¿Cuáles son los alimentos prohibidos para tu perro?

Hay varios alimentos que es preferible añadir muy de vez en cuando a la dieta de vuestro perro, pero hay otros que están totalmente prohibidos para ellos porque pueden causarle problemas graves para la salud y, algunos, incluso la muerte.

¿Cuáles son los alimentos prohibidos para nuestro perro y por qué?

Hay una serie de alimentos que debemos eliminar totalmente de la dieta ya que son tóxicos para los perros y pueden provocar múltiples efectos negativos en ellos. Entre estos destacan:

  • Aguacate: esta fruta considerada un superalimento para las personas contiene una toxina llamada “Pepsina” peligrosa para el perro. Los síntomas pueden variar desde problemas digestivos hasta dificultad respiratoria y aumento de la mucosidad pulmonar. La gravedad dependerá de la cantidad ingerida. Igualmente peligroso es el hueso central ya que al ingerirlo puede provocar obstrucción intestinal.
  • Café, Té y Chocolate: estos tres alimentos contienen metilxantinas, que es un tipo de alcaloide estimulante del sistema nervioso que además puede dañar los riñones y afectar a la musculatura lisa y estriada. Los síntomas más frecuentes después de la ingestión de estos alimentos son vómitos, diarreas y temblores. En el caso del chocolate, esta toxina es conocida con el nombre de teobromina y está en mayor porcentaje cuanto más puro sea el chocolate.
  • Xilitol: este edulcorante tan usado en los chicles sin azúcar y muchos otros productos light es muy nocivo para los perros. Entre los síntomas de intoxicación por xilitol encontramos vómitos, desorientación y convulsiones. Esto es debido a que produce una hipoglucemia rápida e intensa que además puede provocar insuficiencia hepática.
  • Alcohol: esta bebida, al igual que resulta nociva para humanos, también lo es para los perros. Puede provocar daños en el sistema nervioso e incluso la muerte.
  • Uvas u Pasas: aunque pueden contener algunos nutrientes beneficiosos, lo cierto es que algún componente de las uvas puede llegar a producir insuficiencia renal aguda en perros. Se desconoce el componente y la dosis para provocar esto, pero hay perros que con solo la ingestión de 6 uvas manifestaron síntomas. La parte más tóxica de las uvas sería la semilla. Tras su ingestión habría un aumento de la creatinina y el nitrógeno en sangre pudiendo desembocar en una insuficiencia renal. Entre los síntomas podemos observar letargia, vómitos y diarrea, poliuria, etc.
  • Nueces de Macadamia: estas nueces tienen un contenido alto en fósforo que puede provocar daño renal y además síntomas neurológicos como temblores, rigidez, convulsiones… Puede causar también vómitos y dolor abdominal. Aunque los síntomas son graves rara vez provoca la muerte del animal.
  • Masas Fermentadas: es tóxica cualquier masa que contenga levadura ya que en el estómago fermentará produciendo alcohol (también tóxico) y gases que darán lugar a un malestar abdominal agudo en el animal. Estos gases, en algunas razas de gran tamaño, pueden dar lugar a la dilatación y posterior torsión del estómago que puede llevar a la muerte del perro
  • Cebolla y Ajo: cebolla y ajo (y otras verduras relacionadas como puerros o cebolleta) contienen una sustancia que en el digestivo se degrada dando lugar a tiosulfatos. Este compuesto daña los glóbulos rojos provocando una anemia hemolítica grave que el perro. Entre los síntomas podemos encontrar: mucosas pálidas o amarillentas, orina turbia, pérdida de apetito y vómitos. Normalmente las intoxicaciones por estos alimentos ocurren por ingestión continuada. Pese a esto, el ajo ha sido objeto de muchos estudios por su poder antibiótico, antiparasitario…pero hay que tener en cuenta el beneficio-riesgo.
  • Huesos cocidos: al cocinarlos estos se astillan con más facilidad y pueden causar obstrucciones intestinales y otros problemas digestivos.
  • Azúcar Y Dulces: contribuye al aumento de peso y obesidad del perro pudiendo provocar diabetes, lo que dará lugar a cataratas (de ahí la creencia de que el perro se quedará ciego).

¿Qué hacer si mi perro ya ha ingerido alguno de estos alimentos?

Si de forma accidental vuestro perro ha comido alguno de estos alimentos prohibidos lo primero es mantener la calma, algunos de éstos necesitan una dosis muy alta o una ingestión continuada en el tiempo para producir síntomas, como es el caso de los dulces, ajo o cebolla. También hay que tener en cuenta el tamaño del perro, cuanto más peso más cantidad del tóxico hará falta para que provoque síntomas en el animal.

Sin embargo, otros alimentos pueden provocar síntomas aunque el animal no coma grandes cantidades, por ejemplo el xilitol que contienen los chicles sin azúcar, o el café o el alcohol. Es importante acudir lo antes posible a vuestro veterinario. Mientras se acude a consulta, y si estamos seguros de que nuestro perro ha ingerido alguno de estos hace menos de 1 hora, una opción es hacerle vomitar para evitar cuanto antes la absorción del tóxico, hay opciones para provocar el vómito en momentos de urgencia, pero siempre es recomendable acudir a consulta y determinar el beneficio riesgo de provocar el vómito.

También se puede recurrir al carbón activo para absorber el tóxico, pero se necesitan altas dosis para que el efecto sea adecuado.

Si el animal hace horas que ha ingerido el alimento se le debe mantener en observación, hablar con vuestro veterinario y acudir a él ante cualquier síntoma.

¿Qué alimentos le puedo dar a mi perro?

Hay en el mercado una gran gama y variedades de piensos y snacks naturales indicados para nuestro perro, pensados para que no les causen ningún problema. Aún así, hay muchos alimentos que podemos dar a nuestro compañero como premio o para completar otros tipos de alimentación como la dieta BARF, por ejemplo:

  • Carne;
  • Pescados, tanto azules como blancos;
  • Frutas: plátano, pera, manzana (cuidado con las pepitas), etc;
  • Verduras: espinacas, zanahorias, calabaza, patata… ;
  • Cereales: arroz (tanto blanco como integral), avena, entre otros.

Y existen también muchos otros alimentos de consumo más moderado como tomates, lácteos, pan, brócoli, hongos, etc.

Irene Martínez
Médica Veterinaria

La importancia de la socialización en cachorros

¿Por qué es tan importante?

Los problemas de conducta son, en muchas ocasiones, motivo de abandono. Esto se debe a que los cachorros no han recibido los correctos estímulos ni la suficiente interacción con el entorno ni con otros animales durante los 3-4 meses de vida, lo que ha dado lugar a que aparezcan problemas de conducta como agresividad o miedos. Esto se puede solucionar si, durante esos primeros meses de vida, el animal recibe la socialización adecuada.

¿Cuándo empezar con la socialización?

El período perfecto sería durante los 4 primeros meses de vida. Durante este tiempo es importante que el cachorro permanezca el máximo tiempo posible con la madre y sus hermanos. La madre le enseñará todo lo que necesita saber, por ejemplo:

  • Cuándo está mordiendo demasiado fuerte y hace daño.
  • Jerarquía.
  • Señales de calma.

Por otro lado, la interacción con los hermanos le ayudará también a saber cómo jugar con otros perros.

También hay que tener en cuenta la relación con humanos, otros animales y su entorno y sus posibles ruidos. En esta fase las experiencias negativas pueden marcar de por vida la personalidad del animal, pero la falta de experiencias también le va repercutir negativamente.

Pero si nos ceñimos a la práctica, muchas veces este período con madre y hermanos es imposible, ya sea porque los criadores quieren venderlos cuanto antes o porque, lamentablemente, se abandonan a animales de edad muy temprana, aquí es donde entramos en juego nosotros.

¿Cómo podemos favorecer nosotros esta socialización?

El problema principal a la hora de ofrecerle al cachorro una buena socialización es que a esa edad no dispone de un sistema inmune bien desarrollado, lo que le hace susceptible de enfermar debido a problemas infecciosos como moquillo o parvovirus. Siempre hay que valorar el beneficio riesgo y, lamentablemente, algunas de las razas que más necesitan de esta socialización son las más sensibles a virus como el de Parvovirus canino (Rottweiler, Pastor Alemán, American Staffordshire…). Esto es cierto, pero tampoco hay que encerrarlos en casa.

¿Qué podemos hacer entonces? Os dejo algunos consejos:

  • Intentar sacarlo de casa, simplemente en brazos.
  • Que escuche los ruidos a los que va a tener que enfrentarse día a día.
  • Que vea gente y que lo acaricien.
  • Intentar que se relacione con personas con diferente aspecto y vestimenta para que se acostumbre a cosas diferentes y nuevas.
  • Dejarlo pasear por zonas controladas de bajo riesgo y vigilar que no se acerque a orina o heces de otros perros.
  • Intentar que se relacione con perros. Si ya hay un perro en casa será un gran profesor para el nuevo miembro de la familia.
  • Si no hay más perros en casa intentar que se relacione con perros que sean de confianza y preguntar siempre si están correctamente vacunados.
  • Si el cachorro va a tener en un futuro interacción con otras especies, este es un buen momento para irle acostumbrando a diferentes animales.
  • Seguir un correcto plan vacunal para seguir con la socialización sin riesgo para nuestro cachorro ni para otros.

Una opción más segura: clases de socialización para cachorros.

Cada vez se están ofreciendo más clases para que cachorros interaccionen entre ellos, empezar el adiestramiento poco a poco y ayudar a prevenir problemas futuros de conducta.

Estas clases son una buena opción para socializar a tu perro ya que se trata de un entorno controlado donde el cachorro podrá interaccionar con perros, personas y conocer nuevos lugares. Además, se usan para ello perros sanos, sociables y vacunados.

Como veis, esta socialización es un elemento importantísimo para la vida del animal y está en vuestra mano ofrecérsela y conseguir el compañero ideal.

Irene Martínez

Médica Veterinaria

Será que a minha cadela está com o cio?

a minha cadela está com o cio

O que é o cio?

Caracteriza-se pela presença de um corrimento vulvar sanguinolento e é a altura em que a cadela se prepara para entrar no período fértil. As fêmeas da espécie canina são não sazonais, ou seja, não têm época do ano específica para entrarem em cio – têm o cio a cada 7 meses, normalmente.

 

Primeiro cio na cadela

As cadelas começam a ter o cio entre os 6 e os 24 meses de idade, sendo as cadelas de raça pequena mais precoces do que as de raça grande.

 

Tempo de duração de um cio e número de cios por ano

O cio na cadela tem a duração média de 3 semanas. O período interestro, ou seja, o intervalo entre cios tem a duração média de 7 meses (1 a 2 cios por ano).

 

“Sintomas” do cio na cadela

A maioria das cadelas pode passar pela época do cio sem ter qualquer tipo de alteração ou sinal clínico, à parte do corrimento sanguinolento que é visível na vulva. Contudo, algumas cadelas nesta fase:

  • Comem um pouco menos nesta fase (não chegam a comer a dose diária de ração recomendada);
  • Ficam menos ativas;
  • Procuram mais pela companhia e afeto do dono.

Como saber se a minha cadela está no cio?

Os donos conseguem facilmente perceber se a cadela está em cio quando notam o tal corrimento sanguinolento na vulva. Muitas vezes, começam a notar “pingunhas” de sangue pela casa. Para além disso, é normal que os donos notem que a cadela passa mais tempo a lamber a vulva – muitas vezes é este o “sinal de alarme” que indica que a época do cio chegou.

Em cadelas que não são castradas (e têm o cio), o dono pode sempre esperar que a cada 7 meses (em média) a cadela volta a entrar em cio.

É normal que na primeira semana do cio as cadelas rejeitem a interação com outros machos.

Altura ótima para engravidar?

A altura do estro é a única altura do ciclo em que a cadela se encontra fértil.
O cio, tal como é designado, é constituído por duas fases diferentes do ciclo: o proestro e o estro. No proestro, que dura cerca de 9 dias, a vulva da cadela apresenta um corrimento sanguinolento. Nesta fase o macho interessa-se pela fêmea, mas o oposto não acontece. Na fase que se segue, o estro, que tem igualmente a duração média de 9 dias, ainda pode haver a presença de corrimento sanguinolento e a fêmea já aceita o macho. A fêmea ovula e é capaz de ficar gestante caso seja inseminada ou apresentada ao macho para que ocorra monta natural.

A altura ótima para engravidar pode ser prevista com a ajuda do veterinário, através da realização de citologias vaginais e doseamento de progesterona sanguínea.

 

São necessários cuidados especiais durante a época do cio?

Caso as fêmeas convivam com machos não castrados, é necessária alguma atenção durante esta altura. Convém mantê-los separados na época do proestro  (início do cio) uma vez que o macho vai tentar montar a fêmea e esta não vai aceitar e, posteriormente, cuidado no estro (fase seguinte) caso não seja desejado que a cadela engravide.

Após o cio, durante o diestro, a ocorrência de piómetras (infeções uterinas) aumenta significativamente. Especial atenção para os principais sinais clínicos: perdas de apetite, apatias e aumentos no consumo de água e quantidade de urina produzido.

 

Que soluções existem para que as cadelas não ciclem?

A melhor solução é a realização de esterilização (castração) das fêmeas, que consiste na retirada do útero e dos ovários. Uma vez castradas, as fêmeas deixam de ter aparelho reprodutor e consequentemente não ciclam e deixam de ter o cio. Para além de prevenção de cio, a castração previne igualmente o aparecimento de tumores mamários.

Existem outras opções, menos aconselhadas, para interrupção do cio. Consistem na toma de “pílulas”, que contêm hormonas (progesterona). Há estudos que demonstram que a utilização destes fármacos em cadelas aumenta significativamente a incidência de tumores de mama.

 

Saiba aqui quais os prós e contras da esterilização/castração.

Daniela Leal
Médica Veterinária 

Cataratas nos cães: como identificar?

Cataratas em cães. Sintomas e tratamentos

 

O que são?

As cataratas caracterizam-se pela opacificação do cristalino (ou lente), uma estrutura ocular transparente responsável pela acomodação visual. A opacificação da lente impede a passagem de luz até à retina, estrutura do olho responsável pela perceção das imagens, fazendo com que os animais percam a capacidade visual.

 

Qual a prevalência em cães?

Os casos de cataratas em cães têm sido cada vez mais prevalentes. Aparecem com mais frequência em animais mais velhos. É muito frequente o aparecimento em cães diabéticos, principalmente naqueles em que a diabetes não está controlada.

 

Porque aparecem as cataratas?

Sabe-se que existem mutações genéticas hereditárias responsáveis pelo aparecimento primário de cataratas, havendo algumas raças predispostas. Caniche, Beagle, Cocker Spaniel, Bichon Frise, Labrador e Cavalier King Charles são algumas das raças identificadas. Ocorrem ainda secundárias a patologias como a diabetes, patologias oculares como o glaucoma e a uveíte anterior, traumas, intoxicações e dietas alimentares não equilibradas. Em animais geriátricos as cataratas podem desenvolver-se como sendo parte de um processo de envelhecimento, designando-se neste caso como catarata senil.

 

Como prevenir o aparecimento e progressão deste problema?

É importante tratar a causa primária, quando possível (tratar a diabetes, por exemplo). As cataratas em fase inicial – cataratas imaturas – na maioria das vezes não comprometem a visão do animal, contudo a “cirurgia às cataratas” deve ser pensada já nesta altura como meio de prevenir a evolução da patologia, que pode levar à cegueira e ao dano das restantes estruturas intra-oculares.

Existem ainda suplementação diária que ajuda à nutrição do cristalino, prevenindo a evolução das cataratas.

 

Quais os sinais clínicos?

Os animais com cataratas maduras manifestam algumas dificuldades visuais, e vão muitas vezes contra objetos. Visualmente os donos conseguem notar uma coloração esbranquiçada no olho do animal, em casos de cataratas avançadas.

 

O que fazer se desconfiar que o meu cão tem cataratas?

Deve ser marcada uma consulta de oftalmologia junto do veterinário. Uma vez diagnosticadas as cataratas, o veterinário descartará causas secundárias para o seu aparecimento e avaliará a possibilidade de realização de cirurgia.

 

Existe tratamento para as cataratas?

O tratamento é cirúrgico, através da remoção do cristalino opacificado. Os cães mantêm a sua capacidade visual sem o cristalino/lente, contudo pode optar-se pela colocação de uma lente intra-ocular.

Daniela Leal
Médica Veterinária de Animais de Companhia

O que é a Cardiomiopatia Dilatada (CMD)?

Devido à falta de força de contração do miocárdio, e com o objetivo de compensar o débito cardíaco, as câmaras cardíacas vão aumentando de tamanho ao longo do tempo.
A patologia surge principalmente em cães de raça grande entre os 4 e os 10 anos. Os machos têm uma predisposição maior para desenvolver a doença comparativamente com as fêmeas.

 

Predisposição racial

Cães de raças gigantes são os mais afetados. Está descrita especial incidência da patologia nas seguintes raças: Doberman, Dogue Alemão, São Bernardo, Boxer, Dálmata e Galgo Afegão. A raça Doberman é a mais predisposta, estando descrito o envolvimento genético e hereditário para o aparecimento da CMD nesta raça.

 

Como suspeitar da existência de CMD?

Cansaço durante o exercício, tosse (principalmente à noite), fraqueza, palidez das mucosas, desmaio, aumento da frequência cardíaca e da frequência respiratória.

 

Como pode ser feito o diagnóstico?

À auscultação cardíaca pode ser ouvido um sopro cardíaco e o eletrocardiograma pode apresentar alterações no traçado. O exame físico geral pode revelar alterações no pulso, na cor das mucosas, no batimento cardíaco e na frequência respiratória.
O diagnóstico é feito através da realização de ecocardiografia – exame ecográfico ao coração.

 

É uma patologia tratável?

É uma patologia que requer tratamento, conforme o estadio da doença. Contudo, a instituição do tratamento (medicação diária através de comprimidos) não é com vista à cura – é com o objetivo de fornecer o suporte médico para ajudar o coração a funcionar melhor. A melhoria dos sinais clínicos e o atraso na evolução da doença são os principais objetivos a alcançar.

 

Visitas regulares ao veterinário?

Sim! Assim que a patologia esteja controlada, são necessários check-ups a cada 2/3 meses, acompanhados de análises ao sangue. A ecocardiografia deve ser repetida de 6 em 6 meses, ou em períodos mais curtos, dependendo de caso para caso.

 

Que cuidados a ter no dia-a-dia com cães diagnosticados com CMD

Passeios curtos, diminuição dos episódios de excitação, medição frequente (conforme indicado pelo Médico Veterinário responsável pelo caso) da frequência respiratória em repouso, bem como da frequência cardíaca.

 

Prognóstico

É reservado a mau. Quando os animais são diagnosticados em episódios de falha cardíaca, a esperança média de vida é de 3-6 meses.
Contudo, o diagnóstico precoce da patologia pode prolongar bastante a esperança média de vida – cerca de 30% dos cães têm uma esperança média de vida de 2 anos. Os avanços na medicina e nos fármacos utilizados na CMD têm evoluído bastante e o tempo de vida dos animais tratados tem sido cada vez maior.

Daniela Leal
Médica Veterinária de Animais de Companhia

Cão com diarreia, o que devo fazer?

O meu cão tem diarreia o que devo fazer?

A diarreia surge por diminuição da consistência das fezes, consequência do aumento de água no lúmen intestinal. A cor das fezes pode estar alterada (pode tornar-se amarela, verde ou preta) ou manter-se na cor normal (castanho).

 

Que tipos de diarreia existem?

A presença de diarreia indica a existência de alterações a nível intestinal, provocadas quer por problemas gastrointestinais locais primários quer por alterações sistémicas que interferem no funcionamento intestinal. O tipo, a cor, a consistência e a frequência da diarreia diferem conforme a zona gastrointestinal afetada.

  • Alterações no intestino delgado: quantidade das fezes muito abundante, com frequência de defecação normal, normalmente associadas a vómitos e perda de apetite;
  • Alterações no intestino grosso: quantidade das fezes diminuída, frequência de defecação aumentada, dificuldade a defecar, normalmente acompanhadas de muco e sangue vivo.

 

Quais as causas mais frequentes de diarreia?

 

O que deve ser tido em atenção por parte dos donos quando o cão desenvolve diarreias?

Perceber se o problema é agudo e se é o primeiro episódio ou se já é um problema crónico (que tem vindo a acontecer com alguma frequência) e se existiram situações de stress ou imunossupressão, história de indiscrição alimentar (o animal ingeriu corpos estranhos, comida fora da alimentação habitual), mudança de alimentação, possíveis intoxicações ou aparecimento de parasitas nas fezes. É importante perceber também se existem diminuições de apetite, prostração ou vómitos associados.

É essencial transmitir todas estas informações ao médico veterinário.

 

Qual o passo a seguir? O que fazer?

  • Evitar dar qualquer tipo de medicação sem consultar um médico veterinário;
  • Não dar “extras” fora das refeições habituais do cão. Alguns animais respondem de forma positiva à alimentação de arroz com frango (ambos cozidos em água);
  • Verificar se as desparasitações internas estão em dia.

 

Deve optar-se por levar o cão à consulta veterinária?

Sim. Especialmente se o cão for cachorro ou geriátrico. Isto porque, mesmo tratando-se de um cão adulto saudável, e mesmo havendo a suspeita de uma causa lógica de diarreia que à partida pode não ser grave, muitas das vezes é necessário instituir tratamento para regular a flora intestinal e, dessa forma, travar a diarreia.

Daniela Leal
Médica Veterinária de Animais de Companhia

O meu cão não pára de vomitar! O que faço?

O meu cão não pára de vomitar! O que devo fazer?

O vómito consiste na expulsão de conteúdo gástrico acompanhado de movimentos abdominais e náuseas antes da expulsão.

Surge quer por distúrbios na motilidade, obstrução ou inflamação do trato gastrointestinal. Pode ainda ser induzido por causas extra-gastrointestinais capazes de estimular o centro do vómito. Pode apresentar várias etiologias.

 

Tipos de vómito

Os vómitos podem ser agudos ou crónicos. Podem vir acompanhados de comida digerida, de bílis ou de sangue.
O tipo de vómito apresentado pelo animal pode ajudar o médico veterinário a perceber qual a etiologia do vómito, contudo nenhum tipo de vómito é específico de nenhuma patologia e, como tal, muitas vezes são necessários exames complementares (análises de sangue, radiografia, ecografia abdominal e, em certos casos, endoscopia) para perceber qual a causa do sinal clínico.

Que etiologias podem causar episódios de vómito?

  • Indiscrição alimentar (incluindo alterações bruscas na dieta);
  • Ingestão de corpos estranhos (como brinquedos, ossos de carne ou peças de roupa);
  • Ingestão de substâncias tóxicas/drogas;
  • Intolerâncias alimentares;
  • Infeções víricas e bacterianas com tropismo intestinal;
  • Neoplasias, doenças infeciosas, alterações renais, pancreáticas, hepáticas, neurológicas, endócrinas (como diabetes), entre outras.

 

O que o proprietário deve fazer perante uma situação de vómito?

Um vómito esporádico pode ser normal e estar associado a causas não patológicas, como a mudança repentina da alimentação ou a ingestão de plantas. Por outro lado, situações de vómito com sangue, vómito agudo associado a prostração e anorexia, vómito crónico ou vómito persistente requerem que o animal seja visto por um médico veterinário o quanto antes.
Caso o proprietário presencie a ingestão de corpos estranhos (brinquedos, pedras, peças de roupa, etc.) ou de substâncias tóxicas, é aconselhado que o animal seja consultado de urgência, mesmo que ainda não tenham surgido sinais clínicos.

 

Especial atenção para o vómito em cachorros e em animais mais velhos

  • Em cachorros o vómito apresenta especial importância, principalmente se associado a prostração. Os cachorros são suscetíveis a infeções víricas (parvovirose, p.ex.) e bacterianas, podendo ser o vómito um dos primeiros sinais clínicos. Como os cachorros têm uma imunidade reduzida e podem, em situações de vómitos e diarreias, desidratar rapidamente, é aconselhável que ao primeiro sintoma sejam vistos pelo médico veterinário;
  • Em animais mais velhos o vómito pode vir associado a patologias mais graves, que começam a aparecer com mais frequência à medida que a idade avança. Ainda que o animal não esteja prostrado e continue a comer dentro da normalidade, a ida à consulta, apesar de não ser uma emergência, não deve ser adiada.

Daniela Leal
Médica Veterinária de Animais de Companhia

Polidipsia e poliuria em cães: causas e sintomas

O meu cão bebe muita água é normal

Como saber se a quantidade que o cão bebe é excessiva?

O aumento da ingestão de água (mais do que 10% do peso por dia) designa-se por polidipsia e, nestas situações, considera-se que o cão está a beber água em excesso. Deve contabilizar-se a quantidade de água em litros consumida pelo cão em 24 horas (medindo a quantidade de água que se põe na taça, enchendo sempre que ficar vazia). Se um cão de 10 kg beber 1,5 litros em 24 horas, significa que está a beber 15% do seu peso corporal e já se considera que está a ingerir água em excesso. Nestes casos, deve ser feito um check-up veterinário para perceber se há alguma causa patológica a provocar o aumento de ingestão.

Em média, os cães bebem cerca de 50ml por 1kg de peso corporal, sendo normais ligeiras diminuições ou aumentos em relação a este valor.

Quais as principais causas de polidipsia nos cães?

Existem causas fisiológicas e causas patológicas que podem levar ao aumento da ingestão de água. As fisiológicas incluem, sobretudo, o calor, o exercício físico e a ingestão de ração seca. As causas patológicas vêm frequentemente associadas a poliúria (aumento da quantidade de urina) e são mais frequentes em cães sénior.

 

As causas mais frequentes incluem:

  • Infeções urinárias;
  • Piómetras (infeções uterinas em cadelas não castradas);
  • Diabetes;
  • Insuficiência renal;
  • Insuficiência hepática;
  • Doenças endócrinas.

 

A “polidipsia canina” surge, na maioria das doenças, secundária a “poliúria canina” porque, como os animais perdem urina em excesso, precisam de repor o nível de hidratação e ingerem mais água que o normal. Existem, contudo, patologias que provocam polidipsia primária – são mais raras e, na maioria das vezes, motivadas por alterações psicológicas e comportamentais. O diagnóstico passa pela exclusão de todas as causas de polidipsia secundária a poliúria.

 

Como saber se o meu cão está com poliúria?

A poliúria em cães velhos pode ser confundida com incontinência urinária. Como os cães com poliúria produzem uma grande quantidade de urina por dia, muitas vezes acabam por urinar em casa. A diferença está na quantidade de urina produzida: cães incontinentes vão largando pequenas quantidades de urina enquanto cães com poliúria fazem grandes quantidades de urina, várias vezes ao dia.

 

E o diagnóstico?

Os exames complementares para o diagnóstico da patologia que está a causar os sinais clínicos podem ser extensos. Inicialmente é necessário realizar análise de urina, avaliar os parâmetros hepáticos e renais no sangue e realizar ecografia abdominal. Consoante as alterações encontradas, os exames diagnósticos serão reorientados.

 

Em caso de suspeita de polidipsia com ou sem poliúria, é urgente consultar um Médico Veterinário?

Uma vez que as causas de polidipsia e poliúria são bastantes, algumas das quais comprometem a saúde do animal, deve consultar o Médico Veterinário o quanto antes (principalmente se surgirem outros sinais clínicos associados).

Daniela Leal
Médica Veterinária de Animais de Companhia

O meu cão baba-se muito, porquê?

o meu cão baba-se muito

O que é a hipersalivação?

Caracteriza-se por um aumento na quantidade de saliva produzida.

 

Porque há mais quantidade de saliva?

O excesso de saliva excretada ocorre ou por um aumento de produção ou por dificuldade de deglutição da mesma.

 

Como diferenciar o que é normal do que é patológico?

Perceber se há dificuldade em deglutir a comida, se há apatia ou perda de peso que podem indicar causas patológicas para a ocorrência de hipersalivação. É importante diferenciar se o início da salivação foi agudo e nunca tinha ocorrido anteriormente ou se, pelo contrário, já é comum que o cão se babe com frequência.

 

Quais as raças que estão mais predispostas à hipersalivação?

Essencialmente raças braquicefálicas (Bulldog, Boxer, Dogue de Bordeaux, Bulmastife), dada a conformação da boca, e raças com lábios muito pendentes (Dogue Alemão, Terra Nova, São Bernardo).

 

Quais as causas que podem estar na origem da hipersalivação?

Causas fisiológicas:

  • Aumento da temperatura corporal (hipertermia);
  • Interesse pela alimentação;
  • Problemas conformacionais da boca e lábios (raças braquicefálicas).

 

Causas patológicas:

  • Enjoo/náusea;
  • Tomas de medicação;
  • Dor;
  • Intoxicação;
  • Presença de corpos estranhos orais;
  • Patologias inflamatórias das gengivas, da faringe e do esófago;
  • Patologias infeciosas;
  • Patologias neuromusculares e de inervação que afetam a deglutição de saliva.

 

O cão deve ser levado ao veterinário?

Se a salivação for aguda e associada a outros sinais clínicos, ou se o proprietário verificou a ingestão de algum tóxico que tenha provocado quadro agudo de salivação, é emergente levar o cão ao veterinário.

Se a hipersalivação é já frequente e crónica, mas caso o animal não esteja dentro das raças cuja conformação é predisposta a este tipo de manifestação, convém assim que possível que o cão seja visto pelo médico veterinário.

Daniela Leal
Médica Veterinária de Animais de Companhia

O meu cão tem excesso de peso. Está obeso?

A obesidade é caracterizada pelo excesso de peso. Existem animais mais predispostos a engordar do que outros, dependendo do seu metabolismo. A obesidade prejudica não só o bem-estar do animal, mas também a sua saúde, tornando-os propensos a patologias como as ortopédicas e diabetes, entre outros.

Obesidade – predisposições

Sabe-se que cães castrados estão mais predispostos a sofrerem de obesidade, condição que deve ser controlada com o tipo de alimentação que é fornecida. O fornecimento de comida em excesso tendo em conta as necessidades calóricas para o peso e a falta de exercício físico aumentam as probabilidades de um animal se tornar obeso.

Como identificar a obesidade num cão?

O peso por si só não é suficiente para classificar um cão como obeso. O essencial é identificar acumulações de tecido adiposo (gordura), em locais como o abdómen e a parede torácica. É importante que o Médico Veterinário, na abordagem ao paciente obeso, descarte doenças como o hipotiroidismo e o hiperadrenocorticismo (condições que predispõem ao ganho de peso).

Planos de perda de peso

Devem ser definidos junto do Médico Veterinário.

Antes de mais, é importante realizar um exame físico e realizar uma história alimentar.

Tendo em conta a dose diária de calorias ingerida pelo animal, o Médico Veterinário pode propor diminuir a ingestão calórica em 20-40%. Tudo depende do peso atual do animal e da meta a atingir, sendo que o aporte de calorias necessária à manutenção diária do animal deve ser garantido.

A proporção de hidratos de carbono e de gordura presentes na ração deve ser reduzida. Para aumentar a saciedade, a quantidade de fibra incorporada na ração deve aumentar. A proteína deve ser a principal fonte de energia, importante para manter a massa muscular magra.

Dividir a refeição diária por várias tomas e incluir um aumento da atividade física são ações que devem fazer parte do plano de perda de peso. O dono deve evitar fornecer snacks e comida extra, fora das refeições.
Todo o processo deve ser acompanhado com ajuda veterinária, cada 2-4 semanas.

A importância da alimentação

Um cão deve ser alimentado tendo em conta as suas necessidades basais. A energia metabolizável ingerida por dia deve ser a ótima para manter um peso ótimo, tendo em conta a estrutura do animal. Rações de melhor qualidade estão indicadas para evitar aumentos de peso.
Em cães obesos com os quais se está a levar a cabo um programa de perda de peso, a opção ideal é a escolha de uma ração própria para perda de peso.

Daniela Leal
Médica Veterinária de Animais de Companhia