6 tipi di frutta che il tuo cane puó mangiare (e quelli che deve evitare!)

Che frutta posso dare al mio cane?

Ci sono diversi frutti che sono sicuri per i cani, essendo inclusi nella formulazione di diverse crocchette, grazie al loro alto contenuto di vitamine, minerali, caroteni e fibre. 6 esempi di questa tipologia sono: mela, banana, pera, pera, pesca, anguria e mango. Questi frutti devono essere dati a pezzettini o a fette o anche schiacciati. Nei giorni caldi, possono essere congelati e somministrati come “spuntino rinfrescante e salutare”.

 

Come posso dare questi frutti al mio cane?

Anche se i cani possono mangiare i 6 frutti indicati sopra,  la verità è che è necessario prendere alcune semplici precauzioni: 

 

  • Precedente rimozione dei semi e dei noccioli: non si devono mai dare i noccioli ai cani, perché oltre al pericolo di creare lesioni lungo il tratto gastrointestinale e di causare possibili ostruzioni, sono anche ricchi di sostanze potenzialmente tossiche, come nel caso del cianuro.
  • Quantità fornita: i frutti sono un apporto calorico supplementare rispetto alle crocchette, essendo abbastanza ricchi di zuccheri, che possono nuocere alla salute del tuo cane, se dati in eccesso. La regola di base, trasversale a qualsiasi “spuntino”, è che non deve rappresentare più del 10% delle calorie ingerite previste per la giornata.

 

Quali sono i “frutti proibiti”?

Ci sono alcuni frutti che mettono a rischio la salute dei nostri cani. 2 esempi sono l’uva che può causare insufficienza renale e l’avocado, che contiene una sostanza chiamata “persina”, che provoca vomito e diarrea. Gli agrumi, come l’arancia e il limone, anche se non sono tossici, vanno evitati, perché aumentano l’acidità gastrica, e possono provocare infiammazione dello stomaco (gastrite), soprattutto negli animali più sensibili.

Olhos vermelhos em cães: quais são as principais causas?

Como notar o problema?

Quando nos referimos a olhos vermelhos em cães, é importante distinguir em que zona do olho é que é notada a vermelhidão:

  • Na conjuntiva: a conjuntiva, presente no interior da pálpebra superior e inferior, tem uma cor rosada. Em patologias oculares (conjuntivites e não só) esta zona pode ficar hiperémica (muito vermelha).

 

  • Na esclera: a esclera é a zona branca do olho. Em algumas patologias oculares, notamos que esta zona se encontra com os vasos sanguíneos ingurgitados.

 

  • Na câmara anterior (“zona interior do olho”): neste caso, olhamos para o patudo e vemos que o interior do olho, por trás da córnea (zona transparente do olho), está vermelho. Por vezes, em situações mais graves (como trauma ocular), podemos mesmo ver uma acumulo de sangue nesta zona.

Conseguimos notar o problema – olhos vermelhos – observando de perto o olho do patudo. Perante qualquer uma das situações é importante que o animal seja visto em consulta pelo médico-veterinário.

Quais as possíveis causas?

 

  • Conjuntivite – A conjuntivite é a inflamação da conjuntiva (zona interior das pálpebras, que se encontra muito vermelha nestes casos). Pode ter várias causas subjacentes, como infeções bacterianas ou víricas ou até causas alérgicas. É uma causa bastante comum de “olho vermelho” nos cães.

 

  • Úlcera de córnea – A úlcera de córnea em cães é uma lesão na córnea (zona transparente do olho), provoca inflamação (queratite) e podendo deixar a conjuntiva hiperémica (vermelha).

 

 

  • Glaucoma – Caracterizado pelo aumento da pressão intraocular, pode provocar “olhos vermelhos” em cães. Cães com glaucoma agudo podem apresentar os vasos oculares (episclerais e conjuntivais) bastante congestionados, conferindo ao olho um aspeto muito vermelho.

 

  • Uveíte – Caracterizada por uma inflamação da úvea (uma estrutura ocular), a uveíte pode ter diversas causas na sua origem (trauma ocular, patologias sistémicas, neoplasias oculares, etc.). Cães com uveíte podem apresentar os vasos sanguíneos oculares ingurgitados e a conjuntiva muito vermelha (hiperémica).

 

  • Trauma ocular – Qualquer trauma ocular pode provocar alterações no olho, deixando-o muitas vezes com a conjuntiva muito vermelha e até com hemorragia no interior do olho, que surge devido à lesão ocular.

Como diagnosticar e tratar?

O tratamento dos olhos vermelhos em cães vai depender da causa do problema. Através da história clínica e do exame oftalmológico e, por vezes, recorrendo a exames complementares de diagnóstico, é possível encontrar a causa por trás do sinal clínico notado pelo proprietário.

Patologias como conjuntivites bacterianas são normalmente simples de tratar, e têm uma recuperação rápida, enquanto que patologias como o glaucoma podem ter um prognóstico mais reservado (dependendo do tipo de glaucoma) e necessitam de acompanhamento contínuo.

Daniela Leal

Médica Veterinária