Dermatofitose ou tinha. O que é?

O que é a tinha?

É uma infeção cutânea provocada por um fungo que pode afetar a pele, pêlos e unhas. O Microsporum canis é o principal responsável por causar dermatofitose nos cães.

Como se transmite? É contagioso?

É uma doença muito contagiosa não só para os animais, como também para as pessoas – zoonose.

A sua transmissão pode ocorrer pelo contato direto com animais doentes, mas também pelo ambiente – pelo contato com os pêlos e detritos celulares como crostas e descamação da pele ou através de objetos contaminados como as camas, mantas, escovas, pentes, etc.

Existem factores predisponentes para a dermatofitose?

Há um maior número de casos reportados em animais jovens, animais com as defesas imunitárias diminuídas e em gatos de pêlo longo. Parece ainda haver uma predisposição racial em cães Yorkshire e Jack Russel, assim como também nos gatos Persas.

Quando devo suspeitar que meu cão tem tinha? Quais são os sintomas?

Os principais sintomas que o cão pode apresentar são:

  • lesões circulares de alopécia (falta de pêlo) com um anel vermelho em redor
  • descamação (caspa)
  • eritema (vermelhidão)
  • pode ou não ter prurido (comichão)
  • hiperpigmentação (pele mais escura)
  • pápulas (borbulhas)

Estas lesões podem ser localizadas, multifocais ou generalizadas.

Como é diagnosticado?

Existem várias técnicas, como:

  • Lâmpada de Wood – permite identificar zonas contaminadas com o fungo através do aparecimento de fluorescência, no entanto os falsos-positivo e falsos-negativo são comuns;
  • Tricograma – visualização dos pêlos ao microscópio;
  • Cultura fúngica – DTM é o método mais fiável.

Qual o tratamento?

O tratamento da dermatofitose canina pode ser dividido em:

  • Tratamento local: deve ser realizado em todos os casos de dermatofitose, recorrendo-se ao uso de champôs e pomadas antifúngicas. Antigamente recomendava-se tosquiar o animal mas atualmente sabe-se que pode ser prejudicial, uma vez que a lâmina pode ferir a pele do cão, que já está fragilizada devido à presença dos fungos.
  • Tratamento sistémico:  está indicado nos casos em que as lesões são multifocais, em cães com pêlo comprido; animais que vivem em ambientes de múltiplos animais; e/ou quando não há uma resposta satisfatória a uma abordagem tópica.  O tratamento sistémico consiste numa terapia antifúngica por via oral que irá atuar nos folículos pilosos e ajudar na eliminação do fungo.

Em qualquer um dos tratamentos (local Vs sistémico), as melhorias vão demorar a surgir, sendo comum que os tratamentos se prologuem durante várias semanas. Considera-se que o cão está curado após 2-3 resultados negativos em culturas fúngicas com intervalo de 15 dias.

 

Devo ter cuidados especiais uma vez que se trata de uma doença contagiosa?

Sim, como é uma doença fúngica transmissível a animais e pessoas deverá ter cuidados especiais para evitar a sua propagação, tais como:

  • Pode ser necessário isolar o cão – este continua a ser uma fonte de contágio pelo menos 3 semanas após iniciar o tratamento;
  • Evitar o contato com crianças;
  • Evitar contato com outros animais (atenção aos gatos, podem ser portadores assintomáticos);
  • Usar luvas descartáveis e higienizar as mãos após contato com o animal;
  • Objetos contaminados como camas, mantas, escovas devem ser eliminados, na impossibilidade de serem destruídos ou removidos deverão ser lavados a mais de 40oC com uma solução desinfetante.
  • Limpeza com solução desinfetante (lixívia) no local onde animal se encontra.

 

Sara Alves

Médica Veterinária de Animais de Companhia

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *