10 dicas alimentares saudáveis para o meu cão

10 dicas alimentares saudáveis para o meu cão

Confira algumas dicas que pode por em prática para alimentar saudavelmente o seu patudo:

1. A alimentação saudável é conseguida através da seleção de uma ração de boa qualidade. Veja aqui o artigo sobre “Como escolher uma boa ração para o meu cão”;

 

2. Caso a alimentação seja BARF, deverá optar por alimentos ricos nutricionalmente, como uma variedade de vegetais (brócolos, cenouras, espinafres, etc.) e de carne e vísceras selecionadas (de frango, perú, cordeiro, vaca, etc.);

 

3. Deixe sempre água à disposição;

 

4. Escolha os melhores snacks “extra refeição”: deixe de fora snacks condimentados ou com muita gordura. Pode optar por snacks naturais (Naturea Dental Stick, por exemplo) ou então pode fazer em casa snacks de fruta e legumes. Porque não optar por snacks de cenoura e maçã?

 

5. Mesmo que forneça dieta à base de ração, poderá juntar alimentos à ração diária;

 

6. Salmão cozinhado (sem espinhas) para melhorar a qualidade do pelo e da pele;

 

7. Bocadinhos de frango cozido em água para melhorar a qualidade proteica da alimentação e permitir um crescimento muscular equilibrado;

 

8. Salada de vegetais semanal, fonte de vitaminas e minerais e com propriedades de estimulação imunitária e anticancerígena: introduza na alimentação semanal uma mistura de brócolos, cenouras e espinafres cozidos em água e com um fio de azeite;

 

9. Salada de fruta semanal, fonte de antioxidantes e vitaminas: introduza na alimentação semanal uma mistura de maça, banana, manga e pera. Deve retirar a casca e os caroços;

 

10. Não faça muitas misturas seguidas! Utilize as dicas de alimentação de forma espaçada, para que o trato gastrointestinal não reaja de forma inadequada à introdução dos diferentes alimentos 😊

 

Patrícia Cardoso

Dona da Kia

Obesidad canina: Cómo identificarla

Cani in sovrappeso

¿Cuándo se considera obesidad?

Se considerará que un perro sufre sobrepeso cuando su peso sobrepase en un 10% su peso ideal. En el caso de la obesidad, el perro pesará al menos un 20% más de lo que debería pesar.

Existe una guía práctica para reconocer el condición corporal de nuestra mascota, útil para saber si nuestro perro sufre o no obesidad o sobrepeso. Nos encontramos antes 5 posibilidades:

  • Perro muy delgado: el peso del perro estará entre el 10-20% por debajo de su
    peso ideal. En estos perros podemos ver con facilidad las costillas, pelvis y
    otros salientes óseos. Hay pérdida de masa muscular y la grasa es ausente.
  • Perro delgado: peso 10% menor al peso ideal. Se observa la cintura fácilmente.
    Grasa mínima en abdomen. Se pueden ver costillas, columnas, huesos de
    cadera y hombros.
  • Peso ideal: las costillas y salientes óseos no se observan a simple vista pero si
    que pueden palparse con facilidad. Cintura. Poca grasa en abdomen.
  • Perro con sobrepeso: peso un 10% superior al ideal. Las costillas y columna se pueden palpar con algo de dificultad. No se diferencia la cintura. Abdomen
    colgante. Exceso de grasa.
  • Perro con obesidad: peso 20% superior al peso ideal. No se pueden palpar
    costillas ni columna. Gran cantidad de grasa, sobretodo en algunas
    localizaciones (abdomen, tórax…). Abdomen péndulo. Alto riesgo de
    enfermedad.

 

Síntomas para identificar la obesidad en nuestro perro:

Los síntomas que podemos observar en nuestra mascota, y que deberán alarmarnos son:

  • Dificultad para moverse;
  • Intolerancia al ejercicio;
  • No se palpan costillas ni columna;
  • Dificultad para subir y bajar escaleras;
  • Problemas respiratorios (jadeo excesivo, frecuencia respiratoria alta);
  • Problemas articulares frecuentes (cojeras).

Ante estos síntomas es importante acudir cuanto antes a consulta y poner remedio a esta situación.

Para saber más de la obesidad canina y su tratamiento ver artículos:

Obesidad canina: guía de tratamiento

Obesidad en perros: ¿Cómo identificarlo?

 

Irene Martínez
Médica Veterinaria

Receita: Biscoitos caseiros de banana e aveia

Receita: Biscoitos caseiros de banana e aveia

Ingredientes:

  • Uma banana
  • 150gr de farinha de aveia
  • 70gr de flocos de aveia
  • 1 colher sopa de salsa seca
  • 3 colheres de sopa de pasta de amendoim
  • 1 ovo

 

Modo de preparação:

  1. Pré-aquecer o forno a 170ºC
  2. Esmague a banana com auxílio de um garfo
  3. Misture todos os ingredientes e adicione o puré de banana
  4. Deixe repousar 5 minutos à temperatura ambiente
  5. Divida a massa em pequenas bolinhas e coloque num tabuleiro, previamente
    forrado com papel vegetal
  6. Com de um rolo de cozinha ou com ajuda de um garfo estique a massa para
    formar pequenas bolachas
  7. Leve ao forno durante 40 minutos

Deixe arrefecer e bom apetite para o seu Patuto 😊

 

Filipa Calejo
Médica Veterinária de Animais de Companhia

Como identificar se dou uma boa ração ao meu cão?

cane che mangia crocchette grain free

Como ler os rótulos da ração?

Na leitura dos rótulos deve ter em consideração três coisas: a composição, as percentagens e a quantidade de ração que deve administrar consoante o peso. A junção destas três informações permite efetuar uma análise nutricional da ração.

 

O que importa na composição?

A composição da ração é essencial para perceber se a ração que está a fornecer ao seu cão é de boa qualidade ou não. Deve ter em atenção alguns pontos:

  • A descrição dos ingredientes deve ser o mais pormenorizada possível (o tipo de carne incorporada deve estar discriminado, o tipo de cereais e gorduras também);
  • Idealmente a fonte proteica deve vir em primeiro lugar na composição (invés de “cereais”, por exemplo);
  • A fonte proteica incluída deve ter origem em proteína fresca, desidratada ou hidrolisada e não em farinha;
  • Deve conter uma composição variada, que incorpore legumes e frutas discriminados;
  • A inclusão de suplementos (para a pele, para as articulações, para a manutenção do peso, para a manutenção da saúde intestinal) atribuem à ração uma qualidade acrescida. Condroitina, glucosamina, óleo de salmão, L-carnitina, Yucca Schidigera, Psyllium são alguns exemplos.

 

E na percentagem?

As percentagens de proteína, hidratos de carbono, gordura e fibra vêm discriminadas em todas as rações. De acordo com a FEDIAF (European Pet Food Industry Federation), existem percentagens mínimas de proteína (por exemplo) que devem ser incluídas em diferentes fases da vida. Contudo, existem rações mais ou menos ricas em proteína (apesar de todas se encontrarem acima do valor mínimo exigido).

As percentagens são importantes, contudo não são suficientes para que possa ser feita uma análise completa e correta da ração. Uma ração pode ser alta em percentagem de proteína, mas a fonte proteica pode ter uma qualidade nutricional e um valor biológico baixo. O mesmo acontece com os restantes grupos alimentares incluídos na ração. O ideal é que as percentagens tenham valores ideais para a condição e necessidade do animal em questão e que a composição garanta uma fonte de qualidade.

 

As quantidades diárias recomendadas são alvo de avaliação?

Sim. As quantidades diárias de ração recomendadas para um determinado peso fornecem indiretamente a informação sobre a digestibilidade da ração.

A digestibilidade da ração está relacionada com a capacidade de aproveitamento dos nutrientes a nível intestinal. Quanto mais digestível for uma ração, mais nutrientes são aproveitados pelo organismo durante a digestão do alimento. Como tal, em rações altamente digestíveis a
quantidade diária necessária é inferior e a quantidade de fezes produzida também será menor.

 

Há uma ração ideal para todos os cães?

Não. A escolha da ração deve ser adaptada a cada animal, consoante a raça, o estilo de vida e a fase de crescimento (puppy, adulto e sénior). A alimentação escolhida deve ter em conta possíveis patologias ou predisposições para patologias que o animal possa ter.

Independentemente da escolha da ração consoante a fase de crescimento e a existência de uma patologia, a qualidade da ração deve ser um fator que deve ser tido sempre em conta.

Daniela Leal
Médica Veterinária de Animais de Companhia

Temperamento de un Golden Retriever

Temperamento de un Golden Retriever

El Golden Retriever

Ellos siempre tendrán ganas de agradar de ahí que son perros que responden muy bien al adiestramiento en obediencia, hecho que los hace una raza muy popular. A estos perros les gusta trabajar y responden muy bien al trabajo con estímulo positivo.

Son perros files y sensibles de ahí que con un trato duro o injusto no sacara nada bueno de él.

 

¿Como se lleva con otros perros?

Gracias a su temperamento los Golden Retriever tienden a llevarse muy bien con otros perros, es una raza que no tiende a crear peleas mas bien las evita, ya que no suelen ser ni territoriales ni autoritarios. Pero su fuerte instinto de presa puede llegar a ser molestos para algunos perros pequeños. Igualmente es una buena opción para las personas que les gusta tener varios perros.

 

¿Puede ser un perro guardián?

El Golden Retriever no tiene ningún instinto de perro guardia, lo único que podría hacer es dar un ladrido de alerta cuando perciba algún extraño cerca de la propiedad.
De hecho, es tan amigable que una vez dentro de la casa cualquier extraño pasa a ser su amigo. Es un perro que nunca va a morder, excepto que tenga un desequilibrio emocional o en respuesta a una agresión.

 

¿Puede tener problemas de comportamiento?

Esta raza de perros suele ser muy equilibrada, por lo que no suele presentar
problemas de comportamiento importantes. Esto se debe a que en sus orígenes se fueron seleccionando ejemplares de carácter equilibrado, ya que su propósito era recoger de las aves que los cazadores abatían. Por lo que se buscaba obtener perros tranquilos y silenciosos para soportar largas horas de espera junto a sus dueños.

 

Raquel Hernandez
Veterinaria de pequeños animales

Eutanásia – quando tomar a decisão?

leishmaniosi

Quando devo pensar em eutanásia?

Quando estamos perante um animal em que a morte é inevitável e o seu estado de saúde tem vindo a sofrer uma degradação lenta. Ponderamos a eutanásia como uma forma de interromper o sofrimento, deverá sempre ser discutido com o seu médico veterinário.

 

Em que consiste?

É um procedimentos realizado pelo médico veterinário, geralmente precedido por uma anestesia. O pretendido é garantir uma morte sem dor nem ansiedade.

Em regra geral é administrado um barbitúrico, o pentobarbital por via endovenosa (também poderá ser administrado por via intra-cardíaca). Este
fármaco provoca uma depressão no sistema nervoso conduzindo a uma paragem cardio-respiratória.

 

É processo lento?

Não, após administração do fármaco pode demorar apenas alguns segundos.

 

Os animais sofrem?

Não, é um procedimento indolor. A anestesia permite uma perda de consciência garantindo uma morte sem ansiedade.

 

Posso assistir?

Sim, poderá estar presente durante o procedimento.

 

O que fazer após a eutanásia?

Existem algumas alternativas como a cremação (individual ou colectiva) ou
cemitério de animais.

 

Filipa Calejo
Médica Veterinária de Animais de Companhia

¿Cómo cuidar el pelo del Golden Retriever?

Cómo cuidar el pelo del Golden Retriever

En este caso, como cuidare el precioso pelaje dorado de mi Golden
Retriever, esto dependerá de varios factores que mencionare en el
articulo.

 

Piel Sana

Que tu perro tenga una piel sana, es un punto para un pelaje sano,
ya que la piel es la fuente de alimento del pelo. Recuerda usar
champús adecuado para perro que hidraten y nutran el cuero
cabelludo y mantengan libre de infecciones.

 

Alimentación

Una buena alimentación, este es un punto critico para tener una piel
y pelo sano. Por lo que se debemos darle una dieta balanceada,
con aportes correctos de proteínas, fibras, carbohidratos, así como
ácidos grasos esenciales omega 3 y omega6 y antioxidantes.
Lo bueno es que hoy en día puedes conseguir alimentos Premium
que contienen todo lo que tu perro necesita.

 

Frecuencia de cepillado

Debo hacerlo con regularidad, el cepillado es importante ya que
además de evitar que el pelo se enrede, este estimula la irrigación
del cuero cabelludo y también el masaje estimula la piel.
El cepillado se recomienda hacerse diariamente o al menos 1 vez a
la semana, esto ayuda a eliminar el pelo muerto. El Golden al tener
el pelo grueso y semilargo no suelen hacérseles grandes nudos,
aun así, debemos prestar atención a las áreas de lo muslos, axilas y
detrás de las orejas donde suele enredarse mas el pelo. El cepillado
debe hacerse desde la cabeza hasta la punta de la cola, estos
perros tienen capas profundas de pelo por lo que tendrás que
levantar el pelo con la mano mientras cepillas las capas mas
profundas.
Te aconsejo utilizar un cepillo de cerdas metálicas o específicos
para este pelaje, siempre es importante consultar en la tienda cual
es el mas recomendado.

 

Frecuencia de Baño

Este debe hacerse 1 vez al mes, por su afinidad al agua no tendrás
gran problema al bañarlo. Recuerda utilizar champús neutro para
perro o alguno que realce su color dorado. También siempre se
aconseja aplicarles acondicionador para facilitar el cepillado y darle
brillo al pelo. Recuerda que siempre después de un gran baño es
importante secarlos correctamente, utiliza secador con aire tibio
nunca caliente.
Entre los baños puedes utilizar los baños secos que ayudaran a
mantener a tu perro limpio aparte de que tienen ricas fragancias.

 

Se le cae mucho pelo a mi perro

La caída de pelo es algo común, lo difícil será explicar cuanto es
normal, ya que muchas veces esto dependerá de la perspectiva de
cada dueño. Lo que si debemos tener en cuenta es que existen dos
mudas de pelo al año, una en verano y la otra en invierno.
También hay que tener en cuenta que hay un recambio permanente
de pelo, por lo que siempre se caerá.

 

Cuando visitar al Veterinario

Existen factores que pueden causar una caída anormal como el
estrés, alimentación, infecciones parasitarias, alergias y patologías
en estos casos debemos acudir a nuestro veterinario de confianza.

 

Raquel Hernandez
Veterinaria de pequeños animales

Sabe que idade tem realmente o seu cão?

Sabe que idade tem realmente o seu cão?

Porque não podemos multiplicar por 7 para converter em “idade humana”?

Não é assim tão simples, não existe uma regra para comparar a idade do cão com a idade do ser humano, uma vez que o desenvolvimento destes não ocorre à mesma velocidade.

O metabolismo do cão é mais acelerado que o do ser humano, e por essa razão não é possível fazer uma correspondência de formar tão linear para a idade humana.

 

É necessário ter em consideração a raça?

Sim, nem todas as raças envelhecem à mesma velocidade e por isso é necessário ter em consideração o tamanho do cão.

  • Cães de grande porte são considerados adultos mais tarde, mas sénior mais cedo e, portanto, a esperança média de vida é inferior comparativamente a cães de raça pequena;
  • Em contrapartida, cães de pequeno porte são considerados adultos mais cedo mas sénior mais tarde e a esperança média de vida é superior comparativamente a cães de raça grande.

 

É possível comparar as etapas de crescimento entre o cão e o homem?

Sim, apesar do desenvolvimento do cão ser mais rápido que o do homem,
podemos comparar algumas fases de crescimento.

  • O aparecimento dos primeiros dentes ocorre aos 15 dias no cachorro,
    enquanto que no bebé entre os 6-7 meses. Os dentes de leite começam a
    cair para dar origem à dentição definitiva por volta dos 5-6 anos nas
    crianças e nos cachorros aos 4 meses;
  • Os cachorros têm movimentos coordenados e independentes até aos 2
    meses de vida, as crianças apenas têm o controlo total dos movimentos
    aos 2 anos de idade;
  • Relativamente ao desenvolvimento sexual temos que ter em consideração
    a raça:
    Raças pequenas: 5-6 meses;
    Raças médias: 8-9 meses;
    Raças grandes: 10-11 meses;
    Raças gigantes: 13-14 meses;

 

Filipa Calejo
Médica Veterinária de Animais de Companhia

Papilomatose Canina – o que é?

Papilomatose Canina – o que é?

Como se transmite a Papilomatose Canina?

Pelo contacto direto ou indireto (saliva ou sangue) entre cães. Não é transmissível ao ser humano nem a outras espécies. Sem tendência de raça ou sexo, no entanto animais imunodeprimidos e jovens têm maior risco de desenvolver a doença.

Quando suspeitar de Papilomatose?

Na presença de uma massa semelhante a uma verruga, geralmente na zona da boca, mas também poderá aparecer na mucosa ocular, genital e na pele. De
tamanho variável, consistência dura e cor variável, poderá lembrar uma couve-flor.

Como frequentemente se localiza na cavidade oral, os sinais clínicos incluem halitose, sialorreia (salivação excessiva) e dificuldade/dor na mastigação. Em caso de ulceração, podem tornar-se hemorrágicas e causar infecções secundárias.

 

Como ter a certeza que é Papilomatose?

Através de uma biópsia e posterior exame histopatológico realizado pelo seu médico veterinário.

 

Existe tratamento para Papilomatose Canina?

Sim, através de excisão cirúrgica com bom prognóstico.

 

A resolução cirúrgica é obrigatória em todos os cães?

Não, por vezes ocorre resolução espontânea.

 

Filipa Calejo
Médica Veterinária de Animais de Companhia

Obesidad canina: Guía de tratamiento

Obesidad canina: Guía de tratamiento

¿Qué es la obesidad canina?

La obesidad es el aumento de peso por encima del 20% del peso ideal del perro. Este aumento de peso puede suponer un grave riesgo para la vida del animal ya que puede predisponer a padecer otras enfermedades como diabetes, enfermedades cardíacas y respiratorias, problemas articulares, entre otras.

 

Causas que pueden predisponer a su aparición:

Entre las causas que pueden favorecer la aparición de la obesidad encontramos:

  • Exceso de calorías: debido a una alimentación inadecuada para su estilo de vida.
  • Sedentarismo: por la falta de ejercicio físico.
  • Dieta desequilibrada: alimentación de mala calidad, alta en grasa o con carencia o exceso en algunos nutrientes.
  • Enfermedades secundarias: enfermedades como diabetes, hiperadrenocorticismo o hipotiroidismo pueden provocar un aumento de peso rápido en nuestro perro.
  • Edad: los perros mayores, al realizar menos ejercicio, suelen aumentar de peso con mayor facilidad.
  • Raza: hay razas que tienen una mayor predisposición a sufrir obesidad como el Westy, Labrador, Cocker, Beagle, etc.
  • Medicamentos: algunos tratamientos a base de corticoides o para perros epilépticos pueden hacer aumentar de peso a nuestra mascota rápidamente.
  • Castración: no siempre, pero puede favorecer el aumento de peso en determinados casos.

 

Tratamiento para combatir la obesidad canina:

El tratamiento más eficaz consistirá principalmente en un cambio en la alimentación y del estilo de vida del animal.

  • Alimentación: se recomienda una alimentación alta en proteínas de calidad, baja en grasa y alta en fibra para favorecer la sensación de saciedad y baja en calorías. Es importante racionar o evitar el consumo de snacks o sobras de comida, sobretodo si son hipercalóricas. Para favorecer la pérdida de peso se recomienda siempre pesar la comida y suministrar la cantidad adecuada según el peso ideal del perro, no del peso que tiene actualmente. Se recomienda también dividir la ración diaria en al menos 2 tomas. Puede ser interesante el uso de juguetes interactivos para racionar el alimento en perros muy ansiosos con la comida.
  • Ejercicio: tan importante como la alimentación es evitar el sedentarismo. Si no está acostumbrado o tiene un peso excesivo empieza poco a poco, alargando
    los paseos paulatinamente. Una vez que aumente su resistencia es interesante otras actividades como correr y jugar al aire libre.

Una vez alcanzado el peso ideal será necesario un mantenimiento constante para evitar que nuestra mascota vuelva a engordar.

Para saber más de la obesidad canina ver: Obesidad en perros: ¿Cómo identificarlo?

 

Irene Martínez
Médica veterinaria