Que alimentos não devo dar ao meu cão?

Alimentação

Os cães são animais que se adaptam estritamente à dieta diária. Mudanças consecutivas na alimentação não estão recomendadas.

Oferecer outro tipo de alimentos fora das refeições (como se fossem snacks) pode causar distúrbios gastrointestinais.

Para além dos distúrbios provocados por mudanças na dieta, existem reações alérgicas ou tóxicas que são provocadas por alguns alimentos que não são tolerados pelo organismo do cão e, como tal, não lhe devem ser fornecidos.

 

Alimentos tóxicos para o cão:

  • Abacate: Pode provocar intoxicação se ingerido em quantidade;
  • Bebidas alcoólicas: Pequenas quantidades de álcool ingeridas por cães podem causar alterações a nível do sistema nervoso central. Os sinais típicos são incoordenação motora, vómitos e aumento da frequência respiratória;
  • Café e chá: A cafeína e a teofilina não são bem toleradas pelo cão, induzindo aumentos da frequência cardíaca e alterações a nível do sistema nervoso central;
  • Chocolate: Contém teobromina, substância intolerada pelos cães. O consumo de chocolate pode provocar alterações a nível cardíaco e a nível do sistema nervoso central, podendo causar convulsões e paragens cardíacas. Vómitos e diarreias podem ocorrer;
  • Cogumelos: Causam intoxicação se ingeridas as espécies venenosas. Dor abdominal e danos hepáticos e renais são os sinais mais frequentes;
  • Cozinhados com alho e cebola: Quer no seu estado cru quer utilizados em cozinhados, o alho e a cebola não são bem tolerados pelos cães, causando anemias severas;
  • Frutos secos: Podem causar vómitos, diarreias e pancreatite; 
  • Cítricos: Pela acidez que contêm não são recomendados, podendo causar distúrbios sobretudo a nível gástrico;
  • Lacticínios: Os cães não digerem bem a lactose e, como tal, a ingestão de lacticínios pode provocar vómitos e diarreias;
  • Uvas: Não são bem toleradas pelo seu potencial nefrotóxico (causam insuficiência renal);
  • Xilitol: O xilitol, muito utilizado nos doces, provoca hipoglicemia e falha hepática. Vómitos e falta de força para caminhar podem ocorrer em cães intoxicados por este componente.

 

Tratamento de intoxicações:

A ocorrência de intoxicação pela ingestão de qualquer um dos alimentos mencionados depende sempre da quantidade ingerida e do peso do cão em questão. Contudo, quando um alimento que possui risco de causar intoxicação é ingerido em grande quantidade, o vómito deve ser induzido de imediato e o animal deve ser levado ao veterinário.
Caso não seja possível fazer o cão vomitar logo após a ingestão do tóxico, o internamento com fluidoterapia e tratamento de suporte pode ser necessário para ajudar o organismo a eliminar o composto, diminuindo as probabilidades de intoxicação e dano orgânico.

 

E o resto dos alimentos? São seguros?

A ingestão de grande quantidade de alimentos fora das refeições, ainda que não sejam alimentos potencialmente tóxicos, pode ser contraproducente e causar alterações orgânicas indesejáveis e diminuir a absorção intestinal de nutrientes essenciais.

Daniela Leal
Médica Veterinária de Animais de Companhia

Planos Barkyn

Crie o seu plano personalizado Barkyn e descubra uma nova felicidade!

Começar