Leptospirose canina: o que é e como tratar?

Saúde

A Lesptospirose canina é uma doença comum, transmitida essencialmente por animais como ratos, que são portadores da bactéria sem ter sintomatologia. Pode afetar o humano, tornando-se por isso uma das doenças mais importantes que faz parte do protocolo vacinal de um cão.

Em que consiste a Leptospirose canina?

A leptospirose canina é vulgarmente chamada de “doença transmitida pela urina dos ratos”. É uma zoonose, ou seja, é uma doença que pode ser transmitida ao humano e, por isso, motivo de grande preocupação. Esta patologia é causada por uma bactéria da espécia Leptospira que pode ter várias subespécies. A sua transmissão é feita quando há contacto com urina contaminada, com um rato contaminado ou até da mãe para os bebés pela placenta ou leite.
A bactéria provocadora da doença, depois de entrar no sistema sanguíneo tem tendência a atingir órgãos como fígado e rins, podendo provocar graves insuficiências hepáticas e/ou renais. Os sinais mais comuns são apatia, anorexia (deixar de comer), vómitos, diarreias, anemia, pancreatite, entre outros.

Tratamento da Leptospirose canina

Uma vez identificada a patologia, deve-se iniciar o mais rápido possível o tratamento. É essencial o internamento numa clínica ou hospital veterinário e o cão deve ser colocado com soro e iniciar antibióticos específicos. Poderão ser realizadas outras medicações sintomáticas, ou seja, medicações para parar os vómitos ou diarreias, entre outros, consoante os sinais do animal. Esta patologia pode levar a internamentos de longos períodos de tempo e incluí repetição constante de análises para perceber o prognóstico.

Profilaxia

Apesar de haver muitas subespécies de Leptospira, a vacinação completa das doenças infeto-contagiosas é a arma mais importante que temos do ponto de vista da profilaxia. Algumas vacinas têm duas estirpes de Leptospira e outras têm quatro. É muito importante ter um correto protocolo vacinal, tanto nos meses inicias do seu melhor amigo, como em todos os anos seguintes. Deve também tentar evitar passeios em locais onde saiba que existem vulgarmente ratos.

Prognóstico

Quando diagnosticada numa fase precoce, a Leptospirose pode ter um prognóstico menos mau, principalmente quanto mais celere for o início da terapia. No entanto, uma vez que afeta os rins e o fígado e existem estirpes muito perigosas e rápidas de atuar, pode ser uma patologia mortal ou deixar sequelas para toda a vida.

Se souber que o seu cão esteve em contacto com um rato ou outro animal infetado, deve procurar ajuda do médico veterinário habitual o mais rápido possível.

Joana Silva

Médica Veterinária

Planos Barkyn

Crie o seu plano personalizado Barkyn e descubra uma nova felicidade!

Começar