Filariosi canina: che cos`è e come si previene?

filariosi canina

Filariosi cardiopolmonare: cos’è?

Lo sviluppo della malattia inizia con una puntura di zanzara contenente larve del parassita, dopo qualche giorno di permanenza nel derma, le larve raggiungo i capillari linfo-ematici, proseguendo la loro corsa verso il cuore. In circa 6 mesi, queste larve raggiungono lo stadio adulto e vanno ad occupare atrio e ventricolo destro del cuore . Le dirofilarie sono parassiti che possono raggiungere dimensioni considerevoli (fino a 17 cm di lunghezza il maschio, fino a 30 cm la femmina) e la loro massiccia permanenza all’intero delle camere cardiache generano problemi di carattere ostruttivo. Con tale meccanismo, la filariosi cardiopolmonare può mettere a rischio la vita del cane, se non prontamente diagnosticata e trattata nel modo corretto. Una volta raggiunta la forma adulta, l’ultimo stadio per la conclusione del ciclo biologico del parassita, sarà la liberazione delle microfilarie (forme larvali di Dirofilaria) nel torrente ematico periferico, pronte per essere “succhiate” dalla prima zanzara che andrà ad effettuare il pasto di sangue.

Quali sono i sintomi della filariosi canina?

 

La gravità della sintomatologia varia in base al numero di parassiti presenti e allo stato di salute del cane colpito. I sintomi più comuni sono:
tosse
dispnea (difficoltà nella respirazione)
-intolleranza all’esercizio/ scarso rendimento atletico
-uno o più episodi di svenimento
tachicardia
insufficienza cardiaca
ascite (formazione di liquido in addome legato alla sindrome di insufficienza cardiaca)
Animali con tale sintomatologia devono essere immediatamente visitati da un medico veterinario, e sottoposti all’esecuzione di accertamenti diagnostici come radiografie del torace ed ecocardiografia.

Come posso aiutare il mio cane?

 

Sia che il nostro cane viva in un’area endemica, sia che ci stiamo preparando una vacanza al nord con il nostro amico a quattro zampe, la miglior forma di prevenzione resta l’applicazione corretta e puntuale di farmaci antiparassitari. In commercio sono disponibili sotto forma di compresse masticabili o fiale da applicare sulla cute. Si consiglia di rispettare la somministrazione mensile per tutta la durata del periodo di presenza delle zanzare (aprile- ottobre). Nei cani di razza Collie e loro incroci, a causa di una possibile maggior sensibilità a tali principi attivi, si consiglia di chiedere sempre consiglio al proprio medico veterinario prima di qualsiasi trattamento.

Como ajustar as quantidades de ração a cada cão?

As rações têm todas as mesmas calorias?

Não. A densidade energética das rações é variável e normalmente é apresentada em quantidade de kcal/kg de ração. A densidade energética de cada ração deve ser tida em conta para o cálculo da quantidade de ração (em gramas) a administrar por dia. Cada ração, tendo em conta essa informação, já apresenta na embalagem a quantidade diária a administrar por peso.

E de onde vêm as calorias?

As calorias presentes em cada ração provêm, em diferentes percentagens, de fontes proteicas, de gordura e de carbohidratos.

Como saber as calorias presentes em cada ração?

A densidade energética de cada ração não está presente na maioria das embalagens de ração. Contudo, as marcas disponibilizam uma tabela, no verso da embalagem,  com as quantidades diárias por peso e, portanto, não é necessária a densidade energética para saber a quantidade a administrar.

Rações com uma densidade energética maior são mais calóricas, pois têm uma quantidade maior de calorias por grama de ração.

Como saber quantas gramas de uma ração são necessárias para cada cão?

A tabela presente na embalagem indica, regra geral, um intervalo de gramas para um intervalo de peso. Algumas marcas de ração incluem a variável “atividade diária”, indicando recomendações de ração diária diferentes para cães com menos e mais atividade por dia.

A quantidade de gramas expressa na embalagem é a quantidade diária. Essa quantidade deve ser dividida em 2 a 3 tomas diárias. O número de vezes por dia que um cão deve comer irá depender da fase de vida em questão.

O metabolismo de cada cão é único!

Apesar da recomendação da quantidade diária de alimento disponível em cada ração, nem todos os cães do mesmo peso (ainda que na mesma fase da vida) precisam de comer a mesma quantidade diária. Cada um tem um metabolismo único. Como tal, os intervalos de gramas consoante o intervalo de peso representam quantidades orientadoras. Estas quantidades variam com as seguintes variáveis, para além do peso e da fase de vida:

  • Predisposição da raça/cão para engordar ou emagrecer;
  • Condição corporal;
  • Estilo de vida;
  • Atividade diária;
  • Se o animal é castrado;
  • Influência de determinadas necessidades patológicas;
  • Metabolismo próprio de cada cão.

Como tal, as quantidades indicadas na embalagem devem ser as administradas numa fase inicial e deve ser feita uma avaliação contínua do animal (de variação de peso, apetite para comer a quantidade colocada, etc.), para perceber a quantidade de gramas diárias que ele necessita.

Daniela Leal

Médica Veterinária de Animais de Companhia

Diabetes mellitus en perros: principales signos clínicos

¿Qué es la diabetes mellitus?

La diabetes mellitus es una enfermedad endocrina en la que existe una ausencia total o parcial de insulina, una hormona producida en el páncreas que se encarga de facilitar la entrada de la glucosa de sangre a los tejidos para proveerlos de energía.

Si la insulina no cumple su función esta glucosa se queda en el torrente sanguíneo y los tejidos no obtienen esta energía. Cuando el nivel de glucosa en sangre es excesivamente alto el organismo necesita expulsarla a través de la orina, necesitando a su vez gran cantidad de líquidos para hacerlo.

Existen diferentes tipos de diabetes mellitus, siendo la de tipo 1 la más habitual en el perro, por lo que necesita la administración de insulina de forma externa a través de inyecciones.

¿Qué síntomas provoca?

Esta enfermedad metabólica suele ser más habitual en perros de edad avanzada y en hembras, existiendo una mayor predisposición en perros con sobre peso y obesidad, perros que han sufrido pancreatitis o que han tomado tratamientos largos con corticoides. Algunas razas como Caniches, Golden y Beagles tienen mayor predisposición.

Los síntomas más habituales son:

  • Poliuria: para eliminar la glucosa sobrante el organismo elimina más orina de los habitual.
  • Polidipsia: para compensar esa pérdida de fluidos el animal necesita beber más cantidad de agua.
  • Polifagia: como el organismo no consigue la energía suficiente el animal tiene una mayor sensación de hambre.
  • Pérdida de peso: el organismo necesita conseguir la energía de otros tejidos, por lo que el animal pierde peso aunque su apetito sea mayor.
  • Letargo: el perro estará inactivo y más cansado de lo habitual.
  • Deshidratación: por la pérdida de fluidos.
  • Olor de boca: en casos más avanzados debido a los cuerpos cetónicos que se forman.
  • Depresión y vómitos: en casos muy graves sin tratamiento, causado por la gran cantidad de cuerpos cetónicos en el organismo. Si no se trata a tiempo puede ser mortal.

Irene Martinez

Médica Veterinaria

Cuidados a ter depois de levar o meu cão à praia

Sim, antes do merecido descanso após um dia de praia temos que ter alguns cuidados:

  • Remoção da areia e água salgada do pêlo – é fundamental o banho após a ida à praia para eliminar areia e a água salgada do mar. A humidade e a água do mar podem levar ao desenvolvimento de dermatites. No entanto na impossibilidade de dar banho de imediato é recomendado, pelo menos lavar as patinhas, para evitar as dermatites por lambedura;

 

  • Remoção da areia olhos e nariz – as brincadeiras e os buracos na areia são um essenciais para um dia de praia bem passado, mas o seu patudo fica cheio de areia nos olhos e nariz. Deve remover areia com ajuda de soro fisiológico e uma compressa.

 

  • Hidratação – ter água sempre disponível, na praia e após a chegada a casa.

 

  • Por vezes durantes os mergulhos e brincadeiras à beira mar, ocorre ingestão de água salgada provocando vómitos e diarreia. São sintomas transitórios que passam com descanso e hidratação adequada, no entanto em caso de persistência dos sintomas deverá consultar o seu médico veterinário.

 

  • Verifique as almofadinhas plantares – devido ao calor as queimaduras plantares são frequentes, por isso quando chegar a casa deve verificar o estado das patinhas. Pode ser necessário colocar bálsamo para hidratar as almofadas plantares ou mesmo ser necessário a realização de tratamento para as queimaduras.

 

 

 

Filipa Calejo

Médica Veterinária de Animais de Companhia

Glaucoma en perros ¿cómo diagnosticarlo?

¿Qué es el glaucoma y por qué se produce?

El glaucoma es el aumento de presión intraocular causado por el exceso de líquido en el interior del ojo (humor acuoso) provocado por un mal drenaje de éste. Este aumento del líquido intraocular hace que el nervio óptico y retina se degenere, pudiendo llegar a provocar una ceguera irreversible.

El glaucoma puede aparecer en un ojo o de forma bilateral afectando a ambos. Existen 2 tipos de glaucoma principalmente:

  • Primario o genético: causado por problemas físicos o genéticos que impiden la correcta circulación del humor acuoso. Suele aparecer en animales más jóvenes.
  • Secundario: aparece por un traumatismo o es debido a una enfermedad secundaria.

¿Qué síntomas causa?

La evolución de la enfermedad puede ser lenta y tardar tiempo en aparecer los síntomas. Los síntomas más comunes son:

  • Mayor sensibilidad en ojos y cabeza.
  • Vómitos.
  • Aspecto nuboso a la luz.
  • Ojo azulado (en fases más avanzadas).
  • Inflamación de la zona ocular.
  • Midriasis o dilatación pupilar.
  • Abultamiento de los globos oculares, más evidente cuando solo afecta a un ojo.
  • Ceguera total.

Diagnóstico y tratamiento:

El glaucoma se diagnostica atendiendo a la sintomatología y se confirma mediante la medición de la presión intraocular del ojo usando un tonómetro, similar al que se utiliza en humana.

Una vez diagnosticado y según la gravedad del caso el tratamiento elegido será diferente. En el caso del glaucoma secundario será necesario diagnosticar la enfermedad primaria que provoca el problema.

Lo habitual es el uso de colirios para el control del líquido intraocular o diuréticos, incluyendo tratamiento antiinflamatorios o analgésicos si existe dolor. En casos más graves puede ser necesario el drenaje mediante cirugía y, en casos muy avanzados en el que no exista visión, será necesario la extracción del globo ocular si existe dolor.

Irene Martinez

Médica Veterinaria

Sterilizzazione della cagna: quali sono i benefici?

sterilizzazione cagna

La sterilizzazione della cagna consiste nella rimozione chirurgica delle gonadi femminili (ovaie), allo scopo di azzerare la produzione di ormoni sessuali, responsabili di calori ed eventuali gravidanze inaspettate. Di seguito i principali benefici della sterilizzazione:

1. Evita il calore

Le cagne hanno in media 2 calori l’anno, della durata di circa 3 settimane. Si manifestano con iniziali periodi di irascibilità, perdite ematiche ed infine l’accettazione del maschio.

2. Nessuna attrazione dei cani maschi

Il calore della femmina è un forte richiamo per il maschio e può essere percepito anche a grandi distanze, procurando fastidiosi “assedi” casalinghi.

3. Prevenzione allo sviluppo di tumori mammari

Per avere una prevenzione completa è consigliato sterilizzare prima del primo calore, o al massimo fra il primo e secondo. Una volta avvenuto il secondo calore si perderà tale vantaggio, poiché il tessuto mammario sarà già stato “sensibilizzato” dalla stimolazione ormonale (estrogeni e progesterone). E’ bene ricordare che i tumori mammari rappresentano le neoplasie più comuni nelle cagne e hanno una probabilità del 50% di essere maligni.

4. Prevenzione allo sviluppo di infezioni uterine (piometra)

La percentuale di infezioni uterine nelle cagne adulte è davvero alta e con la semplice ovariectomia questo problema può essere scongiurato definitivamente a qualsiasi età.

5. Cessazione delle pseudogravidanze (o gravidanze isteriche)

Molte cagne dopo ripetuti cicli estrali, a seguito di problemi ormonali possono mimare una gravidanza: dalla preparazione del nido, alla produzione di vero e proprio latte (è una situazione patologica che richiede un consulto veterinario e una terapia medica).

6. Aspettativa di vita maggiore

Alcuni studi hanno stimato una vita più lunga del 26,3% nelle cagne sterilizzate rispetto le cagne lasciate intere.

7. Riduzione del randagismo

Con l’aumento delle sterilizzazioni si è drasticamente ridotto il numero di gravidanze indesiderate e conseguentemente il numero di cani senza padrone. In più, una cagna in calore, può incentivare la fuga di cani maschi dalla propria abitazione, sottoponendoli a rischi di incidenti stradali o smarrimento della via per casa.

Sfatiamo un mito riguardo le cucciolate

Molti proprietari sono convinti che: permettere alla propria cagna di avere una cucciolata, la protegga da tumori o infezioni dell’apparato genitale. Nulla di più errato. La nascita di una o più cucciolate non arreca alcun beneficio medico al nostro animale e non rappresenta alcuna sorta di prevenzione.

Ansia da separazione nel cane: come gestirla?

A chi non è successo almeno una volta di tornare a casa e trovare il proprio cane immerso nella gommapiuma o nell’imbottitura della propria cuccia? Ecco, non sempre possiamo subito parlare di ansia da separazione, magari in quell’occasione il proprio cane era semplicemente annoiato o aveva troppa “energia immagazzinata” che ha poi riversato nei confronti di qualche povero oggetto. Diverso è quando tale comportamento viene perpetuato nei giorni successivi e viene associato alle lamentele dei vicini, che riferiscono di sentire il cane abbaiare e guaire incessantemente fino al vostro ritorno. In tal caso è molto probabile aver a che fare con un cane affetto da ansia da separazione.

Come riconoscere l’ansia da separazione?

Generalmente i cani colpiti da tale sindrome sono soggetti iperattivi, estremamente attaccati al proprietario. Passano la maggior parte del tempo in braccio al proprio compagno umano o se troppo grandi per questo, alla ricerca di attenzioni grattando le gambe del padrone con le zampe anteriori. Alcuni cani possono manifestare il disagio della separazione, non solo accanendosi sugli oggetti, ma facendo i propri bisogni in giro per la casa.

Come posso aiutare il mio cane che soffre di ansia da separazione?

Se si ha il sospetto che il proprio cane possa essere affetto da tale patologia, è fondamentale chiedere un consulto ad un medico veterinario specialista in problemi comportamentali, sarà la figura più adatta a gestire la situazione del vostro cane.

Altri consigli da poter seguire da subito sono:

non punire il cane per ogni comportamento errato, potremmo aumentare lo stato d’ansia e il ripetersi di tali episodi distruttivi
aumentare l’attività fisica del cane prima di doverlo lasciare solo, una lunga passeggiata o un’ora di svago al parco prima di separarsi, possono aiutare il cane a rimane tranquillo per più tempo
-lasciare a disposizione del cane giochi e cibo nascosti per casa, in tal modo impiegherà la sua mente ad attività di ricerca nei momenti di solitudine
-attrezzare la propria casa in modo da proteggere sia i mobili ma anche l’incolumità del cane stesso
-quando siamo in casa premiare il cane che gioca serenamente e ignorarlo nei momenti in cui cerca la nostra attenzione assiduamente.

Atrofia progresiva da retina del Cocker ¿en qué consiste?

cane forfora

Problemas de vista en el Cocker:

Esta raza tiene especial predisposición para sufrir problemas de visión como atrofia progresiva de retina, glaucoma y cataratas. Si estas enfermedades no son diagnosticadas y tratadas a tiempo puede llevar a la pérdida de visión total a una edad muy temprana.

El glaucoma y las cataratas son problemas de visión que tienen unas características muy similares en humana, sin embargo, la atrofia progresiva de retina puede ser más difícil de percibir.

¿Qué es la atrofia progresiva de retina?

Esta enfermedad consiste en la degeneración paulatina de la retina. En la retina se encuentran los fotorreceptores. Dependiendo de las células fotorreceptoras que se ven afectadas podemos distinguir:

  • Bastones: pérdida de visión nocturna.
  • Conos: pérdida de visión diurna.
  • Ambos: se pierde la visión pero no se afecta la luminosidad.

Según la raza de perro se pueden ver afectados uno u otro fotorreceptores, apareciendo en el cocker una mayor sensibilidad a la luz brillante, continuando con la pérdida progresiva de la visión.

Síntomas de atrofia progresiva:

Los síntomas más comunes que podemos distinguir son:

  • Pérdida de visión: puede aparecer dificultad para ver de noche o con luz. Cuanto más joven sea el perro más veloz será la evolución de la ceguera.
  • Midriasis: aparición de dilatación excesiva de la pupila, pudiendo verse reflejos inusuales causados por la hiperreflexia retinal.
  • Cataratas: favorecidas por la degeneración de retina, siendo un problema secundario.

Tratamiento:

Lamentablemente esta enfermedad no tiene un tratamiento efectivo. Será necesario tratar los problemas secundarios a la aparición de la atrofia como las cataratas y la posible uveítis o glaucoma secundario a éstas.

Es muy importante eliminar de la cría a perros que tengan esta enfermedad a través de la castración. Siempre que se quiera un perro de una raza con predisposición racial a padecer atrofia progresiva de retina será necesario pedir un certificado de libre de enfermedad para asegurar que se le han realizado las pruebas genéticas pertinentes para asegurarse que no es portador.

Irene Martinez

Médica Veterinaria

10 curiosidades importantes sobre cães

1. Regra geral, a maioria dos cães aprecia mais o cheiro do que o sabor da ração.

O cheiro muito intenso da alimentação pode despertar o interesse de uns, mas não ser apreciado por outros. Tal como as pessoas, também os cães têm gostos diferentes!

 

2. Os cães conseguem ouvir frequências de som de 10 Hz a 40000 Hz.

Já os humanos conseguem ouvir sons de 20 Hz a 20000 Hz. Por isso é que os nossos amigos ouvem ‘apitos para cães’ que os humanos não conseguem ouvir. Quando o nosso amigo está de orelhas levantadas e atento a algo, sem percebermos o motivo, será que está a ouvir um som imperceptível ao ouvido humano?

 

3. Os cães manifestam estados de emoção através da cauda.

Podemos lê-los através da posição dela!

 

4. Os cães vêm o mundo diferente dos humanos.

Apesar de os cães conseguirem ver a cores, as que conseguem identificar melhor é o amarelo e o azul.

 

5. As vogais mais sonantes para os cães são o ‘a’ e o ‘i’.

Idealmente os nomes para os nossos amigos deveriam ter 2 sílabas e uma destas letras. Quais os nomes de cães mais comuns?

 

6. A retina dos cães (fundo do olho) é colorida, enquanto que a do ser humano não.

Por isso é que os olhos dos cães ficam brilhantes à noite ou em fotografias com flash.

 

7. O faro dos cães é ‘muito apurado’ graças à quantidade de células olfativas que possuem.

Cerca de 200 milhões (o homem possui apenas cerca de 5 milhões)!

 

8. As almofadas plantares dos cães são sensíveis à temperatura, e não toleram temperaturas muito altas!

Passear com os cães na altura do verão em zonas com chão muito quente não é uma boa ideia. Para confirmar se o chão é seguro para o cão passear, coloque a mão no solo e veja se a temperatura é tolerada por si ou não.

 

9. Os cães não transpiram como os humanos!

A libertação de calor é feita através da transpiração pelas almofadas plantares,  através da vasodilatação e da respiração (por isso é que arfam muito com o calor).

 

10. A língua da maioria dos cães é cor de rosa, à exceção de raças como o Chow Chow e o Shar Pei que têm a língua azul.

Em cães que não são desta raça, a presença de língua azul significa que a oxigenação não está a ser eficaz!

 

Daniela Leal

Médica Veterinária de Animais de Companhia