Mi perro tiene mal aliento, ¿por qué?

O meu cão tem mau hálito, porquê

Para poder conseguir esta higiene se necesita un cuidado diario, si no se realiza nuestro perro puede sufrir diferentes problemas dentales como gingivitis y periodontitis, caída de dientes, mal aliento y otros problemas más graves como endocarditis.

 

¿Qué problemas dentales podemos encontrar y cómo ocurren?

Entre los problemas dentales más característicos de una deficiente higiene oral encontramos los mismo que afectan a personas:

  • Proliferación de bacterias en la boca, conocida como placa dental.
  • Sarro, consecuencia de la continua acumulación de placa dental que llega a cristalizar y endurecerse sobre los dientes.
  • Gingivitis, debida a la retracción de las encías provocada por el sarro, pudiendo quedar la raíz dental al descubierto.
  • Periodontitis, que es la evolución de la gingivitis, afectando al hueso cercano y otras estructuras más internas.

 

¿Qué síntomas podemos observar?

Al principio, puede ser visible en la línea gingival (unión de la encía y el diente) una pequeña inflamación. Si no se pone solución la placa seguirá acumulándose dando lugar a:

  • Mal aliento (halitosis).
  • Enrojecimiento de encías.
  • Sangrado de encías.
  • Formación de sarro (placa marrón).
  • Úlceras gingivales.
  • Caída de dientes.
  • Dolor y, por tanto, pérdida de apetito.
  • Pus.
  • Hipersalivación.
  • Infecciones en otras localizaciones: endocarditis (dando lugar a problemas cardíacos).
  • Problemas digestivos.

 

Causas más comunes de la aparición de sarro:

Hay algunas razas más propensas a que formen sarro. Por lo general, los perros de raza pequeña tienen más tendencia a padecer problemas dentales. Esto puede ser debido a una mayor alimentación con comida húmeda o tamaño de croqueta menor, por lo que mastican menos el alimento.

Otras de las causas posibles es la acidez de la saliva y el tamaño y conformación de los dientes, que hacen que se acumule comida y bacterias con mayor facilidad en perros de menor tamaño.

 

Prevención y tratamiento:

Si el animal presenta ya gran cantidad de sarro y gingivitis la única solución es someterlo a una limpieza dental con anestesia general. En estos casos será conveniente dar, antes de la limpieza, varios días de antibiótico para reducir al máximo la carga bacteriana.

Una vez eliminado este sarro y las piezas dentales que sean necesarias, se puede empezar con la higiene dental desde cero para prevenir que se repita el problema.

El mejor método para prevenir la formación de sarro es el cepillado diario. Existen en el mercado una gran gama de pastas dentríficas especiales para nuestras mascotas. Estas pastas contienen enzimas para ayudar a la eliminación de la placa dental y las pueden ingerir sin problema. Algunos perros son más reacios al cepillado, por lo que existen otros productos que se pueden usar para mantener la salud dental, por ejemplo:

  • Algas: se trata de un pulverizado de algas que se añaden al alimento y reducen el mal aliento y formación de placa.
  • Spray dental: es un líquido antiséptico que se pulveriza sobre la encía del animal sin necesidad de cepillado.
  • Colutorio: líquido antiséptico (similar al spray) que se mezcla con el agua de bebida y favorece la eliminación de bacterias y el buen aliento.
  • Sticks dentales: palos dentales que favorecen la masticación y ayudan a la eliminación de la placa dental. Existe una gran variedad en el mercado.
  • Huesos recreativos: huesos de gran tamaño que necesitan masticar y ayudan a eliminar la placa y el sarro.
  • Juguetes especiales para favorecer la masticación.
  • Piensos especiales: algunas marcas de pienso tienen gamas específicas para ayudar a la salud dental. El punto más importante es el tamaño de la croqueta, deberá ser lo más grande que al animal acepte para que así tenga que masticarla.

Mantener una correcta higiene dental es importante para que nuestro perro tenga una buena salud.

 

Irene Martínez

Médica veterinaria

¿Cuáles son los efectos de la procesionaria?

procesionaria perros

Este insecto, tan común en la zona mediterránea, puede provocar desde problemas dérmicos leves hasta shocks anafilácticos graves en nuestras mascotas.

 

¿Qué es la procesionaria del pino?

La procesionaria del pino es un lepidóptero nocturno cuyo nombre científico es Thaumatopea pytocampa. No es otra cosa que un tipo de oruga que tiene en su cuerpo unos 500.000 pelos urticantes que, en contacto con piel o mucosas, pueden provocar una reacción alérgica de diferente gravedad.

Su ciclo comienza en verano, cuando las mariposas salen de la tierra y procrean, depositando los huevos en las agujas de los pinos. Después de unas semanas estos huevos eclosionan, apareciendo la oruga que pasará por 4 fases, teniendo la capacidad urticante ya en la fase 2. Para terminar su crecimiento construyen unos nidos de seda característicos en las ramas de los pinos, donde se alojan gran cantidad de orugas. Una vez acaba el invierno y empieza a subir la temperatura, estas orugas bajan del nido, guiadas por una de las hembras que teje un hilo conductor, que seguirán una tras otra, fomando así la forma típica por lo que se conocen como procesionaria. Siguen esta “procesión” hasta que encuentran un sitio perfecto para enterrarse y evolucionar hasta la fase de mariposa de nuevo y completar el ciclo.

Por tanto, el momento más peligroso para nuestras mascotas será la fase de enterramiento, donde se forman estas cadenas de orugas, tan curiosas para animales como el perro.

 

¿Qué síntomas provoca?

Los perros son las víctimas más frecuentes afectadas por el contacto con las orugas. El contacto puede darse con la hilera de orugas, con los nidos caídos al suelo, que están llenos de pelos urticantes y restos, o incluso son pelos llevados por el viento.

El contacto más frecuenta es la mucosa oral, al lamer o tragar el animal alguna de estas orugas. Entre los síntomas más habituales que podemos encontrarnos están:

  • Dolor y picor en la zona de la boca.
  • Hipersalivación.
  • Nerviosismo.
  • Inflamación de la mucosa oral (estomatitis) que puede afectar a lengua (glositis) o labios (queilitis). Esta inflamación puede evolucionar, si no se trata, a una estomatitis ulcerativa con pérdida de tejidos.
  • Aumento de temperatua.
  • Inflamación de hocico y párpados.
  • Habones en todo el cuerpo.
  • Rinitis.
  • Vómitos debidos a la reacción alérgica o ingestión.
  • Úlceras corneales si los pelos urticantes entran en contacto con los ojos.
  • En caso de ingestión los síntomas pueden ser más graves: problemas respiratorios por oclusión de tráquea, problemas de coagulación, edema.
  • Convulsiones.
  • Puede provocar la muerte del animal en casos muy graves.

Los síntomas y gravedad dependerán de la zona con la que tienen contacto estos filamentos urticantes, de la duración de este contacto y de la velocidad del tratamiento.

 

Primeros auxilios:

Un tratamiento precoz será importante para minimizar los síntomas. Si es posible, se acudirá a consulta lo antes posible. Si no es posible acudir en ese momento, es útil lavar la zona afectada con agua templada o vinagre, esto ayudará a inactivar la toxina urticante. También es útil lavar la zona con jabón neutro, siempre sin frotar ya que pueden romperse los filamentos urticantes y agravar los síntomas.

Una vez realizados los primeros auxilios será necesario acudir a consulta, donde el veterinario le instaurará un tratamiento para reducir la reacción alérgica y los posibles síntomas secundarios por el contacto.

El tratamiento habitual en consulta, si no existen más complicaciones, será:

  • Terapia de corticoides de acción rápida.
  • Antihistamínicos.
  • Antibióticos para prevenir infecciones secundarias.
  • Protectores gástricos.

De forma preventiva, se aconseja no pasear con nuestros perros por zonas de pinos durante el período primaveral.

Irene Martínez

Médica Veterinaria

Otite canina: Sintomas e tratamento

Otite canina: Sintomas e tratamento

A otite externa é de todas a mais comum e representa uma percentagem significativa das consultas nas clínicas veterinárias.

 

Fatores predisponentes

De facto, o pavilhão auricular de algumas raças (como o Cocker Spaniel) está predisposto ao aparecimento de otites com alguma frequência, dada a conformação do canal auditivo. Cães com alergias dermatológicas e alimentares estão igualmente predispostos, uma vez que as reações alérgicas fazem com que o pavilhão auricular fique eritematoso e espessado, criando um meio ótimo para o crescimento de bactérias e fungos que, em última estância, são os causadores das otites.

 

Como diagnosticar?

Se em casa o cão abana com mais frequência a cabeça, coça consecutivamente as orelhas e o pavilhão auricular apresenta cera (muita das vezes escura) e tem um cheiro mais intenso, convém ser visto por um veterinário.

O diagnóstico de otite no veterinário, na maioria das vezes, é rápido e fácil:

  • O ouvido é observado com o otoscópio e são retiradas amostras da cera produzida no pavilhão auricular;
  • É realizada uma citologia para observação ao microscópio do tipo de microrganismos que estão envolvidos na otite em questão;
  • Quando existe um grande crescimento de bactérias, está recomenda a realização de cultura bacteriológica com antibiograma de forma a instituir um tratamento antibiótico especificamente direcionado para a bactéria encontrada na cultura.

As otites mais frequentes em cães são provocadas pelos seguintes microrganismos: Malassezia spp., Staphylococcus aureus e Pseudomonas.

 

Instituição do tratamento

Quando a otite já está instalada, e agravada por infeção, a limpeza simples do pavilhão auricular sem soluções de tratamento raramente é eficaz. O tratamento da causa de otite é feito, essencialmente, à base de produtos de tratamento tópicos no canal auditivo, que diferem consoante o tipo de otite presente (por exemplo, Oridermyl® e Conofite®, os medicamento devem ser receitados pelo médico veterinário). Por vezes, e principalmente em situações em que há um prurido intenso associado a espessamento do canal auditivo, é instituído tratamento oral numa fase inicial com o objetivo de ajudar a desinflamar o pavilhão auricular. Associado ao tratamento, é igualmente importante controlar os fatores predisponentes que levam ao aparecimento consecutivo das otites, como por exemplo mudança de ração (principalmente em cães com alergia alimentar), contacto com alergénios ambientais ou agressões físicas consecutivas.

 

O que pode vir associada à otite externa?

Em casos de otites externas cujo prurido e dor são tão intensos que levam o animal a abanar consecutivamente a cabeça, podem surgir otohematomas associados, que não conseguem ser facilmente drenados pelo organismo (são acumulações de líquido serosanguinolento entre a pele e a cartilagem da orelha – a orelha fica “inchada”). O tratamento dos otohematomas passa pela drenagem do líquido e é feito sob anestesia geral. São ainda realizadas fissuras na pele das orelhas, mediante diferentes técnicas cirúrgicas, que permitem que o líquido serosanguinolento não se volte a acumular.

As otites média e interna são inflamações do ouvido médio e interno, respetivamente, e ocorrem com menos frequência. Nestes casos o cão pode apresentar a cabeça lateralizada e descoordenação do movimento. O tratamento difere do descrito anteriormente e irá depender da causa.

Daniela Leal
Médica Veterinária de Animais de Companhia

Que patologias são mais comuns em cada raça?

patologias raças

A seleção genética permitiu realçar as características físicas típicas de cada raça. Contudo, com a seleção genética surgiram também um conjunto de patologias associadas a cada raça:

  • Basset Hound: Dada a sua conformação, o aparecimento de otites, entropion e ectropion (má conformação das pálpebras inferiores) são bastante frequentes. A raça está também predisposta ao aparecimento de seborreia primária (descamação da pele), pododermatites (inflamações da pele na zona interdigital), patologia cardíaca (defeito do septo ventricular) e formação de cálculos nas vias urinárias (urólitos de cistina);
  • Beagle: Patologias da coluna (doenças do disco intervertebral) e uma patologia específica que afeta o rim (amiloidose renal) estão descritas;
  • Boston Terrier: Apresentam tipicamente problemas de pele (dermatite atópica e melanoma são os mais frequentes). Está descrita nos Terrier em geral uma alteração genética capaz de provocar luxação anterior do cristalino primária (condição oftalmológica em que há alteração na posição da lente ocular);
  • Boxer: Cardiomiopatia dilatada e efusão pericárdica são dois problemas cardíacos que acometem cães adultos desta raça. Estão predispostos a desenvolver tumores de vários tipos: tumores cerebrais, insulinomas, histiocitomas cutâneos e mastocitomas são os mais reportados. Alergia alimentar, colite idiopática crónica (inflamação intestinal) e doenças do disco intervertebral (que cursam com alterações neurológicas e na marcha) são também muito comuns;
  • Bulldog Francês: Por terem uma conformação braquicefálica, manifestam quase sempre problemas respiratórios (o denominado síndrome braquicefálico, que comporta problemas como o alongamento do palato mole e a estenose das narinas – impossibilita a correta inspiração e entrada de ar). A dermatite atópica é também uma condição muito frequente. Flatulência devido a alterações no trato gastrointestinal são reportadas pela maioria dos donos de cães desta raça;
  • Bulldog Inglês: Tal como o Bulldog Francês, também o Bulldog Inglês apresenta problemas respiratórios graças à conformação braquicefálica. O acasalamento por monta natural é difícil, pelo que a inseminação artificial está recomendada;
  • Caniche: Aptidão genética para o desenvolvimento de cataratas. É uma das raças predisposta ao desenvolvimento de degeneração das válvulas cardíacas em idades geriátricas;
  • Cavalier King Charles: Problemas cardíacos, nomeadamente endocardiose valvular, são muito frequentes. Queratoconjuntivite seca, distiquíase e cataratas (condições oftalmológicas) estão também descritas;
  • Chihuahua: Predispostos a alterações cardíacas congénitas (animais nascem com o problema), sendo a mais frequente o ducto arterioso persistente (resolve-se cirurgicamente). Os machos estão predispostos ao criptorquidismo (posição anormal do testículo) e aos tumores testiculares. Alterações a nível cranial e cervical são frequentes, nomeadamente o aparecimento de patologias como a subluxação atlantoaxial e a hidrocefalia, que podem provocar sinais neurológicos. A raça possui também alterações genéticas que predispõem ao aparecimento de patologias oculares (glaucoma e luxação do cristalino);
  • Chow Chow: Caracterizada por ter a língua azul, está predisposta ao desenvolvimento de doenças como: hipotiroidismo, neoplasias (linfossarcoma e melanoma) e patologias oculares (glaucoma, entropion e ectropion);
  • Cocker Spaniel: Graças à conformação do pavilhão auricular e ao comprimento das orelhas, o aparecimento de otites é muito frequente. Problemas de pele, principalmente seborreia e pododermatites, ocorrem frequentemente;
  • Dálmata: Devido à falta de uma enzima, estão predispostos à formação de cálculos de urato no sistema urinário. Doença do disco intervertebral e problemas dermatológicos, mais comumente a atopia e a dermatite por exposição solar, são também frequentes;
  • Dobermann: Esta é a raça mais predisposta ao desenvolvimento de uma patologia cardíaca que faz com que as câmaras cardíacas se dilatem  – cardiomiopatia dilatada. Dado serem cães grandes de peito profundo, a torção gástrica é uma patologia também frequente. Estão predispostos ao aparecimento de tumores como o melanoma e o histiocitoma cutâneo. Síndrome de Wobbler (patologia neurológica que afeta as vértebras) está particularmente descrita nesta raça;
  • Labrador: São frequentes patologias cardíacas congénitas e idiopáticas (displasia tricúspide, ducto arterioso persistente e efusão pericárdica). É típico dos labradores apresentarem alergias e problemas de pele, mais especificamente dermatite atópica. A despigmentação nasal é comum em Labrador de pelo branco. Estão predispostos a apresentar alterações hereditárias que levam ao aparecimento de displasia da anca. Patologias oftalmológicas de caráter genético, como as cataratas e o glaucoma primário, estão igualmente descritas;
  • Pastor Alemão: A displasia da anca e do cotovelo são muito frequentes, resultando de alterações genéticas hereditárias. A torção gástrica é muito provável graças à conformação destes cães. Infeções e alergias de pele, alergias alimentares e insuficiência pancreática exócrina são patologias típicas, e que se manifestam desde a idade jovem. Discoespondilite e mielopatia degenerativa são duas condições neurológicas características dos Pastores Alemães – podem provocar paralisia dos membros. Está descrita uma patologia oftalmológica de raça – queratite superficial crónica (Pannus) – em que ocorre fotossensibilidade e os animais necessitam de utilizar óculos de sol, para além de medicação tópica ocular;
  • Staffordshire Terrier: Dada a conformação dos membros, são suscetíveis à rutura do ligamento cruzado (ligamento do joelho). Está descrita nesta raça a ocorrência de atrofia progressiva da retina (patologia oftalmológica que causa cegueira);
  • Teckel: Raça condrodistrófica em que as hérnias discais são muito comuns (dado o facto de a coluna ser muito extensa para o tamanho dos membros). É comum a presença de displasia folicular (alteração genética em que ocorre falta do crescimento de pelo em algumas zonas). Seborreia primária e celulite juvenil são patologias dermatológicas que ocorrem com alguma frequência. Alguns cães apresentam ducto arterioso persistente congénito.

Daniela Leal
Médica Veterinária de Animais de Companhia

 

 

Patologias cardíacas congénitas em cães

Patologias cardíacas congénitas em cães

Os sopros cardíacos em pediatria podem ser “inocentes” ou serem resultado de uma patologia cardíaca congénita. Convém que seja feita uma avaliação médico-veterinária para descartar a existência destas alterações, que podem comprometer a vida do animal.

 

Porque surgem as patologias cardíacas congénitas?

Podem resultar de alterações genéticas e malformações que surgem durante a gestação.

 

Quais as mais frequentes?

  • Persistência do 4º arco aórtico;
  • Ductus arterioso persistente;
  • Estenose pulmonar ou estenose sub-aórtica;
  • Defeitos no septo interventricular ou no septo interatrial;
  • Malformação das válvulas átrio-ventriculares;
  • Tetralogia de Fallot.

 

Existe predisposição racial?

Sim. Cães de raça normalmente são mais afetados devido à seleção genética. Determinadas raças estão mais predispostas ao aparecimento de alguns tipos de patologias. Contudo, qualquer cão pode ser afetado.

 

Como saber se um cão pode ter uma patologia cardíaca congénita?

Cães com patologias congénitas começam a manifestar sinais clínicos até aos 4 meses de idade. Contudo, as manifestações clínicas podem surgir posteriormente ou o animal pode manter-se assintomático durante a vida.

Os sinais clínicos mais comuns são cansaço, alterações na frequência cardíaca, dificuldades respiratórias (dispneia), alteração na cor das mucosas (língua menos rosada, azulada em alguns casos) e regurgitação da comida ingerida.

 

Como é feito o diagnóstico veterinário?

Através da história clínica e da auscultação de sopro cardíaco, o médico veterinário pode suspeitar da existência de uma patologia cardíaca congénita. O diagnóstico é feito através da realização de raio-x e  ecocardiografia.

 

Este tipo de patologias tem resolução?

A resolução é cirúrgica, quando a cirurgia é possível. Quanto mais tarde for feita a resolução cirúrgica, maior a probabilidade de o animal ficar com sequelas cardíacas (que vão surgindo durante o tempo em que o coração funciona sobre esforço enquanto permanece com o defeito congénito). As sequelas que surgem fruto do mau funcionamento cardíaco não têm resolução cirúrgica.

 

Depois de ser operado, o cão permanece com uma vida normal?

Sim, se o defeito cardíaco tiver sido resolvido cirurgicamente sem complicações e se não tiverem surgido sequelas.

Daniela Leal
Médica Veterinária de Animais de Companhia

 

 

Raiva Canina: qual o tratamento?

vermi cane

 

A raiva é uma doença é zoonótica, ou seja, pode ser transmitida ao ser humano e é responsável por 30 a 70 mil mortes humanas por ano (em África, na Ásia e na América do Sul). O prognóstico para animais infetados é mau, culminando na morte em poucos dias, pelo que é extremamente importante a vacinação contra a raiva (a partir dos 3-6 meses).

 

Qual é o vírus que causa a Raiva e como se transmite?

A Raiva é causada pelo vírus da Raiva, da família Rhabdoviridae. O vírus transmite-se através saliva (quando animais infetados mordem outros animais ou pessoas), e através do ar.

O vírus invade o organismo, atinge o sistema nervoso central do cão, provoca encefalite e leva à morte poucos dias após infeção. Afeta maioritariamente carnívoros mas todos os mamíferos são suscetíveis.

 

Que são as principais espécies “atacadas” pelo vírus da Raiva?

  • Raposa
  • Coiote
  • Cão
  • Morcego
  • Texugo
  • Guaxinim

 

Quais são os sintomas da Raiva?

Os sintomas numa primeira fase incluem alterações do comportamento, apatia e reações exageradas ao ruído e toque. Na fase seguinte a agressividade torna-se evidente, com a manifestação de comportamentos “enraivecidos” (mordem outros animais e objetos). Na última fase, os músculos da cabeça e do pescoço paralisam, há hipersalivação (salivam exageradamente), dificuldade em engolir, culminando na paralisa generalizada que leva à morte.

 

Como se pode tratar?

Não existe nenhum tratamento para a raiva.

É obrigatório que animais com suspeita de terem sido infetados pelo vírus da raiva, ou tenham estado em contacto com animais que sejam suspeitos de infeção, bem como animais não vacinados que tenham mordido outras pessoas ou animais, sejam colocados por ordem do médico veterinário municipal em isolamento durante pelo menos 15 dias (para averiguar o aparecimento de sinais clínicos), por questões de saúde pública. O tempo de quarentena poderá ser aumentando, dependendo do caso em questão.

 

Como prevenir a Raiva?

A prevenção passa pela vacinação, a partir dos 3-6 meses de idade. A revacinação atualmente é feita de 3 em 3 anos (tendo em conta o laboratório produtor da vacina administrada – informe-se com o seu médico veterinário na altura da vacinação).

 

Qual é o estado da Raiva em Portugal?

Em Portugal, a raiva está erradicada há alguns anos, tal como em muitos países do mundo. Contudo, o controlo mantém-se através da vacinação obrigatória de todos os cães.

Daniela Leal
Médica Veterinária de Animais de Companhia

Sarna demodécica: o que é e qual o tratamento?

Sarna demodécica: o que é

Existem 2 formas diferentes de sarna demodécica: a forma localizada e a forma generalizada. A forma generalizada afeta várias zonas do corpo, incluindo as patas e o focinho. A sarna demodécica, dependo da idade em que o animal manifesta os primeiros sinais clínicos, é designada como juvenil (aparece entre os 3 e os 8 meses) ou adulta (aparece posteriormente).

 

A transmissão entre animais ocorre?

O Demodex canis é transmitido da mãe para o cachorro por contacto direto nos primeiros dias de vida. Por volta das 16 semanas os cachorros começam a demonstrar sinais da doença, com o aparecimento de lesões de pele primariamente na zona do focinho – sarna demodécica juvenil.

O aparecimento de sarna demodécica generalizada no adulto deve-se à imunossupressão provocada por patologias como o hipotiroidismo, hiperadrenocorticismo, leishmanioseneoplasias (entre outros), bem como por terapia prolongada com corticosteróides.

 

É transmissível ao ser humano?

Não. Ao contrário da sarna sarcótica, a sarna demodécica não está identificada como sendo zoonótica.

 

Como suspeitar de sarna demodécica – sinais clínicos:

Alopécia (falta de pelo), eritema (pele vermelha) e descamação em diferentes zonas do corpo. Na forma localizada as lesões não costumam causar prurido (comichão), mas na forma generalizada muitas vezes há prurido associado ao aparecimento de pápulas, pústulas e crostas. As lesões com alopécia podem apresentar hiperpigmentação na zona onde há falha de pelo.

 

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico pode ser feito através da análise microscópica dos pelos (tricograma) ou mediante raspagem da pele, com o objetivo de se identificar a presença do parasita. Se a suspeita de sarna demodécica for grande, mas não se encontrar o parasita no tricograma, está recomendada a biópsia de pele das lesões.

 

Qual o tratamento que deve ser aplicado?

  • O tratamento médico consiste na administração de medicações acaricidas e tratamento das lesões secundárias. Como a recidiva ocorre com frequência, o tratamento deve manter-se até que hajam 2 tricograma negativos consecutivos intercalados de pelo menos 1 mês. O tratamento recentemente aprovado como mais eficaz é à base de fluralaner (em forma de comprimido administrado de 3 em 3 meses – Bravecto®). O tratamento promove igualmente proteção contra as pulgas e carraças. Banhos com substâncias acaricidas e a aplicação de injeções com avermectinas são tratamentos clássicos, contudo cada vez menos utilizados por serem mais trabalhosos. As pipetas à base de moxidectina (Advocat®) têm uma eficácia relativa. Contudo, quando utilizadas, devem ser aplicadas semanalmente. As fêmeas não castradas devem ser castradas, uma vez que a sintomatologia se acentua durante o estro.

 

Qual o prognóstico?

A sarna demodécica localizada normalmente, melhora em algumas semanas. A sarna demodécica juvenil generalizada pode recidivar mesmo após tratamento e melhoria clínica. A sarna demodécica generalizada no cão adulto requer tratamento acaricida e tratamento concorrente da causa predisponente, causadora de imunossupressão.

A sarna demodécica generalizada juvenil apresenta um componente hereditário, e como tal deve evitar-se que cães diagnosticados sejam utilizados para reprodução.

Daniela Leal
Médica Veterinária de Animais de Companhia

Cão com mau hálito: causas e tratamento

O meu cão tem mau hálito, porquê

O tártaro é prejudicial para a saúde oral?

Sim. É o principal responsável pelo mau hálito que muitas vezes provém da boca dos cães.

Para além disso, e como consiste numa acumulação de bactérias, provoca doença periodontal. As gengivas ficam inflamadas provocando dor. Em situações avançadas os animais podem mesmo deixar de comer. A doença periodontal pode levar à perda de dentes.

 

Existem cães mais predispostos?

As raças pequenas têm tendência para acumular tártaro com mais facilidade em comparação com raças grandes. A acumulação de tártaro fica mais frequente à medida que a idade avança.

 

Como suspeitar da acumulação de tártaro?

Interesse pela comida não a chegando a ingerir, dificuldade em mastigar, dentes bastante amarelos, gengivas vermelhas e mau hálito.

 

Como prevenir o seu aparecimento?

A escovagem dos dentes, com escovas de dentes e pastas dentífricas próprias para animais, deve ser feita regularmente. O fornecimento de ração seca e de snacks que estimulam os movimentos orais é também aconselhada. Estes hábitos apenas ajudam a evitar o aparecimento, não tendo ação contra o tártaro que já existe.

 

Como é feita a remoção da placa bacteriana?

A limpeza dos dentes, conhecida como destartarização, permite a remoção do tártaro que se acumula nos dentes. Regral geral, pelo facto de o animal não ficar imóvel, a destartarização é feita sob anestesia geral.

Os dentes são então limpos com material de dentisteria e o tártaro é retirado por completo. A viabilidade e saúde de cada dente é avaliada e dentes com a raiz danificada são removidos.

 

Riscos da destartarização

O risco da destartarização está associado à anestesia geral. Está recomendada a realização de análises pré-cirúrgicas para avaliar a função hepática e renal, de forma a reduzir o risco anestésico.

 

Pós-destartarização

A maioria dos animais que se apresentam para destartarização têm gengivite associada. O veterinário no período pós-destartarização poderá receitar a toma oral de anti-inflamatório e antibiótico. É muito importante no período pós-destartarização adotar  hábitos que mantenham a saúde oral, de modo a atrasar a nova acumulação de tártaro.

Veja aqui como cuidar da higiene oral do seu cão.

Daniela Leal
Médica Veterinária de Animais de Companhia

Torção do estômago em cães: o que há a saber?

Torção do estômago em cães - o que saber

Etiologia da torção de estômago/gástrica

A torção gástrica é uma condição que atinge principalmente cães de raça grande e com peito profundo. A etiologia é desconhecida, contudo sabe-se que ocorrem alterações de motilidade a nível gástrico. A dilatação do estômago por excesso de ar no seu interior pode levar a que este torça sobre si mesmo. O esvaziamento gástrico fica comprometido e o estômago distende-se impedindo a normal circulação da parede gástrica e dos órgãos envolventes.

 

Como suspeitar de uma torção gástrica?

Os sinais são inespecíficos. Normalmente há dor abdominal e distensão abdominal considerável. Alguns animais apresentam tentativas de vómito não produtivo (não chegam realmente a vomitar).

 

O que devo fazer caso suspeite que o meu cão tem uma torção de estômago?

Ligar assim que possível para o veterinário, a expor a situação. O animal deve ser colocado num local confortável, evitando grandes movimentos, até ser transportado para o hospital.

 

Diagnóstico veterinário

É feito através da apresentação dos sinais clínicos exibidos pelo animal, juntamente com o exame físico na consulta e com a realização das projeções radiográficas. Apenas intracirurgicamente é possível perceber qual o grau da torção e de necrose do estômago.

 

Tratamento após o diagnóstico

A resolução de uma torção gástrica é cirúrgica. Trata-se de uma cirurgia de emergência. O animal é colocado a soro, com uma taxa de fluidoterapia agressiva para garantir uma boa perfusão de sangue aos órgãos. Deve ser realizada descompressão gástrica pré-cirurgicamente. A cirurgia consiste em reposicionar o estômago na sua posição anatómica normal e em remover as zonas de necrose gástrica. Se o baço estiver comprometido, pode ter que ser retirado (esplenectomia). A gastropexia (fixação do estômago) para prevenção de futuras torções está recomendada. A gastrostomia temporária (colocação de um tubo no estômago) pode ser necessária.

Em casos em que não ocorreu torção, mas apenas dilatação do estômago, a realização de cirurgia não é obrigatória.

 

Após a cirurgia, o tempo de internamento é longo?

A cirurgia realizada requer cuidados pós-operatórios intensivos. O animal necessita de ficar a soro durante alguns dias para evitar alterações como acidoses metabólicas e hipocalémias póscirúrgicas, bem como para garantir a perfusão sanguínea aos órgãos. É importante monitorizar o ionograma e o eletrocardiograma nas 48 horas pós-cirúrgicas, bem como controlar a ocorrência de arritmias cardíacas.

 

O prognóstico é favorável?

Quanto mais tempo passar até ser realizada a cirurgia, maior será o grau de necrose da parede gástrica e as probabilidades de sobrevivência diminuem significativamente. A taxa de mortalidade varia entre os 10% e os 45%.

 

Como prevenir uma torção de estômago?

A única forma cientificamente comprovada é a realização de cirurgia – gastropexia preventiva – que só deve ser pensada em cães de raças grandes e de peito profundo. Contudo, deve ser medido o risco-benefício junto do seu veterinário.

Está descrito também que o risco de ocorrência de torções gástricas diminui se os animais não ingerirem grandes quantidades de comida em cada refeição, se comerem devagar, se fizerem pelo menos 2 refeições por dia e se o passeio imediatamente antes ou depois das refeições for evitado.

Daniela Leal
Médica Veterinária de Animais de Companhia