia, facendo superare stress e tensioni e mette in uno stato d’animo positivo e proposito, il che aiuta per una più pronta guarigione.

Cani guida

Questa categoria, indispensabile per le persone non vedenti, rappresenta forse una delle più nobili professioni che un cane può svolgere. Un cane guida seguirà una persona non vedente per tutta la sua vita e oltre ad esserne compagno, lo aiuterà a muoversi e avrà anche un effetto benefico sul suo umore così come avviene nella pet therapy.

 

Dobbiamo ricordarci che queste categorie di cani, rientrando a tutti gli effetti in animali lavoratori, non devono essere distratti mentre stanno svolgendo la loro mansione. Per questo quando li si incontra per strada prima di dargli attenzioni sarebbe meglio chiedere al proprietario se ci possiamo interagire.

Dott. Aurora Busti
Medico Veterinario Barkyn

Perro de trabajo: ¡Profesiones realizadas por perros!

  • Perros policía: Cuando hablamos de perro policía no podemos evitar que en nuestra retina se proyecte el famoso Rex. Ese simpático perro se coló en nuestros hogares a través de la televisión, incluso hasta consiguió desbancar a las telenovelas en la casa de mi abuela. En forma de ficción, mostraba la forma de trabajo de esos valientes perros que ayudan a los policías humanos en realizar su labor de forma eficaz. Velocidad, agilidad e inteligencia son unas cualidades magnificas de las que estos perros hacen gala a diario. Razas como pastores alemanes o pastores belgas son ideales para desempeñar estas funciones, ya que además de su inteligencia, tienen un tamaño suficiente para intimidar, y en su caso poder doblegar al presunto criminal. En otra línea, gracias a su agudo olfato trabajan en la detección de droga, explosivos o cualquier otro tipo de sustancia.
  • Perros bombero/de rescate: Estos animales se encargan de la búsqueda y salvamento de personas en situaciones de catástrofes o accidentes. Son útiles en escenarios diversos, como incendios o derrumbes de edificios, emergencias climáticas como tsunamis, tornados. En general son perros que destacan por su buen olfato y por su carácter infatigable, ya que en muchos casos las sesiones de búsqueda llegan a ser extenuantes.
  • Perros rastreadores de trufa: De forma menos épica que los anteriores, estos perros trabajan paseando por el monte y rastreando trufas. Este alimento es muy apreciado en la alta cocina por lo que este tipo de perros se eligen por su nariz y se entrenan de forma rigurosa.
  • Perros guía: Por todos conocidos. Son los ojos de las personas invidentes. Su labor es encomiable y ayudan a mejorar enormemente la calidad de vida de estas personas. Son animales seleccionados por su inteligencia y su carácter afable. Son habituales los retriever para esta tarea.
  • Perros de terapia: Cada vez son mas frecuentes las terapias con animales para ayudar a personas con algún tipo de discapacidad o problemas de socialización. Y como no podía ser de otra forma, los perros son uno de los favoritos para este tipo de terapias. Su estupenda forma de relacionarse con los humanos, y su capacidad para leer sus emociones les convierte en unos brillantes terapeutas, y harán de su terapia una dosis de cariño y babas.

¡Ya veis la cantidad de cosas que pueden hacer por nosotros, y solo piden a cambio cariño y comida!

Juan Vázquez

Médico veterinario

Con quale razza è compatibile il mio segno zodiacale?

Vediamo segno per segno, quale Fido fa per noi…

ARIETE:

Il cane ideale per i nati sotto al segno dell’Ariete deve essere in grado di tenere testa a persone che spesso non amano essere contraddette e che vivono a mille la loro vita. Per l’Ariete potrebbero essere adatti quindi: il Jack Russel ed il Bassotto, piccoli vulcani, determinati e testardi al punto giusto.

TORO:

Per i Tori, il cane ideale è il San Bernardo che ispira fiducia, solidità, sicurezza e senso di protezione. Specchio e riflesso del Toro, che nonostante sia un segno che può apparire eccentrico ed estroverso, ricerca nell’altro tutte queste qualità. Anche altri grandi cani da Pastore e Bovari possono fare comunque tutti al caso vostro.

GEMELLI:

Il Golden Retreiver sarebbe la razza adatta ai gemelli che sono sempre alla ricerca di stimoli. Essendo un tipo di cane vivace e allegro, saprà come non farvi annoiare!

CANCRO:

Il Cancro ama la dolcezza, le coccole ed una vita non troppo sfrenata; di sicuro il cane che fa al caso vostro è il Cavalier King Charles Spaniel.

LEONE:

Per voi del Leone non c’è alcun dubbio: il Rottweiler, fiero, forte e talvolta un pochino intrattabile, è il vostro alter ego canino.

VERGINE:

I nati nella Vergine hanno una personalità indipendente e pragmatica ma sono anche individui socievoli e pacifici, che potranno trovare l’intesa giusta con il Beagle.

BILANCIA:

La Bilancia ama l’eleganza, ascoltare le persone e la vita domestica. Tratti caratteriali presenti nei cani di tipo Levriero; razza Whippet, Piccolo Italiano o Galgo spagnolo, dall’indole equilibrata e calma. Non dimenticate però di farli correre ogni tanto!

SCORPIONE:

Per gli Scorpioni, il compagno  ideale è il Maremmano, impavido ma molto fedele e premuroso con il suo “gruppo”. Occhio a non farlo arrabbiare!

SAGITTARIO:

Il Border Collie si rivela invece il cane ideale per il Sagittario, amante dell’avventura, intrepido e dalla personalità attiva e forte. Ogni occasione sarà buona per sprizzare energia a fiumi con il vostro amico! Anche l’Australian Shepherd ed il Pastore Belga Malinois ( fedele ma molto protettivo ) potrebbero fare al caso vostro.

CAPRICORNO:

Voi siete dei buoni, ma allo stesso tempo con un carattere determinato e molto responsabile. Il Boxer fa al caso vostro!

ACQUARIO:

Bello, selvaggio e impenetrabile, Il Cane Lupo Cecoslovacco potrebbe essere il compagno giusto per un Acquario, amante della libertà e fedele solo con chi sa conquistarlo. A voi serve un cane che ha preservato il suo istinto.

PESCI:

I pesci potrebbero invece fare una coppia perfetta con i brachicefali, bisognosi di attenzioni continue, simpatici e teneri. Per voi i Bulldog ed i Carlini sono il massimo che si possa desiderare!

Per concludere e per ritornare un pochino seri, la scelta di un cane è un momento molto importante, che influenza la futura vita di entrambi. Bisogna tenere conto, con molta cura, delle inclinazioni caratteriali dell’uno e dell’altro. Avete mai visto una coppia incompatibile durare serenamente negli anni?

Dott. Piercarlo Amati

Medico Veterinario Barkyn

 

O meu signo é compatível com que raças?

Carneiro: Pastor Alemão e Pit Bull!

As pessoas deste signo têm uma personalidade forte, são impulsivas, teimosas e emocionais. Na relação com outros são muitas vezes “crianças”, estão prontos para qualquer brincadeira e precisam de relacionamentos capazes de os acalmar. Os patudos com um temperamento brincalhão mas ainda assim com uma postura autoritária, podem ser um parceiro de vida ideal para pessoas deste signo!

Touro: Basset Hound!

Os taurinos apegam-se a quem os rodeia, são pessoas confiáveis e prontos para ajudar. Podem tornar-se controladores e inflexíveis e são, por vezes, ligados aos bens materiais.  As raças ideais para se relacionarem com tutores taurinos são sem dúvida raças pouco teimosas e que gostam de se sentir protegidas.

Gêmeos: Labrador e Golden Retriever!

Têm o dom da comunicação e encaram a vida com sentido de humor. Por vezes tornam-se desinteressados e distantes, mas são movidos por estímulos intelectuais! Para um geminiano, a melhor relação cão/dono será com um patudo divertido e independente.

Caranguejo: Shih Tzu!

Os nativos deste signo adoram proteger as pessoas de quem gostam. São leais, gentis e confiáveis. Patudos mais carentes, que necessitam de bastante atenção do dono, serão a melhor opção para pessoas deste signo.

Leão: Pastor Australiano!

Vigor, energia e domínio caracterizam os leoninos. São amigos do seu amigo e por vezes autoritários. Cães elegantes, que adoram brincar, que aceitam bem o treino e comandos vão relacionar-se bem com nativos deste signo.

Virgem: Border Collie!

Virgem é um dos signos mais inteligentes do zodíaco! São práticos, disciplinados e analíticos e na relação com os outros são bastante carinhosos e sensíveis. Patudos bem-comportados, inteligentes e que se entregam bastante à relação com o dono vão dar-se bem com os virginianos.

Balança: Galgo Afegão!

São muito indecisos, preguiçosos, mas bastante responsáveis. Dão valor à aparência e estão sempre preocupados em manter o charme. São bastante pacientes com as pessoas com quem se relacionam. Um patudo bonito e que necessite de ter o dono sempre presente para as suas aventuras é o parceiro ideal para os nativos deste signo!

Escorpião: Rottweiler!

Leais, dedicados e… ciumentos e rancorosos! São por vezes obsessivos, embora estabeleçam relações fortes e duradouras. Patudos protetores, focados na relação com o dono e com um temperamento calmo serão uma ótima companhia para estes cães!

Sagitário: Bulldog Francês e Dálmata!

São generosos, otimistas e aventureiros! Gostam de conviver com quem lhes traz sempre algo novo. Por vezes são inflexíveis e constroem espectativas irrealistas. Para este signo se dar bem com o seu patudo, o ideal é escolher uma raça sempre pronta a abraçar novas aventuras.

Capricórnio: Fox Terrier e Galgo!

Práticos, teimosos, ambiciosos e disciplinados, os capricornianos tendem ainda a ser frios para a maioria das pessoas que os rodeiam, tornando-se emocionais ao longo do tempo. São compatíveis com patudos fáceis de educar e que estimulem o seu lado afetuoso.

Aquário: Beagle!

É um signo criativo, amigo e por vezes imprevisível. São nativos bastante racionais e gostam de estar envolvidos em novas experiências. Patudos que acompanhem os traços de personalidade dos aquarianos, serão uma ótima companhia.

Peixes: São Bernardo e Bichon Maltês!

Vivem no mundo dos sonhos e da imaginação. São sensíveis, por vezes fracos e bastante altruístas. Um patudo carinhoso e protetor pode ser a companhia ideal para os nativos deste signo.

 

Daniela Leal

Médica Veterinária

Epilessia nel cane: come affrontarla

Da cosa sono innescate le crisi convulsive?

Le cause possono essere:
• patologie primarie a carico dell’encefalo come infiammazioni o tumori
• malattie metaboliche quali ipoglicemia, intossicazioni o disfunzioni del fegato
• l’epilessia idiopatica, di origine sconosciuta

Come posso distinguere fra le varie cause?

Ogni animale con problemi di epilessia deve essere condotto dal veterinario per effettuare: visita neurologica, esami ematobiochimici, risonanza magnetica dell’encefalo ed esame del liquido cefalorachidiano.
Ogni esame ha lo scopo di individuare la possibile causa scatenante le crisi convulsive.
Nel caso in cui tutti gli esami dovessero avere esito negativo, si potrà emette un sospetto di epilessia idiopatica.

Cos’è epilessia idiopatica?

Rappresenta la causa più frequente di crisi convulsive nel cane. Generalmente compare nei cani giovani, tra i 6 mesi e i 6 anni d’età, ed esistono alcune razze canine maggiormente predisposte: il Border Collie, il Golden e Labrador Retriever, il Pastore Australiano e il Pastore Belga.

Come capire se il mio cane ha avuto una crisi convulsiva?

La maggior parte delle crisi convulsive sono precedute da minuti di forte agitazione del cane (corre, abbaia, gira su se stesso, tenta di nascondersi), una sorta di rituale che col tempo può aiutare il proprietario a prevedere il momento della crisi.
Durante la crisi il cane può:
perdere coscienza,
avere difficoltà nel mantenere la stazione,
presentare contrazioni tonico-cloniche degli arti,
salivazione profusa,
perdita di urine e feci.

Come devo comportarmi?

Se riusciamo a capire che il nostro cane sta per avere una crisi, la somministrazione di farmaci anticonvulsivanti di supporto, possono aiutare il cane a superare momento. Se invece ci accorgiamo che il cane sta già avendo una crisi dobbiamo: evitare di toccare il cane, non sollevarlo, non fare rumore o accendere luci, ma lasciare che la crisi passi spontaneamente in pochi minuti continuando a vegliare il cane e nel frattempo contattare il proprio medico veterinario.
Se la crisi dovesse durare più del dovuto, se dovessimo avere più crisi in successione (status epilepticus) si dovrà correre tempestivamente in clinica per una vera e propria emergenza.

Terapia farmacologica

Convivere con una tale patologia è possibile, se viene individuata la dose e la terapia farmacologica migliore per ciascun caso. Sono terapie da effettuare a vita, con costanza e che richiedono controlli programmati per la valutazione dei corretti livelli di farmaco nel sangue.

Dott.ssa Alessia Troli
Medico Veterinario Barkyn

Dicas para convivência entre cães e crianças

Atualmente, grande parte dos cães são considerados membros da família, conceito que as crianças facilmente entendem. Contudo, os mais novos têm dificuldade em perceber que os cães pertencem a uma espécie diferente, acabando por interagir com eles de igual para igual. Aqui ficam algumas dicas para tornar esta relação mais segura e duradoura.

  • Nunca os deixe sozinhos

A maior parte das crianças interage com os cães da mesma forma que interage com os membros da família, ou seja, através de contactos muito próximos, como beijinhos e abraços. Essa proximidade pode ser intimidante para o cão podendo levar a que este reaja de forma imprevisível.

Por outro lado, as crianças, comparativamente aos adultos comunicam de forma mais barulhenta (choram, gritam, fazem birras). Para os cachorros é difícil interpretar este comportamento, fazendo com que se sintam inseguros e com medo.

  • Amigos amigos, brinquedos à parte

É muito importante sensibilizar a criança para o facto de um cão não ser um brinquedo de peluche. Comportamentos como puxar a cauda ou as orelhas, montar o cão, atirar-lhe objectos ou calcar-lhe as patinhas, não são admissíveis e colocam a criança em risco de ser mordida.

  • Ensine a criança a não se aproximar do cão quando este:
  1. está a comer (comportamento possessivo);
  2. está a dormir (pode assustar-se reagir de forma agressiva);
  3. está doente / magoado / com dores;
  4. tem problemas de visão / audição;
  5. é um cão desconhecido.
  • Tenha atenção à linguagem corporal

Se para nós, adultos, nem sempre é clara a linguagem corporal do nosso patudo, para uma criança, esse mistério é ainda maior. Explique à criança que um cão com a cauda a abanar nem sempre significa que este está contente e que se colocar a cauda entre as pernas é sinal que está assustado, sendo melhor a criança afastar-se.

  • Seja responsável!

Se está a pensar adicionar um membro canino à sua família, seja responsável pois é uma decisão que vai mudar a sua vida para sempre. Informe-se dos cuidados que deve ter e assegure-se de que está à altura da tarefa. Neste artigo pode consultar as raças de cães mais adaptadas a crianças.

Sara Alves

Médica Veterinária de Animais de Companhia

Cepillos ideales para cada tipo de pelo canino

muta del cane

¿Qué cepillo usar?

Según el tipo de pelo elegiremos un cepillo u otro, diferenciando 3 tipos de largura de pelo:

  • Cepillo para perros de pelo corto: el cuidado de este tipo de pelo es más sencillo, siendo suficiente con 2-3 cepillados por semana. El cepillo que debemos usar es uno con cerdas de goma, también es válido uno tipo manopla. Esta goma hace que se adhieran los pelos muertos y es muy sencilla de limpiar tras su uso.
  • Cepillos para perros de pelo medio: los perros de pelo de largura media, como son el Golden retriever, necesitan un cepillo diferente y, al menos, 4 cepillados a la semana, ya que tienen un gran espesor de pelo. El cepillo ideal es uno con púas metálicas de largura intermedia, con las púas juntas. Este cepillo se conoce con el nombre de carda. En ocasiones, estos perros pueden necesitar algún cepillo extra, como los usados en perros de pelo largo.
  • Cepillos para perros de pelo largo: es muy importante el cepillado diario para este tipo de pelaje, de esta forma eliminamos el pelo muerto y evitamos que se formen nudos entre esos pelos. En este grupo de debe incluir a perros con pelo largo como es el Collie, pero también perros como gran cantidad de manto y grosor, como el Pastor alemán. Para desenredar será necesario un peine de tipo rastrillo. Para los perros con pelo más delicado, como los Yorkshire, se debe usar un cepillo doble, con una parte de cerdas más redondeadas y, otra parte, de cerdas metálicas más duras.
  • Cepillos para perros de pelo rizado: estos perros tienen características especiales en su pelaje, por lo que es necesario hacer mención a parte. Aquí se incluyen perros como el Caniche, Perro de aguas español, etc. Se deben peinar con un peine de púas metálicas gruesas y separadas. Estos perros no pierden pelo pero si que se les enreda. Con este peine mantendremos el pelo sin nudos y limpio.

Para eliminar el pelo muerto es todo tipo de pelaje encontramos los escarpidores, como los de la marca FURminator, existiendo diferentes larguras de púas según el pelo del animal. Por otro lado, también hay peines antiparásitos, con púas finas y juntas.

Irene Martinez

Médica Veterinaria

Ejercicios para perros con displasia de cadera

Ejercicios pasivos para perros con displasia de cadera:

Estos ejercicios son los indicados para los perros que sea han sometido a la cirugía para tratar la displasia. Se basan sobre todo en 2 tipos de ejercicios:

  • Flexión-extensión: consiste en flexionar y estirar sus patas traseras de forma cuidadosa.
  • Abducción: tumbado lateralmente, levantaremos la pata del perro y la devolveremos a su posición habitual. Recordar hacerlo con cuidado para no dañar al animal.

Ejercicios activos para perros con displasia de cadera:

En estos ejercicios al animal tiene que moverse, nosotros le ayudaremos y evitaremos que no se lastime. Es útil en perros con displasia o en perros que han sido operados hace unas semanas de este problema.

El objetivo es ayudar al animal a estar seguro caminando y reforzar la musculatura trasera. Este refuerzo de la musculatura es muy importante en problemas articulares. Los diferentes ejercicios activos son:

  • Apoyo: la idea es que el perro tenga las patas delanteras más elevadas y apoye su peso en las traseras.
  • Trampolín: se deben subir en este objeto específico para fortalecer la musculatura posterior.
  • Slálom: igual que el obstáculo de agility, el perro debe pasar entre varias balizas en zigzag.
  • Hidroterapia: esta es uno de los ejercicios más recomendados para estos casos.

Existen más técnicas que pueden ayudar a recuperar la musculatura trasera y reducir el dolor, por ejemplo la fisioterapia, acupuntura o láser. Cada una depender´de la gravedad de cada caso.

Irene Martinez

Médica Veterinaria