O que é uma alimentação funcional?

Hoje em dia, é do conhecimento geral que os cães promovem um benefício na saúde emocional e física dos humanos, sendo fundamentais nas suas vidas! Desta forma, a preocupação com os patudos tem sido crescente e a procura por uma melhoria na sua alimentação, saúde e bem-estar é notória. Lembre-se que eles são elementos da família!

A importância do exercício físico, acompanhamento Médico-Veterinário e alimentação são cruciais para prevenir problemas de saúde.

Mas afinal o que é uma alimentação funcional?

Alimentação funcional engloba um novo conceito: dieta que inclui ingredientes que desempenham um papel funcional e benéfico na saúde dos nossos animais!

Os ingredientes considerados funcionais são aqueles que promovem a saúde dos animais, sendo fonte de nutrientes essenciais como as vitaminas, minerais, água, proteínas, hidratos de carbono e gorduras. Estes componentes da dieta modificam a fisiologia do trato gastrointestinal, promovem alterações nos parâmetros bioquímicos, melhoram as funções do cérebro e reduzem o risco de desenvolver patologias específicas.

Compreender os benefícios nutricionais de uma alimentação funcional é a chave para promover uma dieta saudável nos nossos patudos.

As dietas funcionais englobam, não só rações fisiológicas e terapêuticas (secas e/ou húmidas), como também alimentos caseiros cozinhados ou BARF.

Atenção: aconselhe-se sempre junto do seu Médico Veterinário habitual, sobre a melhor opção de alimentação para o seu patudo!

Que ingredientes são considerados funcionais?

  • Pré-bióticos: são fibras fermentadas pelas bactérias que habituam no intestino dos cães. Os produtos que se formam durante o processo de fermentação ajudam a criar um ambiente saudável e adequado para a flora intestinal benéfica se manter. É essa “flora intestinal benéfica”, a responsável pela saúde do sistema gastrointestinal dos cães.
  • Fibras: podem modificar a flora intestinal, favorecendo o crescimento das bactérias benéficas (não patogénicas) do intestino. Melhoram ainda o nível de saciedade e a excreção fecal, acelerando o esvaziamento gástrico e reduzindo a duração do trânsito intestinal. Demonstram-se também úteis em baixar os níveis de colesterol sanguíneos.
  • Pró-bióticos: são bactérias vivas que podem ser adicionadas à dieta, com o intuito de beneficiar a flora intestinal saudável, permitindo que a sua população seja controlada e estabilizada. Dessa forma, promovem a resistência do trato gastrointestinal ao crescimento de bactérias indesejadas e patogénicas.
  • Condroprotetores: a glucosamina e condroitina são ingredientes essenciais no suporte articular, pois favorecem a lubrificação e nutrição das cartilagens.
  • L-carnitina: nutriente que ajuda a transformar a gordura em energia, tornando-se importante na manutenção do peso dos patudos.
  • Anti-oxidantes: por exemplo, a vitamina E e os carotenóides impedem a oxidação e envelhecimento celular, e estimulam o sistema imunitário.
  • Ácidos gordos: consideramos o ómega 3 e o 6, presentes em óleos vegetais (linhaça e girassol) e óleos de origem animal (óleo de salmão). Além de integrarem a cadeia de regeneração da pele e do pêlo, estimulando a saúde dermatológica, têm ação anti-inflamatória natural.

Ana Matias

Médica Veterinária

Como escolher snacks para o seu cão?

Os snacks e as “guloseimas” são formas de tornar a alimentação um pouco mais interessante e tentar “variar” ligeiramente daquela que deve ser uma dieta constante e que deve ser a base da nutrição dos nossos patudos.

Mas a escolha do tipo de snack também é importante!

Antes demais, é importante ter em conta que os snacks devem ser oferecidos com moderação e como complemento a uma dieta rica e balanceada 😊

Se ocasionalmente der snacks ao seu cachorro, estes nunca devem representar mais de 10% da alimentação total do seu cão para evitar perturbar o valor nutricional de uma ração equilibrada.

Se por exemplo, o nosso patudo está em treino, pode ser preferível usar grãos da sua própria ração ao invés de snacks, para garantir que não excedemos o máximo recomendado diário.

Como escolher snacks:

  • Deve introduzir um snack de cada vez na sua alimentação e nunca misturar vários ao mesmo tempo. Desta forma vai conseguir perceber se o patudo se adapta a ele ou não, ou se lhe causa alguma alteração gastrointestinal.
  • Pode optar por snacks comerciais prontos a consumir, ou por produtos mais naturais: pedaços de frutas, cortados em pequenos pedaços e sempre sem caroços também podem ser ótimos snacks.
  • Recomenda-se ter uma lista em casa de alimentos tóxicos para os cães para que estes nunca sejam erradamente introduzidos como snacks. Pode ler sobre alguns destes alimentos tóxicos neste artigo.
  • Evite formulações ou ingredientes que saiba previamente que o seu animal reage mal ou apresente alergias.
  • Evite pedidos de comida à mesa e de petiscos

Aproveite para dar os snacks favoritos como recompensa por bom comportamento e torne o treino num momento divertido 😊

Helena Ferreira

Médica veterinária de Animais de Companhia

As vitaminas mais importantes para um cão saudável

Os suplementos são, hoje em dia, bastante falados para ajudar os nossos cães a estarem mais saudáveis. O mais importante de tudo é saber se o seu cão precisa ou não de suplementação vitamínica e qual!

O que são as vitaminas?

As vitaminas são nutrientes e compostos orgânicos indispensáveis para a manutenção do organismo de qualquer animal. Normalmente, apenas são necessárias em pequenas quantidades, mas a sua falta (hipovitaminose) pode levar a sérios problemas de saúde, bem como o seu consumo em excesso (hipervitaminose).

Quais as vitaminas mais importantes?

Cada vitamina tem uma função específica no metabolismo dos cães.

As mais importantes são:

Vitamina A – importante para a visão, crescimento, manutenção da pele e regulação hormonal;

Vitaminas do complexo B

  • Vitamina B1 – importante para o funcionamento do sistema nervoso
  • Vitamina B2 – importante no metabolismo das proteínas e gorduras
  • Vitamina B3 – importante no metabolismo das proteínas
  • Vitamina B6 – importante no metabolismo das proteínas, gordura e ferro
  • Vitamina B12 – essencial para a produção de hemoglobina, no metabolismo das proteínas e na absorção dos nutrientes

Vitamina D – essencial para a absorção do cálcio;

Vitamina E – tem o papel de antioxidante no organismo;

Vitamina K – um dos fatores de coagulação.

Em que situações é necessário suplementar?

Sempre que existe um caso de hipovitaminose é necessário ser realizada a suplementação. Esta situação deve ser diagnosticada através de análises que comprovam a falta da vitamina e em que níveis está.

Além dessa situação, animais com alguma patologia ou seniores, pode ser prescrita vitaminas para ajudar no tratamento da patologia ou para melhorar a qualidade de vida do cão.

O meu cão é saudável, precisa de suplementação vitamínica?

Os cães saudáveis que fazem uma alimentação com uma ração completa de qualidade e comendo a dose recomendada diária, em princípio não necessitaram de nenhuma suplementação.

Antes de iniciar qualquer suplementação, consulte sempre o seu médico veterinário.

Inês Santos

Médica Veterinária

Muffins saudáveis para o seu cão

Para esta receita de muffin irá precisar dos seguintes ingredientes:

  • 1 ovo;
  • 150gr de carne picada (poderá ser frango, bovino ou porco, de acordo com a sua preferência);
  • 50 gr de bróculos;
  • 100gr de batata doce;
  • 1 colher de sopa de farinha de aveia.

Comece por cozer os bróculos e a batata doce. Depois de escorrer muito bem a água, triture os dois ingredientes e reserve. Bata o ovo. Junte ao ovo a carne picada e envolva. Junte também a mistura de batata e bróculos cozidos e misture tudo. Por fim, adicione a farinha de aveia para dar mais consistência à mistura. Coloque em formas próprias para o efeito e coloque no forno a 180º durante cerca de 30min. Está pronto para o seu patudo se deliciar!

Atenção que esta receita deverá ser usada apenas como petisco e não como base da alimentação do seu cão!

Quem vai experimentar? 🙂

Ana Cláudia Gonçalves

Médica Veterinária de Animais de Companhia

Uma sopa para cães

Não são apenas os humanos que podem comer sopa… os nossos cães também! Contudo, nem todas as sopas podem ser oferecidas ao seu melhor amigo de 4 patas. Lembre-se que existem muitos ingredientes que são tóxicos para eles!

Sopa de Frango e Cenoura

Ingredientes:

  • 1 peito de frango
  • 2 cenouras

Modo de preparação:

  • Lave e descasque as cenouras
  • Coloque as cenouras e o peito de frango a cozer em água fervente durante 20 minutos, sem sal ou outros temperos;
  • Quando o frango tiver cozido pode parti-lo em pequenos bocadinhos, assim como a cenoura;
  • Deixe a sopa arrefecer antes de servir;
  • Quando estiver no ponto, sirva em pequenas porções.

Vantagens:

Esta sopa, fácil de preparar, contém beta-carotenos, vitaminas A, E e B e sais minerais como o fósforo, cálcio, potássio e iodo. No entanto, não é indicada para dieta base dos patudos, devendo ser oferecida apenas pontualmente.

Os cães devem fazer como dieta preferencial uma ração de elevada qualidade nutricional e energética, sempre sob aconselhamento Médico-Veterinário.

Ana Matias

Médica Veterinária

O meu cão pode comer manteiga de amendoim?

A manteiga de amendoim tem sido vulgarmente utilizada como um “snack” para os cães, tanto para “tapar” brinquedos como os Kong ou mesmo para a administração de medicação oral. Mas será que é uma opção saudável? Em que quantidade?

A manteiga de amendoim é a pasta resultante da moagem do amendoim torrado e seco.

Esta pasta é altamente calórica, rica em proteínas e com uma elevada concentração de gorduras insaturadas. Dentro dessas gorduras estão os ácidos gordos essenciais polinsaturados, como o Omega-6 e o Omega-3. O Omega-6 é caracterizado pela sua ação inflamatória e o Omega-3 pela ação anti-inflamatória. É de extrema importância na dieta dos nossos patudos estes serem consumidos na proporção correta.

A proporção recomendada para um cão saudável de Omega-6:Omega-3 é de 10:1. No caso da manteiga da amendoim, a proporção destes ómegas é de 5000:1.

Sendo uma pasta bastante calórica, é preciso também ter atenção ao seu consumo por parte dos nossos patudos, porque pode levar ao excesso de peso (mesmo em casos de manteiga de amendoim natural, sem aditivos).

Os estudos demonstram que se os cães comerem por dia 1 colher de sopa de manteiga de amendoim já estarão a consumir um valor superior ao recomendado diário de Omega-6 e uma quantidade elevada de quilocalorias!

Dar ao seu cão manteiga de amendoim em excesso pode provocar:

Cães que nunca devem comer manteiga de amendoim:

  • Diabéticos
  • Animais com sensibilidade gastrointestinal
  • Cães com problemas hepáticos e/ou pancreáticos (Insuficiência hepática, Insuficiência Pancreática Exócrina, …)
  • Doentes cardíacos
  • Insuficientes renais

Dessa forma, não é aconselhado dar ao seu cão manteiga de amendoim. Em pequenas porções e muito de vez em quando não causará problemas em animais saudáveis. Contudo, em excesso pode causar danos.

Se oferecer manteiga de amendoim ao seu cão tenha a certeza que:

  • Não tem sal na composição
  • Não tem açúcar ou xilitol
  • Não tem chocolate ou semelhante
  • Não tem conservantes artificiais
  • É o mais natural possível!

O que posso oferecer ao meu cão em vez de manteiga de amendoim?

Deixamos aqui uma sugestão de biscoitos que podem usar para rechear os brinquedos dos vossos patudos!

Inês Santos

Médica Veterinária

O meu cão pode comer cenoura? 5 benefícios deste alimento para os cães

Cães podem comer cenoura?

A resposta é sim, os cães podem comer cenoura. Prova disso é o facto de muitas rações a terem como ingrediente. São vários os seus benefícios como alimento:

  • Poucas calorias: é um snack saudável e pouco calórico, no entanto contém alguns açúcares sendo por isso desaconselhada em cães diabéticos por exemplo.
  • Ajudante na higiene oral: quando fornecida crua, vai incentivar a mastigação, o que ajuda a manter a higiene oral e a limpeza dentária.
  • Fonte de vitaminas: várias são as vitaminas presentes na cenoura como a vitamina A (relacionada com a visão e a saúde da pele), vitamina B, vitamina C (com propriedades anti-inflamatórias e anti-oxidantes), vitamina K (relacionada com a coagulação do sangue), entre outros.
  • Fonte de minerais: ótima fonte de cálcio (importante para a estrutura óssea e transmissão de sinapses nervosas), de fósforo (importante para a estrutura óssea e dentária), potássio (muito importante para o equilíbrio do metabolismo), entre outros.
  • Rica em fibras: favorece o transito intestinal e a sensação de saciedade.

Como incluir a cenoura na alimentação

É importante referir que, se o seu cão come uma ração de boa qualidade não há necessidade nutricional de introduzir a cenoura diariamente, no entanto, é um bom extra saudável! Pode ser fornecida crua ou cozida, sendo que este último facilita a sua digestibilidade.

A cenoura é mais um snack saudável que pode dar como “miminho” ao seu cão, no entanto, se tiver dúvidas em relação a alguma patologia que o seu animal tenha e se isso pode tornar a cenoura contraindicada, deve falar com o seu médico veterinário habitual antes de o fazer.

Joana Silva

Médica Veterinária

Posso dar ovo ao meu cão?

O meu cão pode ou não comer ovo?

O ovo pode ser ingerido por cães e, prova disso é o facto de ser incluído em várias rações e também nas alimentações cozinhadas ou BARF. Mais à frente vamos explicar de que forma deve ser dado.

Principais benefícios

O ovo é uma excelente fonte de proteína e com fácil digestibilidade. Ao contrário do que vulgarmente se pensava, o ovo é uma fonte de bom colesterol. Tem ainda alguns constituintes como a luteína, enxofre e colina que são muito importantes para manter a saúde da visão e da pele.

Como inserir ovo na alimentação do meu cão

Se o seu cão come uma dieta saudável de boa qualidade, não é necessário serem fornecidos ovos de forma complementar. Assim, o ovo deve ser visto como um extra saudável e, mesmo em dietas BARF ou cozinhadas, é dado normalmente com uma frequência não superior a 2 vezes por semana.
Se optar por dar ovo ao seu cão, este deve ser sempre cozido. As principais razões para isto são os perigos microbiológicos dos ovos como a Salmonella spp quando mal cozinhados e devido à avidina que é um constituinte das claras que, se não sofrer cozedura que provoca a sua inativação, vai inibir a absorção de biotina, nutriente bastante importante.

Cuidados a ter

Além da cozedura de extrema importância deve também ter cuidados em relação à casca do ovo: embora seja uma fonte de cálcio, não deve ser fornecida sem aconselhamento do médico veterinário habitual ou nutricionista, uma vez que facilmente pode chegar a um excesso de ingestão deste mineral que se torna prejudicial à saúde.

Apesar de ser um alimento bastante saudável, o ovo não deve ser fornecido em demasia, principalmente nos cães que comem já uma dieta completa e equilibrada. Nos cães que comem alimentação cozinhada ou BARF, o ovo deve ser inserido na dieta na proporção indicada pelo médico veterinário nutricionista que acompanha a alimentação.

Joana Silva

Médica Veterinária

Que tipo de peixes é que o meu cão pode comer?

Os cães podem comer peixe?

Sim! Atualmente são conhecidos os benefícios do consumo de peixe pelos nossos cães. Embora sejam raros os problemas associados ao consumo de peixe, exceto em casos de animais alérgicos, é recomendado aconselhar-se junto do seu Médico Veterinário se o seu cão está apto para tal.

A oferta de alimento caseiro nunca deve ser feita em simultâneo com a de ração, por isso é importante separar as refeições.

Que benefícios traz o peixe para a saúde dos cães?

Cada peixe tem as suas vantagens específicas! Contudo, é transversal a todos eles o seu elevado teor proteico!

  • Peixes brancos (bacalhau, pescada) têm um teor em gordura mais baixo do que os peixes gordos, por isso tornam-se melhor opção em animais com excesso de peso ou em seniores. Além disso, são ricos em minerais (cálcio e fósforo) e vitaminas (A, B3, B9 e B12) importantes para manter a saúde dos nossos melhores amigos de 4 patas.
  • Peixes gordos (sardinha, salmão, atum), como referido anteriormente, apresentam níveis de gordura mais elevados, mas são maioritariamente ácidos gordos, nomeadamente os ómegas 3 e 6. Ambos os ómegas são extremamente benéficos, sobretudo para manter uma pele equilibrada e pêlo de boa qualidade, mas também para prevenir alterações cardiovasculares e articulares. Estes peixes também contêm vitaminas (A, B1, B2, B3, B12 e D). Dos peixes gordos, o mais recomendável é o salmão.

Que peixes pode o meu cão comer?

  • Atum
  • Bacalhau
  • Salmão
  • Sardinha
  • Pescada

Como posso oferecer peixe ao meu cão?

Os peixes podem ser oferecidos cozinhados (preferencialmente cozido e não frito), crus (nos casos de dieta BARF) ou através de rações com base em proteína de peixe.

  • No caso de optar por cozer o peixe, recomenda-se uma cozedura a baixas temperaturas para ele não perder as suas propriedades. Desta forma, é servido semi-cozido e preferencialmente desfiado, sem espinhas!
  • Para os adeptos da dieta BARF (Biologically Apropriate Raw Food), na qual o peixe é servido cru, é de extrema importância privilegiar o método de conservação para evitar riscos associados.
  • Os tutores que dão preferência a uma dieta à base de ração seca ou húmida, existem sempre as opções de proteínas de peixe, sobretudo o salmão.

Qualquer que seja o método alimentar escolhido para o seu patudo, deverá aconselhar-se primeiramente com o seu Médico Veterinário. O processo de escolha de um alimento é complexo e depende de variados fatores, os quais devem sempre ter-se em consideração para que tudo corra pelo melhor 🙂

Ana Pinto

Médica Veterinária de Animais de Companhia

Snacks calmantes para cães: funcionam?

Tal como os humanos, os cães podem ser suscetíveis a momentos de ansiedade, pressão e stress, seja por razões biológicas ou psicológicas. Vivemos numa sociedade onde a rapidez é imposta e todos os nossos dias correm a uma velocidade alucinante. Este ritmo prejudica também os cães que connosco convivem!

Existem no mercado, variados produtos que ajudam a reduzir os níveis de stress e ansiedade nos nosso patudos. Esses produtos são apresentados de variadas formas (como coleiras, comprimidos, xaropes/pastas, sprays e snacks). A escolha do produto adequado, varia mediante o tipo de cão e as suas preferências. Contudo, os snacks calmantes são uma opção prática, deliciosa e educativa!

O que são snacks calmantes para cães?

Consistem em biscoitos formulados a partir de ingredientes com ação calmante e/ou relaxante. Podem incluir-se ingredientes naturais como a camomila, a lavanda e a cidreira, mas também componentes extra como os tripofanos, ómegas e anti-oxidantes.

  • Camomila: além dos benefícios a nível gastrointestinal, é utilizada como agente relaxante, ajudando a acalmar os nossos cães.
  • Lavanda: controla e alivia irritações da pele que podem ser consequência do stress vivenciado pelo seu patudo.
  • Cidreira: tal como a camomila, tem propriedades relaxantes.
  • Tripofanos: são componentes proteicos que ajudam a reduzir os níveis de stress.
  • Ómegas 3 e 6: ajudam a promover a saúde do pêlo e pele, bem como prevenir alterações cardiovasculares e cognitivas.
  • Anti-oxidantes: ingredientes promotores da estimulação do sistema imunitário, favorecendo as defesas do organismo dos cães.

Os snacks calmantes funcionam bastante bem! Devem ser administrados respeitando as quantidades diárias recomendadas na embalagem para surtirem o efeito desejado e não terem consequências negativas.

Recomenda-se a utilização destes snacks em casos de ansiedade de separação, hiperatividade, stress em viagens ou outros momentos estimulantes (por exemplo, visitas ao Médico Veterinário), fobia sonora e treinos de obediência como reforço positivo.

Ana Pinto

Médica Veterinária de Animais de Companhia