Perché il mio cane distrugge il giornale o la traversina?

Distruggere gli oggetti di casa: uno dei passatempi preferiti dei nostri amici a 4 zampe, soprattutto se cuccioli! Ma come mai alcuni oggetti – tra cui appunto il giornale o la traversina – diventano spesso e volentieri oggetto di atteggiamenti distruttivi?

 

  • Perché sono oggetto di manipolazione da parte del proprietario, pertanto rappresentano uno stimolo saliente per il cane. “Se il mio proprietario li usa spesso, sicuramente sono oggetti interessanti!”, pensano i nostri cani. Vedi telefonino, occhiali da sole e da vista, chiavi di casa…e tutto ciò che il cane vede continuamente fra le mani del proprietario.

 

  • Perché sono oggetti “a portata di bocca”: venendo utilizzati principalmente per contenere le marcature e i bisogni del cane, tappetini, giornali e traversine si trovano ovviamente in terra sul pavimento, a portata del cane. Perché dunque durare fatica a cercare altro, quando possiamo distruggere tutto questo ben di dio??

 

  • Perché non è escluso che il proprietario non gradisca particolarmente le attenzioni che il cane manifesta per questi oggetti, di conseguenza potrebbe punire il cane ogni qualvolta li trova spezzettati o sbriciolati. Può darsi che il cane associ questa punizione alla presenza di questi oggetti e sfoghi la sua frustrazione riproponendone la distruzione, entrando così in un circolo vizioso senza fine.

 

Il mio suggerimento, se vogliamo evitare il rinforzarsi di questo comportamento, è di togliere tappetini, traversine e giornali dalla portata del cane. Qualsiasi sia l’utilizzo che ne fate, sicuramente non merita il conflitto che si va a creare con lui qualora dimostri questo atteggiamento distruttivo.

Dott.ssa Lisa Pugliese

Educatrice e Istruttrice Cinofila

Alergia alimentaria en perros- como detectarla y combatirla. 

Opciones diagnósticas

Los veterinarios contamos, fundamentalmente, con dos opciones para poder diagnosticar las alergias alimentarias en los perros.

Por un lado, existen unos test que, por medio de sangre o saliva, consiguen detectar los alimentos que causan la reacción alérgica en el perro. No obstante, estos test en ocasiones arrojan datos falsos, por lo que deben interpretarse con cautela.

Por otro lado, la otra herramienta diagnostica consiste en la llamada dieta de eliminación. Debido a su eficacia y versatilidad será en la que nos centraremos para abordar la materia.

Dieta de eliminación

La dieta de eliminación, como su nombre indica, consiste en un método de alimentación en el que se van eliminando los nutrientes que causen la reacción alérgica. Para explicarlo mejor, vamos a poner un ejemplo práctico.

Thor llega a la clínica porque se rasca mucho. Tras la exploración y una correcta anamnesis, establecemos un diagnóstico presuntivo de intolerancia alimentaria. El animal se alimenta de un pienso comercial a base de pollo y arroz, además de otras sustancias presentes en el pienso.

Pues para comenzar la dieta, vamos a elaborar un menú casero ” nuevo “. Y con nuevo queremos decir, con alimento que a ser posible nunca haya consumido. En nuestro ejemplo práctico podríamos empezar con:

  • Merluza: Fuente de proteína animal de calidad.
  • Patata: Hidratos de carbono de origen vegetal.
  • Zanahoria: Vitaminas vegetales de calidad.

Ya tenemos el delicioso menú para Thor. Y esperemos que le guste ya que deberá de comer SOLO esta dieta durante al menos 6 semanas. Y remarco lo de solo, ya que durante este tiempo no podrá comer nada más, ni gominolas, ni pasta de dientes ni nada.

Pasadas estas 6 semanas evaluamos los síntomas de Thor, y observamos que ya no se rasca, así que genial!. Pero tenemos que comprobar que no ha sido casualidad, por lo que introducimos de nuevo la dieta anterior completa, solamente carne de pollo si sospechamos de que este alimento es el causante de la alergia… Eso ya queda sujeto a criterio del veterinario.

Si de nuevo Thor comienza a rascarse… Tachán! Ya tenemos el diagnóstico listo.

Tratamiento

En cuanto el tratamiento, lo mas importante consiste en eliminar de la alimentación del perro el componente que está causando la reacción alergia

Podemos optar por un pienso o alimentación comercial que no cuente la sustancia causante de la alergia, opción más práctica y cómoda. Por ejemplo para nuestro caso concreto podríamos optar por un pienso a base de salmón, cordero…

O bien podemos elaborar una dieta casera, para la cual deberemos de contar con un correcto asesoramiento veterinario para formular una propuesta alimentaría completa y balanceada desde el punto de vista nutricional.

 

Juan Vázquez

Médico veterinario

Chip dos Cães: guia sobre o que precisa de saber

O que é o chip dos cães?

O chip ou Microchip é um dispositivo electrónico, que tem como principal objetivo evitar o abandono animal! Como? Então… o chip permite, quando registado no sistema informático, estabelecer uma ligação entre o animal e o seu proprietário (nome completo, morada, número de BI, contacto), fazendo com que possa haver uma responsabilização no cumprimento dos parâmetros legais, sanitários e de bem-estar animal!

A sua aplicação é obrigatória em cães, gatos e furões!

Como se aplica? E como funciona?

O microchip deverá, segundo a lei, ser aplicado até aos 120 dias de vida ou até à perda dos dentes incisivos de leite (quando não é possível saber a data exata de nascimento). Se tiver um patudo adulto sem microchip marque uma consulta de forma a colocar tudo em dia!

Este pequeno dispositivo (do tamanho de um grão de arroz) está associado a um número (número de microchip) e é colocado na face esquerda do pescoço dos nossos patudos. Este número será registado no Sistema Informático de Animais de Companhia  (SIAC) juntamente com todos os dados do proprietário. O número de microchip é verificado através de um dispositivo electrónico que lê o chip, o qual se encontra sob a pele dos nossos amigos de quatro patas.

O custo de colocar o microchip varia de sítio para sítio, mas deverá rondar os 15 euros!

Quais as vantagens dos chips nos cães?

  • Não é necessário substituir! Após a implantação do chip, este fica sob a pele a vida toda do nosso patudo!
  • Caso o animal fuja, será mais fácil de os reencontrar! Basta a pessoa que o encontrou dirigir-se a uma clínica/ hospital veterinário para que possam ler o chip, verificar se está registado e poderá, assim, entrar em contacto com o dono desse patudo !
  • Através do número de microchip conseguimos verificar se as vacinas da raiva estão em dia e que a esterilização foi realizada! O registo electrónico é feito pelo médico veterinário aquando a implantação (evitando que haja animais com microchip mas sem registo, que diminui a probabilidade de reencontro com o dono).

O chip é uma mais valia para protegermos os nossos companheiros caso se perca ou fuja! Não adie a sua colocação 🙂

Sofia Galiza

Médica Veterinária de Animais de Companhia

Sintomi e trattamento dei lipidi alti nel sangue (iperlipidemia)

Quali sono i sintomi?

La maggior parte dei cani con iperlipidemia è asintomatico e spesso questi parametri alterati vengono scoperti casualmente, in seguito a generici controlli del sangue.
In alcuni casi possono essere riscontrati: anoressia, vomito di intensità variabile o diarrea associata a dolore addominale.
Solo nei casi più gravi possono manifestarsi sintomi più specifici, come la comparsa dell’arco lipidico corneale: un accumulo corneale di grasso, caratteristico dell’ipercolesterolemia, visivamente caratterizzato da un anello bianco-grigio, alla periferia dell’iride. Altre complicazioni associate all’iperlipidemia possono essere:
• convulsioni,
• lipidemia retinica (aspetto lattiginoso dei vasi retinici, valutabile esclusivamente durante una visita oftalmologica specialistica)
• paralisi del nervo facciale
• aterosclerosi (formazione di trombi a livello cerebrale)

Diagnosi

Come detto in precedenza, i livelli di colesterolo e trigliceridi sono valutabili con un semplice prelievo ematico, avendo il cane a digiuno da almeno 12 ore. Mentre l’acqua non influisce e può rimanere tranquillamente a disposizione dell’animale.

Trattamento

La risoluzione dell’iperlipidemia prevede innanzitutto il controllo della dieta: è possibile ridurre la quantità di grassi nella ciotola nella diete casalinghe oppure optare per mangimi light o low fat per quanto riguarda le diete commerciali. Ogni cambio alimentare dovrà essere sempre suggerito e seguito dal proprio medico curante, in base al singolo caso.
In secondo luogo, deve essere valutato lo stato generale di salute del cane. A tal proposito il vostro veterinario provvederà tramite analisi di laboratorio specifiche, all’esclusione di eventuali malattie che possano aver generato un alterato valore lipidico nel sangue:
• diabete mellito,
• sindrome di Cushing (una malattia caratterizzata da un’eccessiva produzione di un ormone chiamato cortisolo, prodotto dalle ghiandole surrenali, il quale regola a vari livelli il metabolismo dell’animale),
• ipotiroidismo (patologia caratterizzata da una ridotta produzione degli ormoni tiroidei, caratterizzata da letargia, apatia e tendenza all’ingrasso dell’animale).
Infine tramite un semplice controllo sulle urine, dovranno essere escluse eventuali problematiche renali ( chiamate glomerulonefriti), le quali innescando una massiccia dispersione proteica tramite il filtro renale e possono alterare i livelli ematici di colesterolo e trigliceridi nel sangue.

Dott.ssa Alessia Troli
Medico Veterinario

10 cães mais famosos dos desenhos animados

Cães famosos dos desenhos animados

  • Snoopy
    É o cão do Charlie Brown, apareceu pela primeira vez em 1950 em banda desenhada e é inspirado na raça Beagle. 2 anos após ter surgido pela primeira vez, o Snoopy ganhou algumas características como a locomoção bípede, começou a verbalizar os seus pensamentos e a entender tudo o que as outras personagens diziam. É famoso por dormir no telhado da sua casota.
  • Scooby Doo
    É o Dogue Alemão que fala e dá nome a uma das bandas desenhadas e desenhos animados mais conhecidos na nossa infância. Surgiu a primeira vez em 1969 e acompanha quatro detectives nas suas aventuras que chegam a ser perigosas. O seu nome completo é Scoobert-Doo e é famoso por ter medo da própria sombra: todos nos lembramos de ver o Scooby Doo no colo do seu dono Shaggy.

Cães famosos da Disney

  • Pluto e Pateta
    São provavelmente os cães mais famosos da Disney. Criado em 1930, o Pluto é a mascote do Mickey e é inspirado na raça Bloodhound: trapalhão mas muito companheiro, ajuda o Mickey nas suas aventuras. O Pateta, criado em 1932, é uma personagem com traços humanos e caninos. Tem alguns trabalhos a solo mas é mais conhecido por surgir ao lado de personagens como o Mickey e o Donald. O seu chapéu é peça essencial no “outfit” e todos o conhecem pela sua bondade e inocência que o tornam um cão capaz de arranjar alguns sarilhos.
  • Prenda e Pongo
    São o casal Dálmata mais sortudo da Disney: 101 dálmatas são os filhos da Prenda e do Pongo. Cruela de Vil tem o sonho de confecionar roupas com pele de Dálmata e descobre que a sua amiga Anita e marido Roger são os donos deste casal. Começa assim uma caça a este clã que faz de tudo para não ser apanhado pela vilã.
  • Lady e Tramp
    A Lady é a Cocker Spaniel de uma família aristocrata e cruza a sua vida com o Tramp, um cão da rua, quando tem que fugir da casa de uma familiar a quem foi deixada durante as férias dos seus donos. Com mais dois amigos caninos, passam algumas aventuras até que Lady volta para os seus donos, que depois adoptam também Tramp. O filme data de 1955 e é mais conhecido aqui em Portugal por “A Dama e o Vagabundo”, tendo tido um novo lançamento em 1997.
  • Bolt
    Inspirado no Pastor Branco Americano, o Bolt e a sua amiga Penny fazem parte de uma série de TV em que o ele tem superpoderes. Bolt está convencido na vida real que tem superpoderes e só quando viaja para Nova York é que acaba por perceber que não era aquela a vida real dele. Lá faz amizade com uma gata e um hamster que acabam no final por ser adoptados pela sua dona.
  • Dug
    É o Golden Retrivier do filme Up – Altamente! que data de 2009. Acompanha Carl Fredricksen e Russel nas suas infindáveis aventuras e consegue exteriorizar o que está a pensar, o que o torna uma personagem tão engraçada.

Cães famosos de carne e osso

  • Beethoven
    É o famoso São Bernardo que dá nome ao filme que data de 1992. Em cachorro, é roubado de uma loja de animais, conseguindo depois fugir dos ladrões e ir ter à casa daquela que se vem a tornar a sua família. O seu nome vem da altura em que uma das meninas da família toca no piano a 5ª sinfonia de Beethoven e o cachorro ladra acompanhando a melodia. Passa por alguns momentos tristes ao ver-se envolvido com pessoas que o querem usar para estudos, mas o doce Beethoven acaba por ser resgatado pela sua família humana que tanto gosta dele.
  • Rex
    O Pastor Alemão cão polícia cuja primeira aparição data de 1994. É famoso pela ajuda que presta nas investigações, sendo não só capaz de identificar vários detalhes que passam despercebidos e se vêm a tornar excelentes provas, como ajudar na detenção dos criminosos.
  • Marley
    Baseado numa história verídica, Marley é o Labrador que dá nome ao filme “Marley e Eu” que data de 2008. O seu nome é uma homenagem ao cantor Bob Marley e este cachorro vem a revelar-se impossível de treinar. Com os estragos que vai produzindo, vai sendo motivo dos artigos escritos pelo seu dono. Vai acompanhando as aventuras desta família e o nascimento dos filhos, sendo sempre um grande companheiro.

Em banda desenhada, desenho animados, filmes de animação ou filmes reais, os cães continuam a chegar a nós para nos lembrar que, apesar das suas traquinices, são de facto os nossos melhores amigos, com um amor incondicional para dar!

Joana Silva

Médica Veterinária

¿Por qué mi perro tiene la nariz pelada?

Afecciones más comunes que causan problemas en la nariz

Los problemas de piel en la zona de la trufa son más comunes en perros de color claro que tienen esta zona de color rosado, pero puede erosionarle por otras enfermedades sistémicas que veremos a continuación:

  • Quemadura solar: los perros de pelo corto y color claro tienen la piel de esta zona muy expuesta a la luz solar y, si pasan demasiado tiempo al sol sin protección, pueden quemarse. Si esto sucede veremos la piel muy enrojecida y pueden aparecer pequeñas ampollas que dan lugar a un pelado. En estos casos es importante usar un protector solar de alta protección, incluso los hay específicos para perros.
  • Roce: esto ocurre sobre todo en perros que están en el campo y les gusta escarbar y olfatear (perros con gran instinto cazador). Usan patas y hocico para escarbar y apartar la tierra y ese roce puede hacer que la piel de la nariz sufra erosiones y heridas. En estos casos es importante un buena hidratación y curas si se hacen alguna herida.
  • Edad: en perros mayores la piel de la nariz puede parecer más seca y engrosada, esto se conoce como hiperqueratosis nasal. También aparece en determinadas razas, muchas de ellas braquicéfalas.
  • Moquillo: esta enfermedad vírica tan grave cursa con diferentes síntomas, siendo la nariz seca y agrietada un síntoma bastante común. Esta enfermedad necesita de atención veterinaria inmediata.
  • Lupus eritematosos sistémico y otras enfermedades que afectan a las uniones seromucosas: muchas enfermedades que afectan a las uniones entre serosa y mucosa son autoinmune y pueden aparecer como una simple despigmentación de la nariz hasta una erosión de la piel bastante más extensa.
  • Alergias: como hemos comentado, el perro utiliza el hocico para percibir olores y, al rozar algunos materiales o plantas, puede sufrir una reacción alérgica, presentando granitos y costras.
  • Parásitos externos (sarna): la hiperqueratosis de trufa y la pérdida de pelo en la zona de la cara es muy común en casos de sarna (sarcoptes). Esto también produce mucho picor al animal.
  • Leishmania: la enfermedad más conocida que provoca la aparición de costras y erosión de la piel de la nariz es la leishmaniosis. Este es uno de los síntomas más comunes de la enfermedad, junto con el crecimiento excesivo de las uñas y la hiperqueratosis y pérdida de pelo de los párpados.

Irene Martinez

Médica Veterinaria

Quanto spesso si deve fare la toilette al proprio cane?

Il tipo di cura di cui ogni cane ha bisogno dipende dal tipo di pelo che ha, se corto o lungo, se ispido o liscio, dall’età, dallo stato di salute. Per esempio un cane a pelo lungo avrà bisogno di una più attenta cura del manto al fine di evitare che si formino nodi.

Spazzolare il pelo

Fondamentale è spazzolare il cane almeno una volta a settimana e magari aumentare la frequenza nei cani a pelo lungo oppure se si è fatta una passeggiata nell’erba alta. Spazzolarlo oltre a permettere di evitare la formazione di nodi aiuta nella rimozione dei peli morti che altrimenti rimarrebbero incastrati tra gli altri, aiuta a mantenere il pelo più pulito e stimola la produzione dell’olio che mantiene lucido e sano il manto. È importante spazzolare periodicamente il proprio cane soprattutto nei periodi di muta appunto per aiutarlo a liberarsi del pelo che sta cadendo.

Pulire i denti

Questa è una pratica a cui il cane deve essere abituato con un po’ di pazienza in quanto non tutti sono disposti a farsi spazzolare i denti, ma è fondamentale per evitare o comunque ritardare la formazione e l’accumulo di tartaro sui denti che può portare a malattie a carico delle gengive e anche conseguente perdita dei denti. L’ideale sarebbe farlo quotidianamente con l’aiuto di uno spazzolino e utilizzando dentifrici appositi per la salute e l’igiene della bocca del vostro cane.

Fare il bagno

È indicato lavare il proprio cane una volta ogni 2-3 mesi con un minimo di un paio di volte l’anno. Purtroppo tenendo i cani in casa si tende a lavarli più spesso del necessario, ma sappiamo che questo può essere un male per la loro salute. Questo perché un cane a cui vengono fatti troppi bagni tenderà ad avere una pelle grassa o secca e pruriginosa, con un pelo opaco. Ovviamente la frequenza può essere aumentata nel caso in cui si vengano a creare situazioni in cui il cane è entrato a contatto con sostanze particolarmente odorose o nocive per la sua salute che quindi devono essere rimosse il prima possibile.
Fondamentale quando si fa il bagno al cane è utilizzare prodotti specifici per loro per non andare ad alterare il pH della pelle che è differente dal pH della pelle di noi umani. Utilizzare dei prodotti non adatti potrebbe portare ad alterazioni della cute del cane fino anche ad arrivare a sviluppare dermatiti gravi che potrebbero aver bisogno di un trattamento antibiotico.

Dott.ssa Aurora Busti
Medico Veterinario Barkyn